Modelagem matemática para o estudo de função afim: uma possibilidade de aprendizagem a partir da conta de água

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/intermaths.v1i1.7607

Palavras-chave:

Modelagem Matemática, Função Afim, Teoria de Registros de Representação Semiótica

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo expor os resultados de uma pesquisa realizada com alunos do 1.º ano do Ensino Médio de uma escola pública do município de Ituiutaba – MG, que buscou investigar as potencialidades e as limitações de uma intervenção de ensino a partir da análise da conta de água desses estudantes, seguindo os pressupostos da Modelagem Matemática e da Teoria dos Registros de Representação Semiótica. O estudo de cunho qualitativo e quantitativo contou com a participação de 30 alunos que, durante dezesseis encontros, realizaram atividades que possibilitaram modelar o consumo d’água nas residências no município de Ituiutaba. As tarefas propostas pautaram-se pela possibilidade do uso das atividades cognitivas de conversão e tratamento, referentes à teoria de Raymond Duval. Diante dos registros obtidos foi evidenciado que, em atividades com tratamentos de registros numéricos, os alunos demonstraram melhor desempenho do que usando a conversão de registros. Diagnosticou-se, ainda, que a transição do registro algébrico para o registro gráfico do objeto matemático (função afim) apresenta uma dificuldade para os alunos. Em outra perspectiva, os estudantes passaram a ter uma atitude crítica diante dos resultados encontrados, a ponto de descobrirem que no município são cobradas tarifas diferentes dependendo do bairro e que, para a primeira faixa de consumo, o indivíduo que atingiu um menor consumo real paga a mesma quantia daquele que consumiu mais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rogério Fernando Pires, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor Adjunto do Instituto de Ciências Exatas e Naturais do Pontal (ICENP) da Universidade Federal de Uberlândia (Campus Ituiutaba); professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) da UFSCar.

Cássia Silva Costa, Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais

Licenciada em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia, Campus Pontal; ex-bolsista nos programas PIBID e Residência Pedagógica.

Carlos Eduardo Petronilho Boiago, Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais

Doutorando em Educação, pelo Programa de Pós-graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é professor no Ensino Médio da rede estadual de ensino de Minas Gerais e na Faculdade Mais de Ituiutaba-MG, atuando nas disciplinas Geometria Analítica, Estatística, Álgebra Linear e Cálculo.

Referências

J C. Barbosa, Modelagem na educação matemática: uma perspectiva, in: Encontro Paranaense de Modelagem em Educação Matemática, 1, 2004b, Londrina, Anais, UEL, Londrina, 2004, 1 CD-ROM.

R. C. Bassanezi, Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia, Contexto, São Paulo, 2002.

M. A. V. Bicudo, Pesquisa Qualitativa e pesquisa qualitativa segundo a abordagem fenomenológica, in: M. C. Borba, J. L. Araujo, Pesquisa qualitativa em educação matemática, Autêntica, Belo Horizonte, 2004, pp. 99-112.

M. S. Biembengut, Modelagem matemática & implicações no ensino-aprendizagem de matemática, Furb, Blumenau, 1999.

M. S. Biembengut, N. Hein, Modelagem matemática no ensino, 5. ed., Contexto, São Paulo, 2009.

C. E. P. Brumano, A modelagem matemática como metodologia para o estudo de análise combinatória, 2014.

J. W. Creswell, Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto, Trad. M. Lopes, Artmed, Porto Alegre, 2010.

U. D’Ambrosio, Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática, Ed. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.

R. Duval, Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática, in: S. D. A. Machado, Aprendizagem em matemática: registros de representação semiótica, Papirus, Campinas, 2003, pp. 11-33.

R. Duval, Semiosis y pensamiento humano: registros semióticos y aprendizajes intelectuales, Trad. M. V. Reestrepo, Peter Lang, Universidade Del Valle, 2004.

R. Duval, Diferenças semânticas e coerência matemática: introdução aos problemas de congruência, Trad. M. T. Moretti, Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, 7 (2012) 1, 97-117.

R. Duval, Registros de representação semiótica e funcionamento cognitivo do pensamento, Trad. M. T. Moretti, Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, 7 (2012) 2, 266-297.

O. Fachin, Fundamentos da metodologia, Saraiva, São Paulo, 2005.

P. Freire, Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa, 30. ed., Paz e Terra, São Paulo, 2004.

G. Granger, A razão, 2. ed., Difusão Europeia do Livro, São Paulo, 1969.

Brasil, Parâmetros Curriculares Nacionais – Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental – Matemática, Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, 1998.

C. C. Prodanov, E. C. Freitas, Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico, 2. ed., Feevale, Novo Hamburgo, 2013.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

Pires, R. F., Silva Costa, C. ., & Petronilho Boiago, C. E. . (2020). Modelagem matemática para o estudo de função afim: uma possibilidade de aprendizagem a partir da conta de água. INTERMATHS, 1(1), 77-100. https://doi.org/10.22481/intermaths.v1i1.7607

Edição

Seção

Dossiê