Proposta de Interpretação Ambiental em Unidade de Conservação: O caso do Monumento Natural Morro de Santo Antônio - MT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v5i3.e2021.e8417

Palavras-chave:

Educação Ambiental;, Interpretação Ambiental;, Unidades de Conservação.

Resumo

A Interpretação Ambiental no Monumento Natural Morro de Santo Antônio, localizado em Santo Antônio do Leverger – MT, surge da necessidade de apresentar discussões acerca da problemática do uso do local de estudo. Este estudo teve como objetivo propor a implantação de trilhas autoguiadas no Morro de Santo Antônio, com vistas ao desenvolvimento da Educação e Interpretação Ambiental. O procedimento metodológico utilizado foi a pesquisa exploratória com abordagem qualitativa. Foram realizadas visitas in loco, onde percorremos a trilha principal utilizada pelos visitantes. A partir destas visitas, foram levantados os elementos naturais visíveis com base em pontos pré-selecionados na trilha, configurando-se em pontos estratégicos para a sugestão da instalação dos painéis interpretativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marinete Guimarães da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso- UFMT- Brasil

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Mato Grosso (2006), Especialista em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal Tecnológico de Mato Grosso (2009) e Professora de Geografia graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (2019). Mestranda da UFMT

Giseli Dalla Nora, Universidade Federal de Mato Grosso- UFMT- Brasil

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso, mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso. Pesquisadora do grupo de Pesquisas em Geografia Agrária e Conservação da Biodiversidade - GECA.

Referências

BRASIL. Decreto nº 84.017, de 21 de setembro de 1979. Aprova o Regulamento dos Parques Nacionais Brasileiros.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, 1999.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília, 2000.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, 1981.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA divulga diretrizes para visitação em Unidades de Conservação. 2006. Disponível em: https://www.gov.br/mma/pt-br/noticias/mma-divulga-diretrizes-para-visitacao-em-unidades-de-conservacao. Acesso em: 27 mar. 2019.

DALLA NORA, G.; TAKATA, R. T.. Planejamento Turístico do Monumento Natural Estadual Morro de Santo Antônio, no Município de Santo Antônio de Leverger-MT. Inter Espaço. Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, Grajaú/MA, v. 4, n. 15, p. 156-169, set./dez. 2018.

DELGADO, A. B.; PAZOS, A. S.. Interpretação do patrimônio, turismo e gestão de áreas protegidas: algumas aproximações. Turismo & Sociedade, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 300-323, abr. 2013.

DIAS, G. F.. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004. 6ª reimpressão, 2014. 551p.

DORST, J.. Antes que uma natureza morra: por uma ecologia política. São Paulo: Ed. USP, 1973.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONT000gn230xho02wx5ok0liq1mqxhk6vk7.html. Acesso em: 27 mar. 2019.

FERRER, P. M. A.. Algumas observações sobre a floração e ocorrência de Salvertia Convallariodora St.Hill. (Vochysiaceae) no Morro de Santo Antônio, MT. Monografia de Especialização em Biologia do Cerrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade da Universidade Federal de Mato Grosso, 1981.

FREIRE, P.. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. 245p.

GUARIM, V. L. M. S. et al. Inventory of a Mesotrophic Callisthene Cerradão in the Pantanal of Mato Grosso, Brazil. Edinburg Journal of Botany, v. 3, p. 429-436, 2000.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. 5ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2012. 200p.

HASSLER, M. L.. Legislação ambiental e as Unidades de Conservação no Brasil. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 14, jan./jun. 2005. 17p.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Interpretação Ambiental nas Unidades de Conservação Federais. Brasília, 2018. 74p.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Diretrizes para a Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de Conservação – ENCEA. 48p.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Visitação em Parques Nacionais bate novo recorde em 2018. 2019. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/10216-visitacao-em-parques-nacionais-bate-novo-recorde-em-2018#:~:text=Para%20o%presidente%20do%20Instituto,das%20unidades%20faz%20toda%20diferen%C3%A7a. Acesso em: 11 maio 2019.

JÚNIOR PHILIPPI, A.; PELICIONI, M. C. F.. Bases políticas, conceituais, filosóficas, ideológicas da Educação Ambiental. In: Educação Ambiental e Sustentabilidade. 2. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2014. p. 3-12.

LIMA, J. B.. Levantamento preliminar de artrópodes de solo em ambientes de cerrado no Morro de Santo Antônio-MT. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Biologia do Cerrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade da Universidade Federal de Mato Grosso, 1980.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 297p.

MATO GROSSO. Lei nº 8.504, de 9 de junho de 2006. Cria o Monumento Natural Estadual Morro de Santo Antônio, no Município de Santo Antônio de Leverger, Estado de Mato Grosso.

MATO GROSSO. Lei nº 7.381, de 27 de dezembro de 2000. Tomba como patrimônio paisagístico, histórico e cultural do Estado de Mato Grosso a morraria conhecida pelo nome de Morro de Santo Antônio.

MENDONÇA, D. J. F.. Educação Ambiental em Unidades de Conservação: um estudo sobre projetos desenvolvidos na APA do Maracanã. 2012. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/41316868.pdf. Acesso em: 09 maio 2019.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. 42p.

MOLINA, S. R.. Planejamento integral do turismo: um enfoque para a América Latina. Bauru: EDUSC, 2001. 165p.

MOREIRA, D. M. P.. Ocorrência de Pteridófitas em cerrado I: Morro de Santo Antônio de Leverger. 1981. Monografia de Especialização em Biologia do Cerrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade da Universidade Federal de Mato Grosso, 1981

MOREIRA, J. C.. Geoturismo e interpretação ambiental. 1. ed. rev. e atual. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014. 157p.

ONTIVEROS, M. M. M.; MARTÍNEZ, M. E. U.; MORENO, M. N. A.. La interpretación del patrimonio, uma herramienta para el professional del turismo. Revista El Periplo Sustentable, n. 20, jan./jun. 2011. 22p.

ONU. Organização das Nações Unidas. Disponível em: https://brasil.un.org. Acesso em: 27 mar. 2019.

PIMENTEL, D. S.; MAGRO, T. C.. Diferentes dimensões da educação ambiental para a inserção social dos parques. Anais Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, RJ, v. 2, n. 2, p. 1-9, 2014.

PROJETO DOCES MATAS. Manual de Introdução à Interpretação Ambiental. Belo Horizonte, 2002. 106p.

QUEIROZ, E. D.; GUIMARÃES, M.. O trabalho de campo em unidades de conservação como ambiente educativo e estratégia pedagógica fundamental para uma formação diferenciada em educação ambiental. Revista de Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 421-425, nov. 2016.

REIGOTA, M.. O que é Educação Ambiental. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 2006. 62p.

RONDON, E. B. N. L.; MODESTO FILHO, P.; MOURA, R. M. P.. Plano Municipal de Saneamento Básico: Santo Antônio de Leverger-MT. Cuiabá-MT: EdUFMT, 2017. 714p.

SATO, M.. Educação Ambiental. São Carlos: RiMa, 2003. 64p.

SILVA, C. J.. Proposta de preservação do Morro de Santo Antônio. 1981. Relatório do Curso de Especialização em Biologia do Cerrado, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 1981.

SOUZA, C. A.. O uso de sensoriamento remoto para avaliar a dinâmica da vegetação em uma unidade de conservação no estado de Mato Grosso. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Disponível em: https://silo.tips/download/o-uso-de-sensoriamento-remoto-para-avaliar-a-dinamica-da. Acesso em: 10 maio 2019.

SOUZA, K. G. A.. Os centros de interpretação ambiental como equipamento museológico contemporâneo: reflexões para a programação museológica na paisagem protegida da serra do Montejunto. 2010. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2010.

TILDEN, F.. Interpreting our heritage. 3. ed. The University of North Carolina Press, 1977. 117p.

THOMÉ FILHO, J. J. et al. Sistema de informação geoambiental de Cuiabá, Várzea Grande e Entorno – SIG CUIABÁ. Goiânia: CPRM, 2004. 309p.

Publicado

2021-11-21

Como Citar

DA SILVA, M. G.; DALLA NORA, G. Proposta de Interpretação Ambiental em Unidade de Conservação: O caso do Monumento Natural Morro de Santo Antônio - MT . Geopauta, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e8417, 2021. DOI: 10.22481/rg.v5i3.e2021.e8417. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/8417. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos