A prova como um instrumento de avaliação para a aprendizagem

Autores

Palavras-chave:

prova, matriz, correção, inclusão, avaliação

Resumo

O principal objetivo deste texto, consiste em apresentar algumas reflexões sobre a prova de matemática como um instrumento de avaliação para a aprendizagem, isto é, mostrar o que é uma prova do ponto de vista pedagógico, como elaborá-la, quantas perguntas devem comportar uma prova, qual a sua função social e pedagógica. Ainda são apresentadas algumas sugestões diferenciadas de avaliação para que a prova tenha um caráter de inclusão social evidenciando a aprendizagem de todos e não apenas de alguns. Também são apresentadas sugestões aos professores de matemática no sentido de fazer um aproveitamento pedagógico quer dos erros como dos acertos nas produções dos alunos no processo de composição de respostas para cada uma das questões presentes na prova. Decidiu-se por começar no que entendemos como prova em âmbito pedagógico e seguiram-se reflexões sobre como elaborar uma prova, matriz de prova e proposta de correção modelo. Através deste texto esperamos contribuir para melhoria do processo de ensino aprendizagem da matemática, orientando os professores de matemática e alunos na melhoria da conceção da prova como um instrumento de avaliação para a aprendizagem e desconstruir a conceção que se tem da prova como sendo o bicho papão que pune os alunos.

Biografia do Autor

Evaristo Das Mangas, ISCED/HUILA

Licenciado em Ensino da Matemática pelo Instituto Superior de Ciências da Educação da Huila-Angola, mestre em Matemática Para Professores pela Universidade da Beira Interior-Portugal e doutorando em Matemática e Aplicações na Faculdade de Ciências da UBI-Portugal, faz parte do centro de matemática da UBI. É professor de Matemática no Colégio Nº 852 ``11 de Novembro''-Lubango e professor colaborador assistente no ISCED-HUILA e desenvolve a sua investigação na área de Álgebra Linear e Multilinear, estudando o permanente de matrizes não negativas.

Referências

F. C. H. Alfredo, Políticas Educativas e Avaliação das Apredizagens em Angola: Discursos e Práticas de Professores, Universidade do Minho (Tese de Doutoramento), 2018.

M. Cid e I. Fialho, “TurmaMais e Sucesso Escolar:Contributos teóricos e práticos,” Critérios de Avaliação: Da Fundamentação à Operacionalização, pp. 109-124, 2011.

D. Fernandes, “TurmaMais e Sucesso Escolar:Contributos teóricos e práticos,” Avaliar Para Melhorar as Aprendizagens: Análise e Discussão de Algumas Questões Essenciais, pp. 81-107, 2011.

D. A. F. d. Moraes, “Prova: instrumento avaliativo a serviço da regulação do ensino e da aprendizagem,” Estudos em Avaliação Educacional, vol. 22, nº 49, pp. 233-258, 2011.

C. Rodrigues, “ gestaoescolar@fvc.org.br,” [Online]. Available: http://gestaoescolar.abril.com.br/aprendizagem/como-elaborar-provas-ajudam-aprendizagem-avaliacao-teste-exame-539183.shtml. [Acedido em 10 Janeiro 2016].

J. M. L. Hoffmann, Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtivista, Porto Alegre: Mediação, 2000.

NCTM, Princípios e Normas da Matemática Escolar, 2.ª ed., Lisboa: APM, 2008.

G. Polya, A Arte de Resolver Problemas: Um Novo Aspecto.Trad. e adap.Heitor Lisboa de Araujo. 2ª reimpr., Rio de Janeiro, 1995.

J. Bergmann e A. Sams, Sala de Aula Invertida: uma metodologia ativa de apredizagem, 1.ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2016.

U. D´Ambrosio, Etnomatemática: Elo entre as tradiçoes e a modernidade, Belo Horizonte: Autentica , 2007.

H. N. Cury, Análise de erros: o que podemos aprender com os erros dos alunos., Belo horizonte : autêntica .colecção tendências em educação matemática. 2ª edição., 2013.

W. J. Popham, Classroom Assessment: What Teachers Need to Know, Eighth edition ed., University of California, Los Angeles: Pearson Education, Inc., 2017.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Edição

Seção

Artigos