Uma análise dos currículos português e brasileiro sob o olhar da educação histórica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v18i49.11353

Palavras-chave:

educação histórica, currículo, conceitos meta-históricos

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar dois documentos curriculares ligados ao ensino de História, as Aprendizagens Essenciais (AE) aprovadas em 2018 em Portugal e as Habilidades da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) aprovadas em 2017, no Brasil. Realizaremos uma análise qualitativa, utilizando a estratégia metodológica da análise documental. Em um primeiro momento, faremos uma breve contextualização de ambos documentos, verificando em quais contextos históricos eles foram aprovados e como são explicitadas as concepções de aprendizagem histórica em ambas propostas. Nossa análise insere-se no campo da Educação histórica, que em Portugal e no Brasil tem se constituído como uma proposta de ensino de história que articula teoria e prática na perspectiva da epistemologia da história e que tem se colocado como um campo de estudo para um ensino de história comprometido com o pluralismo democrático. Nesse sentido, a análise terá como foco a identificação de elementos-chave do campo da Educação histórica nesses documentos curriculares, como a abordagem de conceitos meta-históricos, de conceitos substantivos e a questão dos temas controversos. Também estabelecemos um recorte de análise nos currículos do 9º ano em ambos países sobre as abordagens dos pressupostos da aprendizagem histórica apresentada pelos documentos curriculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Beatriz Accorsi Thomson, Universidade Estadual de Londrina - Brasil

Doutora em Educação pela UEL, Linha de Pesquisa História da Educação e Ensino de História. Professora de História da Secretaria de Educação do Estado do Paraná. Contribuição de autoria: Conceituação, Curadoria de Dados, Escrita.

Marília Gago, Universidade do Minho - Portugal

Doutora em Educação, Universidade do Minho, Braga, Portugal. Professora Auxiliar na Universidade do Minho. Investigadora do Centro de Investigação Transdisciplinar, Cultura, Espaço e Memória CITCEM, membro do LAPEDUH/UFPR. Contribuição de autoria: Conceituação, Curadoria de Dados, Escrita.

Marlene Rosa Cainelli, Universidade Estadual de Londrina - Brasil

Doutora em História Social e Pós Doutora em Educação pela UFPR, Pós-Doutora em Educação pela Universidade do Minho, Portugal; Pesquisadora do Centro de Investigação Transdisciplinar, Cultura, Espaço e Memória CITCEM Universidade do Porto, Portugal. Contribuição de autoria: Conceituação, Curadoria de Dados, Escrita. 

Referências

BARCA, Isabel. Educação Histórica: vontades de mudança. Educar em Revista, n. 42, 2011. p. 59-71. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/9Y39tCG5wd7wcz9FfSHXjLF/?lang=pt#ModalArticles. Acesso em: 3 out. 2021.

BERTOLINI, João da Silva; MIRANDA, Thiago de Carvalho; SANTOS, Fábio Aparecido dos. Evidência. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; SOBANSKI, Adriane de Quadros (org.). Competências do pensamento histórico. Curitiba: W. A. Editores, 2020. p. 75-98.

BLOOM, Benjamin Samuel. Taxonomy of Educational Objectives, Handbook I: The Cognitive Domain. Nova York: David McKay Co Inc, 1956.

BORRIES, Bodo von. Jovens e consciência histórica. Curitiba: W.A. Editores, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Versão final.

Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 3 out. 2021.

CAINELLI, Marlene. Significância histórica. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; SOBANSKI, Adriane de Quadros (org.). Competências do pensamento histórico. Curitiba: W.A. Editores, 2020. p. 153-161.

DGE-AE. Aprendizagens Essenciais – História – 9° ano. Portugal, Ministério da Educação, 2018. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Aprendizagens_Essenciais/3_ciclo/historia_3c_9a_ff.pdf. Acesso em: 12 set. 2022.

DGE-PA. Despacho nº 6478/2017. Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Portugal, Ministério da Educação, 2017. Disponível em: https://dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/perfil_dos_alunos.pdf. Acesso em: 12 set. 2022.

FRONZA, Marcelo. Consciência histórica, consciência moral em relação com a natureza para uma didática humanista da história em Jörn Rüsen. MÉTIS – história & cultura. v. 19, n. 38, p. 81-97, jul./dez. 2020. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/9989. Acesso em: 3 out. 2021.

GUSMÃO, Leslie Luiza Pereira; SUKOW, Nikita Mary. Orientação temporal. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; SOBANSKI, Adriane de Quadros (org.). Competências do pensamento histórico. Curitiba: W.A. Editores, 2020.

LEE, Peter. Nós fabricamos carros eles tinham que andar a pé”: compreensão das pessoas do passado. In: Jornadas Internacionais da Educação Histórica, 2, 2003. Braga, Actas[...] Braga: Universidade do Minho, 2003. p. 19-35.

MARTINS, Maria do Carmo. Paradoxos entre políticas e a construção do coletivo: currículo e a história ensinada. In: RIBEIRO JÚNIOR, Halferd Carlos; VALÉRIO, Mairon Escorsi (org.). Ensino de História e Currículo: reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular, formação de professores e prática de ensino. Jundiaí: Paco Editoria, 2017. p. 47-66.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cidadania e Educação Histórica: diálogos com documentos curriculares brasileiros. In: Diálogo(s), Epistemologia(s) e Educação Histórica: um primeiro olhar. Porto: CITCEM, 2021. p. 37-57.

SILVA, Carla Gomes da; SOUSA, Claudio Aparecido de; SCORSATO, Sergio Antônio. Conceitos substantivos e formação do pensamento histórico. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; SOBANSKI, Adriane de Quadros (org.). Competências do pensamento histórico. Curitiba: W.a. Editores, 2020. p. 55-74.

SOLÉ, Glória. As competências específicas no ensino da História: a dimensão da temporalidade para a compreensão histórica. CLIO. v. 43. p. 89-112. 2017. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/49470/1/nonografico2017_5%20Gl%c3%b3ria%20Sol%c3%a9.pdf. Acesso em: 3 out. 2021.

SOLÉ, Glória. Ensino da História em Portugal: o currículo, programas, manuais escolares e formação docente. El Futuro del Pasado, n. 12, p. 21-59, 2021. Disponível em: https://revistas.usal.es/index.php/1989-9289/article/view/fdp2021122159. Acesso em: 3 out. 2021.

WINEBURG, Sam; SCHNEIDER, Jack. Was Bloom’s Taxonomy Pointed in the Wrong Direction? Kappan v. 91. n. 4. p. 56-61, 2010.

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

THOMSON, A. B. A.; GAGO, M.; CAINELLI, M. R. . Uma análise dos currículos português e brasileiro sob o olhar da educação histórica. Práxis Educacional, [S. l.], v. 18, n. 49, p. e11353, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.11353. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/11353. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Seção Temática