O trabalho de campo como ferramenta para o entendimento de transformações socioespaciais: o caso das feiras orgânicas da cidade de Porto Alegre – RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v5i3.e2021.e8073

Palavras-chave:

Trabalho De Campo, Transformações Socioespaciais, Feiras Orgânicas, Geografia

Resumo

O artigo parte da concepção do trabalho de campo como ferramenta didático-pedagógica essencial para o entendimento das transformações socioespaciais. Técnica muito importante para os estudos geográficos, as discussões acerca do protagonismo do trabalho de campo sempre estiveram presentes ao longo do desenvolvimento da disciplina. Utilizado como técnica didático-pedagógica ou parte metodológica de pesquisas, é através dele que a teoria se aproxima da realidade. Nesse sentido, o presente artigo busca apresentar o exemplo de atividades de campo com alunos de graduação em feiras orgânicas na cidade de Porto Alegre. As análises além de demonstrar a importância da atividade nesses locais, também sinalizam a importância do planejamento do trabalho de campo para o desenvolvimento dos estudantes enquanto pesquisadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Michele Lindner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Pesquisadora nos grupos de pesquisas NEAG - Núcleo de Estudos Agrários -UFRGS, Mercados Não-Agrícolas Rurais - UFRGS e Rede DATALUTA - UNESP. Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (2004) , Especialização em Geociências pela Universidade Federal de Santa Maria (2007), Mestrado em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (2007), doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP Rio Claro (2011), com período Sanduíche na Universidade de Lisboa (2010) e Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018).

Flamarion Dutra Alves, Universidade Federal de Alfenas-UNIFAL-Alfenas-Brasil

Professor Associado no Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEO) da Universidade Federal de Alfenas. Líder do Grupo de Pesquisa "Grupo de Estudos Regionais e Socioespaciais - GERES" da UNIFAL/MG. Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ). Integrante da Rede de Estudos Agrários- REA. Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (2004). Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (2006). Doutor em Geografia (2007-2010) na área de concentração: Organização do Espaço pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Campus Rio Claro. 

Referências

ALENTEJANO, P. R. R.; ROCHA-LEÃO, O. M. Trabalho de campo: uma ferramenta essencial para os geógrafos ou um instrumento banalizado? In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo, nº 84, p.51-24. jul. 2006.

ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4 ed. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

CANDIOTTO, L. Z. P.; CARRIJO, B. R.; OLIVEIRA, J. A. de. A agroecologia e as agroflorestas no contexto de uma agricultura sustentável. In: ALVES, A. F.; CARRIJO, B. R.; CANDIOTTO, L. Z. P. (Orgs). Desenvolvimento territorial e agroecologia. São Paulo: Expressão Popular, 2008. p. 213-232.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Análise Multidimensional da Sustentabilidade: Uma proposta metodológica a partir da Agroecologia. In: Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável – v. 3 n. 3, Porto Alegre, jul/set de 2002.

CLAVAL, P. O papel do trabalho de campo na geografia, das epistemologias da curiosidade às do desejo. In: Confins. nº 13. 2013.

COSTA, E. B. da; SCARLATO, F. C. Geografía, método y singularidades revisadas en lo empírico. In: Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 23, n. 3, p. 640-661, dez. 2019.

GOMES, P. C.C . O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

MARAFON, G. J.; CHELOTTI, M. C.; PESSÔA, V. L. S. O trabalho de campo como investigação do meio rural brasileiro. In: MARAFON, G. J.; CHELOTTI, M. C.; PESSÔA, V. L. S. (Orgs.). Temas em geografia rural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2019. p. 255-269.

MARCOS, V. de. Trabalho de campo em geografia: reflexões sobre uma experiência de pesquisa participante. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo, nº 84, p.105-24. jul. 2006.

MARQUES, M. I. M. O conceito de rural em questão. In: Terra Livre. São Paulo, Ano 18, n. 19, p. 95-112, jul./dez. 2002. Disponível em: <http://www4.fct.unesp.br/nera/usorestrito/MARTA.pdf>. Acesso em: 25 maio 2011.

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE. Indústria e comércio - Mercados, feiras e Briques. Disponível em: <http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smic/default.php?p_secao=206>. Acesso em: 10 abr. 2020.

SERPA, Â. O trabalho de campo em geografia: uma abordagem teórico-metodológica. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo, nº 84, p.07-24. jul. 2006.

Downloads

Publicado

2021-11-21

Como Citar

LINDNER, M.; ALVES, F. D. O trabalho de campo como ferramenta para o entendimento de transformações socioespaciais: o caso das feiras orgânicas da cidade de Porto Alegre – RS . Geopauta, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e8073, 2021. DOI: 10.22481/rg.v5i3.e2021.e8073. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/8073. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos