ENTRE CARTAS E CONVERSAÇÕES: ENCONTROS NA DIFERENÇA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i37.5981

Palavras-chave:

Cegueira, Diferença, Encontro

Resumo

Este ensaio é um desdobramento de uma tese produzida em uma universidade pública brasileira. Trata-se de um exercício cartográfico, que no processo foi ganhando forma ensaística. Um trabalho no qual buscamos problematizar os efeitos dos encontros entre uma professora e crianças com cegueira, entendendo que o pesquisar e escrever não se separam: portanto uma pesquisaescrita. Colocamos em questão não só a narrativa dos efeitos produzidos nos encontros, mas também os modos como as políticas da narratividade -dominantes e majoritárias- impõem determinadas formas de pesquisar e escrever e excluem outras, formas estas que em sua maioria limitam o educar a um processo que se dá muito mais entre iguais do que sendo uma relação que tem como potencial a diferença. Assim, buscamos pensar a tese produzida como uma experiência na diferença, em que modos outros de narrar são necessários para explicitar o encontro entre nós.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daiana Pilar Andrade de Freitas Silva, Instituto Benjamin Constant - Brasil

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) - Processos Formativos e Desigualdades Sociais - da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do estado do Rio de Janeiro (FFP-UERJ). Professora de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (EBTT) do Departamento de Educação do Instituto Benjamin Constant (DED-IBC). Participa do Grupo de Pesquisa e Estudos da Surdocegueira (GPESC), vinculado ao Centro de Estudos e Pesquisas do Instituto Benjamin Constant (CEPEQ). Faz parte do Coletivo Diferenças e Alteridade na Educação, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação - Processos Formativos e Desigualdades Sociais - da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, que busca pensar, entre políticas, práticas e poéticas, como educadores, negociam cotidianamente os diferentes modos de ser e estar no mundo para se relacionar e trabalhar coletivamente numa perspectiva ética do encontro.

Anelice Ribetto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora Associada do Departamento de Educação da Faculdade do Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/FFP/DEDU). É Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) - Processos Formativos e Desigualdades Sociais da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP-UERJ). Participa do Grupo de Pesquisa Vozes da Educação (CNPq) e faz parte, na condição de coordenadora, do Coletivo Diferenças e Alteridade na Educação, que reúne professores da escola básica, professores e estudantes da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, gestores das redes públicas de ensino e famílias de alunos ditos “pessoas com deficiências”, para desenvolver projetos de pesquisa, de ensino e de extensão vinculados ao Departamento de Educação e ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Processos Formativos e Desigualdades Sociais da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E

Referências

BARROS, Laura Pozzana de; KATRUP, Vigínia. Cartografar é acompanhar processos. In. KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo; ESCÓSSIA, Liliana da (orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, p.52-75.

BIERCE, Ambrose. O dicionário do diabo. Tradução de Rogério W. Galindo, São Paulo: Editora Carambaia, 2016.

CHAPLIN, Charles. O Grande Ditador. Filme de Charles Chaplin. EUA, 1940. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-IV4t5onobY. Acesso em 22/04/2018.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo? In: DELEUZE, G. O mistério de Ariana. Lisboa: Veja, 1996, p. 83-96.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Uma conversa, o que é? Para que é que serve? In: DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de José Gabriel Cunha. Relógio d’Água Editores, Lisboa, 2004, p.12-47.

DIAS, Rosimeri Oliveira. Fragmentos de diário de campo, escrita e devir texto. In. RIBETTO, Anelice; CALLAI, Cristiana (orgs). Uma escrita acadêmica outra: Ensaios, experiências e invenções. Rio de Janeiro: Lamparina, 2016, p. 111-122.

FOUCAULT, Michel. Sobre a História da sexualidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. p. 243-276.

LARROSA, Jorge. Epílogo: A arte da conversa. In: SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvavél) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Tradução Giane Lessa. Rio de Janeiro DP&A, 2003, p.211-224.

LARROSA, Jorge. A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, v.29, p.27-43, jan/jun. 2004.

LARROSA, Jorge. Prólogo: Uma experiência sensível com a palavra. In: SKLIAR, Carlos. Experiências com a palavra: notas sobre linguagem e diferença. Tradução de Giane Lessa. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012, p.7-9.

LARROSA, Jorge. Una lengua para la conversación. In. LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Coordinadores). Entre Pedagogia y Literatura. Buenos Aires: Miño & Dávila, 2013.

LISPECTOR, Clarice. Anonimato. In: Jornal do Brasil. Rio de Janeiro- 10/fev/1968 – p.2. Disponível em http://memoria.bn.br/DocReader/030015_08/111140. Acesso 03/08/2018.

NEVES, Claudia Abbês Baêta. Desejar. In: FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci (orgs). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.69-72.

ORTEGA, Francisco. Amizade e estética em Foucault. Rio de Janeiro: editora Graal, 1999.

RIBETTO, Anelice. Experimentar a pesquisa em educação e ensaiar a sua escrita. Universidade Federal Fluminense (UFF) - Niterói, 2009. Disponível em: http://www.uff.br/pos_educacao/joomla/images/stories/Teses/TESE%20ANELICE%20RIBETTO.pdf . Acesso em 24 de maio de 2019.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Editora Estação Liberdade, São Paulo, 1989.

SKLIAR, Carlos. Experiências com a palavra: notas sobre linguagem e diferença. Tradução de Giane Lessa. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

SKLIAR, Carlos. La pronunciación de la diferencia entre lo filosófico, lo pedagógico y lo literário. Revista Pró-Posições, v. 26, n.1, p. 29-47, jan/abr. 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642416Acesso em 05 de agosto de 2019.


SKLIAR, Carlos. Lo dicho, lo escrito, lo ignorado. Ensayos mínimos entre Educación, Filosofia y Literatura. Buenos Aires: Miño & Dávila, 2011.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia de las diferencias: notas, fragmentos, incertidumbres. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didático, 2017.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvavél) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Tradução Giane Lessa. Rio de Janeiro DP&A, 2003.

SKLIAR, Carlos; TÉLLEZ, Magaldy. Conmover la educación. Buenos Aires: Noveduc libros, 2017.

Downloads

Publicado

2020-01-01

Como Citar

SILVA, D. P. A. de F.; RIBETTO, A. ENTRE CARTAS E CONVERSAÇÕES: ENCONTROS NA DIFERENÇA. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 16, n. 37, p. 34-50, 2020. DOI: 10.22481/praxisedu.v16i37.5981. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5981. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê temático