Análise da constituição do Jogo Copos das Frações sob Perspectiva da Abordagem Instrumental

Autores

Palavras-chave:

Sequência didática, Aprendizagem lúdica, Operações com frações, Ensino fundamental

Resumo

Este relato de experiência apresenta discussões relacionadas às ações de um subprojeto de Matemática do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência sobre a confecção e aplicação de um jogo intitulado Copos das Frações, desenvolvido com o objetivo de revisitar as noções de frações equivalentes e operações com frações em uma turma do 6º ano do Ensino Fundamental. A Abordagem Instrumental fundamentou a elaboração deste recurso didático e viabilizou meios para que, através do processo de gênese instrumental, o jogo se constituísse como um instrumento efetivo para a aprendizagem das noções de frações supracitados. O design qualitativo da metodologia aplicada deu suporte para a realização de da análise subjetiva do processo de constituição do jogo, a partir da elaboração de uma Sequência Didática. Além disso, permitiu concluir que a revisitação de conceitos de objetos matemáticos já trabalhados em aulas tradicionais, em particular, as frações numéricas, pelos estudantes, utilizando jogos oferece maior visibilidade e formação de um ambiente colaborativo para produção do conhecimento matemático.

Biografia do Autor

Liliane Xavier Neves, Universidade Estadual de Santa Cruz

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista ”Júlio de Mesquita Filho”. Professora Assistente da Universidade Estadual de Santa Cruz. Integrante do Grupo de Pesquisa em Ensino e Aprendizagem da Matemática em Ambiente Computacional (GPEMAC), do Grupo de Pesquisa em Informática, outras Mídias e Educação Matemática (GPIMEM) e do Grupo de Articulação, Investigação e Pesquisa em Educação Matemática (GAIPEM).

Rosane Leite Funato, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora Assistente do Depto de Ciências Exatas e Tecnológicas  da Universidade Estadual de Santa Cruz

Afonso Henriques, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professor Pleno do Depto de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual de Santa Cruz

Referências

R. Fiscarelli, Material Didático: discursos e saberes, Junqueira & Marin, Araraquara, 2008.

P. H. B. Thomaz, M.A.B.A. Megid, Recursos didáticos no ensino da Matemática: o jogo como estratégia de ensino e o programa ler e escrever. Currículo sem fronteiras, 17 (2017), pp. 833 – 847.

K. R. Jelinek, Jogos nas aulas de Matemática: brincadeira ou aprendizagem? O que pensam os professores?, Dissertação de Mestrado em Ciências e Matemática – Faculdade em Física, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2005.

J. L.S. Silva, J. R. Evangelista, R. B. Santos, P. M. Mendes, Matemática Lúdica: Ensino fundamental e médio. Educação em Foco, 5 (2013), pp. 26 – 36.

D. Fiorentini, F. C. Castro. Tornando-se professor de Matemática: o caso de Allan em Prática de ensino e Estágio Supervisionado. In: D. Fiorentini (org.). Formação de professores de Matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado de letras, 2003. Pp 53 – 85.

M. C. Borba, H. R. F. L. Almeida, T. A. S. Gracias, Pesquisa em ensino e sala de aula: diferentes vozes em uma investigação, Autêntica, Belo Horizonte, 2018.

P. Freire, Extensão ou comunicação? 19º. ed. Paz e Terra, São Paulo, 2018.

P. Rabardel, Les hommes et les technologies: une approche cognitive des instruments contemporains. Paris: Armand Colin, 1995.

A. Henriques, Um estudo de superfícies e de integrais múltiplas em ambiente computacional. In: Anais do VIII Encontro Nacional de Educação Matemática, UFPE, Recife, 2004, pp. 1-16.

A. Henriques, J. P. Attie, L. M. S. Farias, Referências teóricas da didática francesa: análise didática visando o estudo das integrais múltiplas com auxílio do software Maple. Educação Matemática Pesquisa, 9, (2007), pp. 51-81.

A. Henriques, Análise Institucional & Sequência Didática como Metodologia de Pesquisa. In: Anais do I Simpósio Latino-Americano de Didática da Matemática, Bonito, Sistema Tuse, 2016, pp. 1-16.

A. Henriques, Reflexões sobre análises institucionais e sequências didáticas: o caso do estudo de integrais múltiplas. Progressão de Carreira do Magistério Superior, de Adjunto a Titular. Universidade Estadual de Santa Cruz. Ilhéus, Bahia, Brasil, https://sites.google.com/site/gpemac/dissertacoes-de-mestrado. 2011 (acessado em 14 de agosto de 2020).

A. Henriques, Estudo de relações em sala de aula com a presença de ambientes computacionais de aprendizagem - PERSAC. In: Anais do III Seminário Regional do LIAPEME & I Colóquio Internacional Sobre Ensino e Didática das Ciências, UEFS, Feira de Santana, 2014, pp. 68-78.

M. C. Borba, R. S. R. Silva, G. Gadanidis, Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 2. ed., Autêntica, Belo Horizonte, 2018.

R. R. S. Scucuglia, Narrativas multimodais: a imagem dos matemáticos em performances matemáticas digitais. Bolema, v. 28, n. 49, 2014, pp. 950-973.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Edição

Seção

Relatos de Experiências