Impactos da pandemia covid-19 nas festas religiosas e procissões em Mata Grande, Alagoas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v5i3.e2021.e8459

Palavras-chave:

Procissão;, Pandemia Covid-19;, Redes Sociais;, Festas Religiosas,, Mata Grande.

Resumo

As procissões são caracterizadas pelo aglomerado de fiéis que percorre um trajeto carregando o andor com a imagem de determinado santo, com a pandemia ocorreu o fechamento de igrejas e santuários, a suspensão das festas religiosas e das procissões. Esse estudo tem o intuito de identificar os impactos que aconteceram nas festas religiosas e procissões na cidade de Mata Grande em Alagoas durante esse período de pandemia da covid-19. A metodologia utilizada foi fenomenológica e para consolidar o estudo usou o método qualitativo. Os dados da pesquisa de (LIMA, 2019) serviram de base para as análises comparativas das práticas religiosas na cidade de Mata Grande. Concluiu que as celebrações religiosas em 2020 comparado com anos anteriores tiveram reduções no número de participantes e o uso de redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Magda Campos de Lima, Universidade Federal de Alagoas-UFAL-Brasil

Mestranda em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPGG/UFAL. Graduada em Geografia (Licenciatura) pela Universidade Federal de Alagoas/UFAL. Foi professora da disciplina de Geografia no Ensino fundamental 2 na Escola de Educação Básica Lápis de Cor

Referências

BRANDÃO, M. História de Alagoas seguido de o baixo São Francisco: o rio e o vale. Maceió: EDUFAL, 2015.294p.

BONNEMAISON, J. Viagem em Torno do Território. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Orgs.). Geografia Cultural: um Século (3). Rio de Janeiro: EdUERJ, p. 83-131. 2002.

CAMPOS, I. Em tempos de pandemia, qual o lugar do sagrado? Uma breve análise etnográfica sobre a agência de atores religiosos em Pelotas (RS). Revista de Estudos e Investigações Antropológicas, Pernambuco, v. 7, n. 1, p.1-22. 2020.

CPRM. Diagnóstico do município de Mata Grande, Estado de Alagoas. MASCARENHAS, J.C; BELTRÃO, B.A; SOUZA JUNIOR, L.C. (orgs). Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.13 p.

CORRÊA, J.S. FESTAS SILENCIOSAS: FORMAS DE CULTUAR PERANTE A PANDEMIA. In: IV workshop de geografia cultural: Territorialidades do sagrado: abordagens da geografia da religião, 4,2020, Minas Gerais. Anais... Minas Gerais: Universidade Federal de Alfenas-MG, p.1-21. 2020.

CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. L. (orgs.). Introdução à geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. 224 p.

CUNHA, C. M. B.; COLFERAI, S. A. C. Religiosidade em tempos de pandemia: relato de mudanças na prática da fé católica em uma comunidade do interior da Amazônia. Tocantins. Aturá - Revista Pan-Amazônica De Comunicação, v. 4, n.2, p.59-79, mai-ago, 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. 248 p.

GOVERNO DE ALAGOAS. Perfil Municipal Ano 2014, n.2 (2014). Maceió: Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico, 2013.

LIMA, M.C. Territorialidade religiosa e a representação imagética a partir da concepção dos devotos na cidade de Mata Grande - AL. 2019. 114 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Unidade Delmiro Gouveia-Campus do Sertão, Universidade Federal de Alagoas, Delmiro Gouveia, 2019.

MELO,L.N. Objetos simbólicos e territorialidades do sagrado: a procissão católica em Carmo do Rio Claro-MG. In: IV workshop de geografia cultural: Territorialidades do sagrado: abordagens da geografia da religião,4,2020, Minas Gerais. Anais... Minas Gerais: Universidade Federal de Alfenas-MG, 2020.p.40-61.

MELLO, J. B. F. O Rio dos Símbolos Oficiais e Vernaculares. In.: CORRÊA, R. L, ROSENDAHL, Z.; (orgs.). Espaço e Cultura: Pluralidade temática. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008. p. 173-186.

PANORAMA ESTATÍSTICO DE MATA GRANDE-AL. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2019.

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE MATA GRANDE-AL. Livro de tombo nº 2 (1938-2011). Arquivo paroquial de Mata Grande (AL).

RÉGIS, D. R. B., ALBUQUERQUE. A.D., SILVA.L.C. Religiosidade em tempos de Pandemia: um olhar sobre a festa de Santa Teresinha, em Massaranduba-PB.In: XLIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Virtual, 43,2020,Bahia.Anais... Bahia: Intercom e Universidade Federal da Bahia (UFBA), 2020.14 p.

ROSENDAHL, Z. Uma procissão na geografia. 1. ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018.408 p.

ROSENDAHL, Z. CORRÊA, R. L (org.). Geografia cultural: uma antologia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.306 p.

ROSENDAHL, Z. Espaço e religião: uma abordagem geográfica. Rio de Janeiro: Ed UERJ, 1996.89 p.

SANTANA. M. H. In: PEDROSA, T. M. (org.). Festa à Vista. Arte popular de Alagoas. Maceió: Grafitex, 2000. 217 p.

SANTOS, I.F; LIMA, M.E. O.Caminhada com Maria virtual: uma festa popular em diálogo com o digital. Revista Internacional de Folkcomunicação, Paraná, v. 18, n. 41, p.54-69, jul-dez, 2020.

SCORSOLINI-COMIN, F., ROSSATO L., CUNHA. V.F, et al. A Religiosidade/Espiritualidade como Recurso no Enfrentamento da Covid-19. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, Minas Gerais, v.10, n.1, p.1-12, 2020.

SOUSA, M. J. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Castro Iná et al. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.356 p.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. 1930. Tradução: Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2012. 248 p.

Downloads

Publicado

2021-11-21

Como Citar

LIMA, M. C. de. Impactos da pandemia covid-19 nas festas religiosas e procissões em Mata Grande, Alagoas . Geopauta, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e8459, 2021. DOI: 10.22481/rg.v5i3.e2021.e8459. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/8459. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos