Entre encruzilhadas e trincheiras: uma análise da escrevivência transmascuilina a partir do poema “Trans-parto”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v18i49.10896

Palavras-chave:

escrevivência, educação, transmasculinidades

Resumo

A produção literária tem sido, hegemonicamente, território de reiteração de normas e legitimação de determinadas formas de ser e existir, reservado ao “outro” o papel de coadjuvante com desfechos demarcados pela tragédia. Em contrapartida, este campo também tem sido disputado por produções que buscam construir narrativas outras, reposicionando corpos considerados subalternos nas (e para além das) páginas literárias. Compreendido não só como arte, mas também como linguagem permeada de cunho ideológico, a literatura cria ficção e produz memória. Partindo deste princípio, o trabalho tem por objetivo analisar a construção de narrativas transmasculinas negras a partir do poema “Trans-parto”. Escrito por Bruno Santana, a obra lança olhares sobre processos de transição do autor enquanto corpo transmasculino negro. Com referência nos estudos produzidos por Santana (2021), Peçanha (2021), Evaristo (2017), discutiremos o potencial discursivo presente neste (des)fazer literário ao apresentar outras formas de masculinidades, confrontando assim um dos pilares dos cânones literários: a cisnormatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dayanna Louise Leandro dos Santos, Universidade Federal de Sergipe - Brasil

Mestra em Educação (UFPE). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Pesquisadora do ConQuer/CNPq. Contribuição de autoria: Escrita – Primeira Redação, Investigação, Metodologia. http://lattes.cnpq.br/1103269893970583

Thomas Cardoso Bastos Santos, Universidade Federal de Sergipe - Brasil

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação de Sergipe (UFS). Contribuição de autoria: Escrita – Primeira Redação, Investigação, Metodologia. http://lattes.cnpq.br/1571125422358215

Alfrancio Ferreira Dias, Universidade Federal de Sergipe - Brasil

Doutor em Sociologia (UFS). Docente da Universidade Federal de Sergipe. Líder do ConQuer - Grupo de estudos e pesquisas queer e outras epistemologias feministas CNPq. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Contribuição de autoria: Escrita – Revisão e Edição, Supervisão. http://lattes.cnpq.br/1729817235900990

Referências

ANDIFES, Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. In: V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES. Brasília: FONAPRACE, 2019.

ANZALDÚA, Glória. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revistas Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

CARVALHAL, Tito Loiola. Movimentos formativos contra-hegemônicos na faculdade de educação da UFBA: primavera nos dentes. Orientadora: Profa. Dra. Elaine Cristina de Oliveira. 2020. 2004f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020.

CÂNDIDO, Antônio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas publicações, 1988.

DIAS, Alfrancio Ferreira. Como as escolas educam corpos nas práticas pedagógicas? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 8, n. 12, p. 103-112, 2014.

EVARISTO, Conceição. Becos da Memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In. Silva, Tomaz Tadeu. (Org.) Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 1994.

KILOMBA, Grada. A máscara. Cadernos de Literatura em Tradução, n. 16, p. 171-180, 2016.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. Associação de Línguas Modernas, painel Lésbicas e literatura, 1977.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MOIRA, Amara. Monstruoso corpo de delito: personagens transexuais na literatura brasileira. Suplemento Pernambuco, 10 de dezembro de 2018. Disponível em: https://www.suplementopernambuco.com.br/artigos/2198-monstruoso-corpo-de-delito-personagens-transexuais-na-literatura-brasileira.html Acesso em: 24 ago. 2020.

MOMBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar? Medium, Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 2015. Disponível em: https://medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee#.8aep8exn5. Acesso em: 20 abr. 2021.

NERY, João. Erro de pessoa: Joana ou João? Rio de Janeiro: Record, 1984.

PATTO, Maria Helena Souza. Escolas cheias, cadeias vazias: nota sobre as raízes ideológicas do pensamento educacional brasileiro. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo: INEP, 2007.

PARKER, Richard; CAMARGO JÚNIOR, Kenneth Rochel. Pobreza e HIV/AIDS: aspectos antropológicos e sociológicos. Cadernos de Saúde Pública, v. 16, n. 1, p. 89-102, 2000.

PEÇANHA, Leonardo Morjan Britto. Ensaio sobre narrativa transmaculina negra: a história do site Negros Blogueiros. Revista África e Africanidades, v. 14, n. 40, p. 23-26, 2021.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Do controverso “chão da escola” às controvérsias da etnografia: aproximações entre antropologia e educação. Horizontes Antropológicos, n. 49, p. 149-176, 2017.

PRECIADO, Paul. Um apartamento em Urano: crônicas de travessia. Rio de janeiro: Zahar, 2020.

PRECIADO, Paul. Manifesto Contrassexual. Políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

PRÓCHNO, Caio César Souza Camargo; ROCHA, Rita Martins Godoy. O jogo do nome nas subjetividades travestis. Psicologia & Sociedade, v. 23, n. 2, p. 254-61, 2011.

SANTANA, Bruno Silva. Trans-parto. In SANTANA, Bruno Silva; PEÇANHA, Leonardo Morjan. Britto; GONÇALVES, Vércio Gonçalves. (org.) Transmasculinidades negras: narrativas plurais em primeira pessoa. Ed. 1. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2021a.

SANTANA, Bruno Silva. Insurgências Poéticas Transmasculinas, Youtube. 22 de agosto 2021b. Disponível em: Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=LJO2hoqzwDI&t=1274s 18 de maio de 2022.

SANTANA, Bruno Silva. Pensando Transmasculinidades Negras. In: RESTIER, Henrique; Souza, Rolf Malungo. (Orgs.) Diálogos contemporâneos cobre homens negros e masculinidades. São Paulo, Ciclo Contínuo Editorial. 2019.

SANTANA, Bruno Silva. Educação física e transgeneridade: novos olhares e perspectivas sobre diversidades corporais e identidades de gênero. Anais do Desfazendo Gênero, Salvador. 2017.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

SANTOS, D. L. L. dos; SANTOS, T. C. B.; DIAS, A. F. Entre encruzilhadas e trincheiras: uma análise da escrevivência transmascuilina a partir do poema “Trans-parto”. Práxis Educacional, [S. l.], v. 18, n. 49, p. e10896, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.10896. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/10896. Acesso em: 2 jul. 2022.