Mercado de trabalho e racismo: visão dos egressos do sistema de cotas raciais da Universidade Estadual de Londrina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v5i3.e2021.e8071

Palavras-chave:

Cotas raciais; , Desigualdades;, Emprego;, Racismo; , Universidade.

Resumo

O artigo procura compreender como os/as ex-estudantes que ingressaram pelo sistema de cotas raciais na Universidade Estadual de Londrina entre 2010 e 2016 percebem a presença do racismo nos mecanismos de seletividade do mercado de trabalho. Para isso, foi feita uma análise bibliográfica, recolha e organização de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios e do Nexo Jornal. Em um terceiro momento, foi confeccionado e aplicado um roteiro de perguntas aos/às egressos/as cotistas raciais da Universidade Estadual de Londrina. A pesquisa se caracteriza como quanti-qualitativa, com ênfase em uma abordagem interpretativa, que se propõe expressar o fenômeno estudado, dando mais liberdade e novas possibilidades no entendimento da realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Giovana Silva Rocha , Universidade Estadual de Londrina - UEL- Londrina- Paraná-Brasil

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina (2020).  É especialista em Ensino de Geografia pela UEL em 2021. Tem experiência na área de Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: conceitos de gênero e relações raciais, com ênfase na educação. 

Margarida de Cássia Campos, Universidade Estadual de Londrina - UEL- Londrina-Paraná- Brasil

Cursou estágio pós-doutoral no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (março de 2019 a fevereiro de 2020) tendo como tema de pesquisa "Políticas de ação afirmativa para ingresso no ensino superior: análise comparativa entre Brasil, França e Portugal". Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Estadual de Londrina (2003), graduada em licenciatura em Geografia (2000) e Bacharelado (2002). Atualmente é professora no curso de Licenciatura em Geografia e do curso de Especialização em Ensino de Geografia na Universidade Estadual de Londrina e professora do Programa do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede. Desenvolve pesquisas sobre os seguintes temas: educação geográfica, políticas de ações afirmativas para o ensino superior e relações raciais com ênfase na educação.

Referências

ABRAMO, L.; FARRANHA, A. C. Desigualdades de Gênero e Raça: eixos estruturantes dos padrões de desigualdade social no Brasil. In: GONÇALVES, B. S. (Org.). O compromisso das empresas com a promoção da igualdade racial. São Paulo: Instituto Ethos, 2006. p. 33-42.

A DESIGUALDADE racial no mercado de trabalho em 6 gráficos. Jornal Nexo, 13 nov. 2019.Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/11/13/A-desigualdade-racial-do-mercado-de-trabalho-em-6-gr%C3%A1ficos. Acesso em: 5 abr. 2020.

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

CARVALHO, J. J. O confinamento racial no mundo acadêmico brasileiro. PADÊ: estudos em filosofia, raça, gênero e direitos humanos. Brasília, v. 2, n. 1, p. 31-50, 2007.

DÁVILA, J. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

ESTARQUE, M.; CAMAZANO, P. Negras ganham menos e sofrem mais com o desemprego do que as brancas. Folha, out. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol. com.br/mercado/2019/10/negras-ganham-menos-e-sofrem-mais-com-o-desemprego-do-que-as-brancas.shtml. Acesso em: 7 abr. 2020.

GOMES, N. L. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral. Brasília, DF, 2019a. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6403. Acesso em: 6 jul. 2020.

IBGE. Pretos ou pardos estão escolarizados, mas desigualdade em relação aos brancos permanece. Brasília, DF, 2019b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/ agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25989-pretos-ou-pardos-estao-mais-escolarizados-mas-desigualdade-em-relacao-aos-brancos-permanece. Acesso em: 7 abr. 2020.

IPEA. Média da renda domiciliar per capita de brancos/as e negros/as em 1991 no Brasil. Brasília, DF, 1991. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 1º abr. 2020.

JACCOUD, L. B.; BEGHIM, N. Diagnóstico da situação do negro na sociedade brasileira. In: ______. Desigualdades raciais no Brasil: um balanço da intervenção governamental. Brasília, DF: IPEA, 2002. p. 25-35.

MARTINS, T. C. S. Determinações do racismo no mercado de trabalho: implicações na “questão social” brasileira. Temporalis, Brasília, v. 14, n. 28, p. 113-132, jul./dez. 2014.

MARTINS, T. C. S. Racismo no mercado de trabalho: limites à participação dos trabalhadores negros na constituição da “questão social” no Brasil. 2012. Tese (Doutorado em Serviço Social)-Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2012.

MUNANGA, K. Nosso racismo é um crime perfeito. Entrevista concedida a Camila Souza Ramos e Glauco Faria. Revista Forum, 9 fev, 2012. Disponível em: https://revistaforum.com.br/revista/77/nosso-racismo-e-um-crime-perfeito/. Acesso em: 9 jul. 2020.

PEREIRA, J. B. B. Diversidade e pluralidade: o negro na sociedade brasileira. Revista USP, São Paulo, n. 89, p. 278-284, mar./maio 2011.

SABÓIA, A. L.; SABÓIA, J. Brancos, pretos e pardos no mercado de trabalho no Brasil. In: ZONINSEIN, J.; FERES JÚNIOR, J. (Org.). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 81-104.

SILVA, M. N.; LARANJEIRA, P. Do problema da “raça” às políticas de ação afirmativa. In: PACHECO, J. Q.; SILVA, M. N. (Org.). O negro na universidade: o direito a inclusão. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2007. p. 125-138.

Publicado

2021-11-21

Como Citar

ROCHA , G. S.; CAMPOS, M. de C. Mercado de trabalho e racismo: visão dos egressos do sistema de cotas raciais da Universidade Estadual de Londrina. Geopauta, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e8771, 2021. DOI: 10.22481/rg.v5i3.e2021.e8071. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/8071. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos