A disciplina de arte e o teatro: regulação e autonomia do currículo formal (1996-2016)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v18i49.11524

Palavras-chave:

cultura escolar, currículo formal, ensino de arte

Resumo

Neste artigo, analisamos a arte enquanto disciplina escolar que ocupa um lugar feito de prescrições que regulam a sua prática. As escolhas que definem conteúdos e procedimentos curriculares podem variar. Os Estados e Municípios, por meio de seus profissionais, produzem abordagens locais, amparados em diretrizes. No entanto, essas definições se sustentam em normativas que direcionam os profissionais de um lugar, feitas por um Estado que, embora tenha descentralizado as definições curriculares, não desiste de continuar regendo a sua orquestra. Diante deste contexto, a pergunta que articulou a escrita deste artigo é: Como se combinam as diferentes diretrizes que regulam a disciplina de arte: linguagem teatro no currículo formal do município de Maringá?  A metodologia de pesquisa se orientou pela análise de conteúdo proposta por Bardin (2016). As prescrições curriculares foram compreendidas a partir do conceito de estratégia proposto por Certeau (1998), uma vez que elas intencionam estruturar, padronizar, ordenar, planejar, de forma racional, o terreno das práticas de ensino e aprendizagem. Em nossas considerações finais, explicitamos a disciplina de arte pertencente à cultura escolar e, portanto, balizada por elementos reguladores estruturantes. Frente aos elementos reguladores, identificam-se discrepâncias nas intenções de controle da ação dos sujeitos que recebem a prescrição curricular, sendo maior no âmbito do município, o que pode identificar a atribuição de menor autonomia aos(às) professores(as) e aos(às) estudantes. E de maior transferência de autonomia entre os entes federados, ou seja, entre os poderes dos órgãos da estrutura da administração dos sistemas educacionais públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edneia Regina Rossi, Universidade Estadual de Maringá - Brasil

Edneia Regina Rossi, doutora em História, com pós-doutorado na Universidade de Genebra, Suíça. Professora associada do Programa de pós-graduação em educação da UEM. Líder do Grupo de Pesquisa em História da Educação Brasileira, Instituições e Cultura Escolar (HEDUCULTES). Contribuição de autoria: análise formal, conceituação, escrita – revisão  e edição.

Thiago Marques Leal, Universidade Estadual de Maringá - Brasil

Mestre em educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), professor de arte: teatro na rede municipal de ensino de Maringá no Paraná. Membro do grupo de pesquisa em História da Educação Brasileira, Instituições e Educação Escolar (HEDUCULTES). Contribuição de autoria: investigação, escrita – primeira redação. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BERTICELLI, Ireno Antonio. Currículo: tendências e filosofia. In: COSTA, Marisa Vorraber. (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o § 6o do artigo 26 da Lei no 9.394/96, referente ao ensino da arte. Brasília: Presidência da República, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm. Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte. Brasília: MEC/SEE, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro06.pdf. Acesso em: 08 fev. 2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1998.

COSTA, Marisa Vorraber; WORTMANN, Maria Lúcia; BONIN, Iara Tatiana. Contribuições dos estudos culturais às pesquisas sobre currículo – uma revisão. Currículo sem fronteiras, v. 16, n. 3, p. 509-541, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol16iss3articles/costa-wortmann-bonin.pdf. Acesso em: 2 fev. 2020.

COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e política cultural. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

EÇA, Teresa Torres de. A Educação Artística e as prioridades educativas do início do século XXI. Revista Íbero Americana de Educación, Madrid: OEI, n. 52. p. 127-146, 2010.

ESCOLA, Joaquim José Jacinto. Ensinar a aprender na Sociedade do Conhecimento. In: SOPCOM, 4, 2005. Aveiro. Livro de Actas [...]. Aveiro, Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, 2005. Disponível em http://www.bocc.ubi.pt/pag/escola-joaquim-ensinar-aprender-sociedade-conhecimento.pdf. Acesso em: 10/11/2021.

GOODSON, Ivor. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 35, maio/ago. 2007.

JULIÁ, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, São Paulo, n. 1, jan/jun 2001.

LOBO, Thereza. Descentralização: conceitos, princípios, prática governamental. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 74, 1990, p. 5-10.

MARINGÁ, Secretaria Municipal de Educação. Currículo para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Maringá: SEDUC, 2012. Disponível em: http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/3c1871b9202b.pdf. Acesso em 13. jan. 2019.

MBUYAMBA, Lupwishi. Sessão de encerramento da conferência mundial sobre educação artística: desenvolver as capacidades criativas para o século XXI. Comissão Nacional da UNESCO, 2007. Disponível em: https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/1436/7/I.Doc2.%20Confer%C3%AAncia%20Mundial%20Sobre%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Art%C3%ADstica.pdf. Acesso em: 3 mar. 2020.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes curriculares da educação básica: Arte. Curitiba, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_arte.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações pedagógicas para os anos iniciais. 1. ed. Curitiba, 2010. Disponível em: http://www.klcconcursos.com.br/apoio/2a374359a9e0554c5eac2522946624ac.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

PONCE, Branca Jurema; SAUL, Alexandre. A necessidade da estética e da ética no currículo escolar do século XXI. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 34, p. 6-19, 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/psicoeduca/article/view/28038/19746. Acesso em: 4 mar. 2020.

ROSSI, Edneia Regina. Inovações educacionais no tempo presente e rupturas no paradigma moderno: uma análise das pesquisas educacionais da Universidade de Genebra. Educar em Revista, Curitiba, v. 37, e78885, 2021.

UNESCO. Roteiro para a Educação Artística: desenvolver as capacidades criativas para o século XXI. (F. Agarez, Trad.) Lisboa: Comissão Nacional da UNESCO, 2006. Disponível em: https://crispasuper.files.wordpress.com/2012/06/roteiro2.pdf. Acesso em: 2 fev. 2020.

VINCENT, Guy; LAHIRE, Bernard; THIN, Daniel. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em revista, Belo Horizonte, n. 33, jun/2001.

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

ROSSI, E. R.; LEAL, T. M. A disciplina de arte e o teatro: regulação e autonomia do currículo formal (1996-2016). Práxis Educacional, [S. l.], v. 18, n. 49, p. e11524, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.11524. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/11524. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Seção Temática