The space biopolitics of the political being denial: spatially constructed strangeness and spatially forged dehumanization in the Morro da Providência-RJ

Authors

  • Felipe Rangel Tavares Universidade Veiga de Almeida - Rio de Janeiro- Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v5i2.2021.e7972

Keywords:

metropolization, biopolitics, evictions, Morro da Providência, Rio de Janeiro

Abstract

We understand the metropolization of space as a biopolitical socio-spatial process. Based on the analysis of the evictions that took place in Morro da Providência-RJ, in the scope of the Consortium Urban Operation of the Port Region of Rio de Janeiro and the Morar Carioca Program, we aim to analyze the biopolitical spatiality in the contemporary metropolis. After relating the process of metropolization to the power relations that inscribe biopolitics in space, we sought a dialogue between Michel Foucault and Henri Lefebvre, around the concepts of "medium" and "instrumental space”. We propose the inscription-prescription-ordering analytical triad to examine urban projects and interventions that promote "spatially constructed strangeness" and "spatially forged dehumanization," spatial processes that empty the political substance that constitutes the social being.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Author Biography

Felipe Rangel Tavares, Universidade Veiga de Almeida - Rio de Janeiro- Brasil

Post-Graduate student the Program in Geography and Environment of PUC Rio. Master of Geography from PUC Rio and has a degree in Geography from the Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF-UERJ). He is professor of the Geography course at the Veiga de Almeida University (UVA), professor of basic teaching at the SESI FIRJAN (Duque de Caxias) school and instructor of the technical course in the Tourism and Hospitality area of SENAC RJ. He was a substitute professor in the Department of Geography of the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ)

References

AGAMBEN, G. Sobre a segurança e o terror. In: COCCO, Giuseppe; e HOPSTEIN, Graciela. (Org). As multidões e o Império: entre globalização da guerra e universalização dos direitos. Rio de Janeiro, DP&A, 2002. 152p.

CARLOS, A. F. A. Espaço-tempo na vida cotidiana na metrópole. 2ª edição revisada, São Paulo: Labur edições, 2017.

DAMMETO, M. O capital financeiro na operação urbana consorciada da região do Porto do Rio de Janeiro. Revista ParaOnde!? Programa de Pós-Graduação em Geografia UFRGS, Porto Alegre, v.9, n.2, pp.55-50, 2018.

DANNER, F. O sentido da biopolítica em Michel Foucault. Revista Estudos Filosóficos, n.4, pp.143-157, 2010.

FERREIRA, A. Caminhando em direção à metropolização do espaço. Geousp – Espaço e Tempo (online), v.20, n.3, pp.441-450, 2016.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes. 2008b.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. 13ª edição, Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.

FURTADO, R. N. CAMILO, J. A. de O. O conceito de biopoder no pensamento de Michel Foucault. Revista Subjetividades, Fortaleza, 16(3), pp.34-44, 2016.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Trasnmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais. 80, pp.115-147, 2008.

GUTERRES, A; BARROS, R. Mobilizando-se: entrevista com integrante da Comissão de Moradores do Morro da Providência. In: Caderno de debates 5 – Zona Portuária do Rio de Janeiro: sujeitos e conflitos. 1ª edição, FASE, Rio de Janeiro, 2015.

HAESBAERT, R. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. 1 ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2014.

LEFEBVRE, H. Espaço e Política. Belo Horizonte, UFMG, 2016.

LEFEBVRE, H. Vida cotidiana no mundo moderno. Rio de Janeiro, Editora Ática, 1991.

LEFEBVRE, H. Le retour de la dialetique: 12 mots clef pour le monde moderne. Paris, Messidor/Éditions Sociales, 1986.

LENCIONI, S. Reconhecendo metrópoles: território e sociedade. In: SILVA, Cátia Antônia da. FREIRE, Désirée Guichard. OLIVEIRA, Floriano José Godinho de. (Orgs.). Metrópole – governo, sociedade e território. Rio de Janeiro: DP&A: Faperj, 2006a. p.41-57.

LENCIONI, S. Da cidade e sua região à cidade-região. In: Panorama da Geografia Brasileira. SILVA, José Bozacchielo da et al (org.). São Paulo: Annablume, 2006b. p.65-75.

LENCIONI, S. Metrópole, metropolização e regionalização. 1ª edição, Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MBEMBE, A. Necropolítica. Arte e ensaios, Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, n.32, 2016.

OLIVEIRA, J. P. de. Pacificação e tutela militar na gestão de populações e territórios. Revista MANA, 20(1): pp.125-161, 2014.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidade/racionalidade. Perú Indígena, 13(29), pp.11-20, 1992.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

VAINER, C. B. Cidade de exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro. Anais do XIV Encontro Nacional da Associação Nacional de Planejamento Urbano (ANPUR), vol. 14, 2011. Disponível em: <http://br.boell.org/sites/default/files/downloads/carlos_vainer_ippur_cidade_de_excecao_reflexoes_a_partir_do_rio_de_janeiro.pdf>. Acesso: 13/04/2018.

VALLADARES, L. A invenção da favela: do mito de origem à favela.com. 4ª reimpressão, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

Published

2021-07-09

How to Cite

TAVARES, F. R. The space biopolitics of the political being denial: spatially constructed strangeness and spatially forged dehumanization in the Morro da Providência-RJ. Geopauta, [S. l.], v. 5, n. 2, p. e7972, 2021. DOI: 10.22481/rg.v5i2.2021.e7972. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/7972. Acesso em: 17 sep. 2021.

Issue

Section

Continuous demand articles