Dificuldades na Aprendizagem Trigonométrica: reflexos da educação básica no Ensino Superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/intermaths.v2i2.8529

Palavras-chave:

Trigonometria, Educação Básica, Ensino Superior, Aprendizagem

Resumo

Este texto apresenta alguns resultados de uma investigação que teve como objetivo identificar se as dificuldades apresentadas por discentes dos cursos da área de Ciências Exatas e da Terra de uma universidade, em relação ao ensino dos conteúdos da trigonometria, é um problema que vem da Educação Básica e que reflete no Ensino Superior. Com o intuito de atender o objetivo foi feita uma pesquisa de campo com 28 discentes matriculados em disciplina cujos conteúdos envolveram cálculos pertencentes a um dos quatro cursos da citada área. O aporte teórico principal utilizado foi a Teoria Ausubeliana. Essa pesquisa tem uma natureza qualitativa em que o instrumento para coleta de dados foi um questionário com perguntas a respeito da dificuldade em relação ao tema, e para a análise dos dados foi aplicada a análise do conteúdo. Os dados mostram que a escassez do uso de diferentes recursos didáticos nas aulas, na Educação Básica, pode ser considerada um fator que limita a aprendizagem das abordagens trigonométricas. Os conteúdos trigonométricos que são vistos durante a fase de aprendizagem não interagem com os conhecimentos prévios dos sujeitos. Além disso, evidenciam que os tópicos trigonométricos ensinados durante a Educação Básica não estimulou a curiosidade discente, fato este que está se refletindo também no Ensino Superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mateus Souza de Oliveira, Instituto Federal da Bahia, Seabra-BA, Brasil

Mestre em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC. Professor do Instituto Federal de Ciências e Tecnologias da Bahia – IFBA (Campus de Seabra). Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisas Interdisciplinares na Chapada Diamantina.

Referências

P. Abbot, Trigonometria. 2ª ed. São Paulo: Hemus, 2004.

D.P. Ausubel, A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, Moraes,1982.

D.P. Ausubel, Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Editora Plátano, 2003.

L. Bardin, Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

N.M.L. Costa, Funções seno e cosseno: uma sequência de ensino a partir dos contextos do “Mundo Experimental” e do computador. 1997. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Católica de São Paulo, São Paulo: PUC, 1997.

R. Ghiglione, B. Matalon, O Inquérito: teoria e prática. Oeiras: Celta Editora, 2003.

I.A. Mendes, O uso da história no ensino da Matemática: reflexões teóricas e experiências. Belém: EDUEPA, 2001.

M.A. Moreira, O que é afinal aprendizagem significativa? Revista cultural La Laguna Espanha, 2012. Disponível em: http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf. Acesso em 09 jun. 2021.

C.S. Pereira, Aprendizagem em trigonometria no ensino médio: contribuições da teoria da aprendizagem significativa. São Paulo: Paco Editorial, 2012.

R.J. Richardson, Pesquisa social: métodos e técnicas. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

W.R. Valente, Uma história da matemática escolar no Brasil (1730-1930). 2ª ed. São Paulo: Livraria da Física, 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

Oliveira, M. S. de. (2021). Dificuldades na Aprendizagem Trigonométrica: reflexos da educação básica no Ensino Superior. INTERMATHS, 2(2), 140-155. https://doi.org/10.22481/intermaths.v2i2.8529

Edição

Seção

Artigos