Núcleos de terras degradadas do campo calcário Aroeiras e adjacências, municípios de Coreaú e Sobral (Ceará)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v4i3.6753

Keywords:

Land degradation. Lithology. Plant extractivism.

Abstract

The research analyzes the land degradation in the Aroeiras limestone field and surroundings, an appropriate geosystem as a territory for the production of quicklime and cement in the municipalities of Coreaú and Sobral in the northwest region of the State of Ceará. From the methodological point of view, the map of land use and coverage allowed to detect that the three land degradation cores identified are almost exclusively outside the Aroeiras field, showing a low correlation with the carbonate lithology of the Frecheirinha formation and high with the Coreaú and Trapiá formations.Degradation in the core is associated with deforestation in the Caatinga without control, while the conserved cores correspond to large areas of forest management plan and dampening the impacts of large mining.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Francisco Nataniel Batista de Albuquerque, Instituto Federal do Ceará (IFCE)/Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Dr. Em Geografia, Professor do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal do Ceará (IFCE), Campus Iguatu e do Mestrado em Geografia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral-Ceará-Brasil,

References

AB’SABER, A. N. A problemática da desertificação e da savanização no Brasil. In: Geomorfologia, n° 53. São Paulo: USP. 1977. 20 p.

ALBUQUERQUE, F. N. B. Recurso natural, organização espacial e ordenamento territorial: mineração e degradação de terras na Depressão Interplanáltica Semiárida do Alto Coreaú (CE). Rio Claro: IGCE-UNESP. Tese (Doutorado em Geografia). 2015. 223 f.

ALBUQUERQUE, F. N. B. Organização espacial das caieiras e fornos de cal no campo calcário Aroeiras, municípios de Coreaú e Sobral (CE): passado e presente. Revista Geociências do Nordeste. vol. 5. Nº especial. 2019.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL. A indústria de calcários e dolomitos no Nordeste. Fortaleza: BNB/ETENE. 1987. (Série: Estudos econômicos e sociais, 34).

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATEGICOS – CGEE. Desertificação, degradação da terra e secas no Brasil. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2016.

CHERLET, M. et al. (eds.). World Atlas of Desertification. 3. Ed. Publication Office of the European Union, Luxembourg. 2018.

CORDANI, U. G.; TAIOLI, F. As ciências da Terra: sustentabilidade e desenvolvimento. In Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 2009.

COSTA, J. S. Análise geoambiental da Serra da Penanduba (Coreaú/Frecheirinha): bases geográficas voltadas à criação de unidade de conservação. Sobral/CE: UVA. Dissertação (Mestrado em Geografia). 2015. 105 f.

CREPANI, E. et al. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico. São José dos Campos: INPE, 2001. 25p.

DANTAS, E. W. C. et al. Nordeste brasileiro fragmentado: de uma região com bases naturais a uma fundamentação econômica. In SILVA, J. B. et al. (orgs). Litoral e sertão – natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica. 2006. p. 23-44.

DNPM. Mineração no Semiárido Brasileiro. Brasília. 2009.

FAO. Natural resources and the human environment for good and agriculture. Environment Paper. nº 1 Roma. 1980.

FUNCEME. ICID. Áreas degradadas susceptíveis aos processos de desertificação no Estado do Ceará. Brasil. Fortaleza: 1992.

GEOPLAN. Relatório de impacto no meio ambiente (RIMA) do projeto de lavra de calcário (DNPM 805.014/75) Coreaú/CE. Grupo Votorantim. vol. II. jan. 1989.

KOPEZINSKI, I. Mineração x meio ambiente: considerações legais, principais impactos ambientais e seus processos modificadores. Porto Alegre: Ed. da UFRGS. 2000.

MATALLO JÚNIOR, H. Indicadores de desertificação: histórico e perspectivas. Brasília: UNESCO. 2001.

MATALLO JÚNIOR, H. Glossário de termos e conceitos usados no contexto da UNCCD. Brasília: MMA. 2009.

PEREZ-MARIN, A. et al. Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: ocorrência natural ou antrópica? Revista Parcerias Estratégicas. v. 17, n. 34, p. 87-106. Brasília-DF, 2012.

SÁ, I. B. et al. Degradação ambiental e reabilitação natural do trópico semi-árido brasileiro. In: Conferência Nacional e Seminário Latino Americano de Desertificação. Fortaleza, CE. 1994.

SALES, M. C. L. Estudo da degradação ambiental em Gilbués-PI: Reavaliando o “núcleo de desertificação”. São Paulo, USP. Dissertação (Mestrado em Geografia). 1997. 181 f.

SILVA, I. A. S. Clima e arenização em Gilbués-Piauí: dinâmica das precipitações e a vulnerabilidade da paisagem aos eventos pluviais intensos. Goiânia: IESA-UFG. Dissertação (Mestrado em Geografia). 2014. 184 f.

UNCCD. United Nations Convention to Combat Desertification in those Countries Experiencing Serious Drought and/or Desertification, particularly in Africa. 1995.

WESTING, A. Population, Desertification and Migration. Environmental Conservation, 21 (2), 110-114. 1994.

Published

2020-10-07

How to Cite

DE ALBUQUERQUE, F. N. B. . Núcleos de terras degradadas do campo calcário Aroeiras e adjacências, municípios de Coreaú e Sobral (Ceará). Geopauta, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 180-194, 2020. DOI: 10.22481/rg.v4i3.6753. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/6753. Acesso em: 9 dec. 2021.