Um Diálogo entre a Escola Pública e o Ensino Híbrido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/intermaths.v2i2.9691

Palavras-chave:

Escola, Educação, Ensino Hibrido, Aprendizagem

Resumo

Este artigo tem como desígnio fazer um diálogo entre o Ensino Híbrido e a escola pública, mostrando-o como uma nova probabilidade para o acesso à Educação, tendo em vista o período pandêmico e a necessidade de que fossem tomadas novas posturas, as quais devem se mostrar mais democráticas e ainda encorajar o aluno a atuar de maneira mais autônoma, o que contribuirá para que haja o sucesso no método de ensino e de aprendizagem, fazendo dessa nova modalidade de ensino um novo caminho para o processo de constituição do conhecimento. Partindo desse pensamento, este artigo será edificado por meio de uma pesquisa de cunho bibliográfico, a qual trará consigo citações teóricas, que externarão pensamentos e conjecturas de estudiosos consagrados no meio educacional. Tais citações contribuirão para que se apreenda um pouco mais acerca da temática proposta para debate, mostrando, com isso, sua relevância para ser discutir e ponderada neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gilson Alves Ribeiro, Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil

Professor de Matemática no âmbito da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo. Matemático e Pedagogo e Especialista em Ensino Remoto, Ensino a Distância e Metodologias Ativas.

Priscila Bernardo Martins, Universidade Cidade de São Paulo (UNICID), São Paulo-SP, Brasil

Formadora de professores e coordenadores pela Parceiros da Educação. Doutora em Ensino de Ciências e Matemática. Pedagoga e Matemática e especialista em Educação a Distância e elaboração de materiais didáticos.

Referências

MORAN, J. Mudando a educação. Em C. A. Morales, Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, vol. 2, (pp. 15 - 33). Ponta Grossa: UEPG, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2021.

MORAN, J. Educação híbrida: um conceito chave para a educação, hoje. In: MORAN, J. (org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. Cap. 1. p. 27-39. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2021.

SCHIEHL, E. P.; GASPARINI, I. Modelos de Ensino Híbrido: um mapeamento sistemático da literatura. In: VI CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 6., 2017, Recife. Anais do XXVIII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Recife: CBIE, 2017. p. 1-10. Disponível em: <https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/viewFile/7529/5325>. Acesso em: 14 out. 2021.

HORN, M. B; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015. 336 p. Disponível em: . Acesso em 12 out. 2021.

BACICH, l.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. (org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 59.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para uma nova profissão. Revista Pedagógica, Porto Alegre, n. 17, p. 8-12, 2001. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2021.

LITTO, F. M. (coord.). Competências para educação a distância: matrizes e referenciais teóricos. São Paulo: ABED, 2012. 85 p. Disponível em: <http://www.abed.org.br/documentos/Competencias_Final_Ago2012.pdf>. Acesso em: 16 out.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: < index.php (mec.gov.br)>. Acesso em: 14 out. 2021.

BASTOS, C. C. Metodologias Ativas. 2006. Educação & Medicina. Disponível em: <http://educacaoemedicina.blogspot.com/2006/02/metodologias-ativas.html>. Acesso em: 15 out. 2021.

SOBRAL, F. R.; CAMPOS, C. J. G.. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, São Paulo, v. 1, n. 46, p. 208-2018, fev. 2012. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/reeusp/a/KfMTxTNdQt7fjTZznwWFCcv/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 15 out. 2021.

MORAN, J.. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre: Penso, 2018. Cap. 1. p. 34-75.

COLLOR, N.. Metodologias ativas: o que são, quais as mais famosas e como aplicar. Grupo a, 2019. Disponível em: . Acesso em 06 ago. 2021.

MORAN, J. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: YAEGASHI, S. F. R. et al. (org.). Novas tecnologias digitais: reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2021.

MORAN, J.. Tecnologias digitais para uma aprendizagem ativa e inovadora. In: MORAN, J.. A Educação que Desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2017. Cap. 4. p. 1-8. Disponível em: < tecnologias_moran.pdf (usp.br)>. Acesso em 15 out. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

Ribeiro, G. A., & Bernardo Martins, P. (2021). Um Diálogo entre a Escola Pública e o Ensino Híbrido. INTERMATHS, 2(2), 212-226. https://doi.org/10.22481/intermaths.v2i2.9691

Edição

Seção

Dossiê