A PEDAGOGIA VISUAL NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA EXPERIÊNCIA COM O ENSINO DA MATEMÁTICA NO MATHLIBRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i37.5982

Palavras-chave:

Educação de Surdos, Matemática, Pedagogia Visual

Resumo

O trabalho tem como objetivo apresentar e analisar dois vídeos produzidos no projeto de pesquisa “Produção de Vídeos de Matemática Básica com tradução em Libras – MathLibras”, sobre o conteúdo frações. O projeto teve financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e é desenvolvido na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul (RS). Os vídeos produzidos no MathLibrassão considerados como um recurso visual para os estudantes surdos, entendendo suas singularidades de apreensão e construção de sentidos, fundamentados na Pedagogia Visual. No total o projeto já disponibilizou 13 vídeos no Canal do MathLibras no YouTube. O aporte teórico-metodológico está baseado nas obras de Campello (2007; 2008), Lacerda, Santos e Caetano (2014), Lebedeff (2010; 2017), Nogueira (2013), Nunes et al (2013), Silva (2010) e Smole e Diniz (2016).A tecnologia de produção de audiovisuais deu condições para que os vídeos do MathLibras propiciem, acredita-se, o protagonismo da Libras como língua de instrução, na perspectiva da Pedagogia Visual e Textualidade Diferida. É importante ressaltar, ainda, a importância do trabalho em uma equipe multidisciplinar e da comunicação contínua entre os diferentes grupos que constituem o projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thaís Philipsen Grützmann, Universidade Federal de Pelotas-Brasil

Doutora em Educação, UFPel; Universidade Federal de Pelotas-Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática; Grupo de Estudos sobre Educação Matemática com ênfase nos Anos Iniciais (GEEMAI). E

Rozane da Silveira Alves, Universidade Federal de Pelotas-Brasil

Doutora em Educação, UFPel; Universidade Federal de Pelotas-Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática; Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura, Tecnologias e Modos de Subjetivação.

Tatiana Bolivar Lebedeff, Universidade Federal de Pelotas-Brasil

Doutora em Psicologia do Desenvolvimento; Universidade Federal do Rio Grande do sul (UFRGS); Universidade Federal de Pelotas-Brasil; Programa de Pós-Graduação em Letras; Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES). E-mail: tblebedeff@gmail.com

Referências

ABREU, S. M. Convencionamento de Sinais em Libras para o Ensino de Matemática na Educação Básica. 2016. 62 f. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologias na Educação) – Instituto Federal Sul-Rio-Grandense, Campus Pelotas – Visconde da Graça, Pelotas-RS, 2016.

ARAUJO,E. G. Ensino de Matemática em Libras: reflexões sobre minha experiência numa escola especializada. 2015. 244 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Coordenadoria de Pós-graduação, Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.matematicainclusiva.net.br/pdf/TESEENIOFINAL.pdf>. Acesso em: 08 set. 2019.

BORBA M.de C.; SILVA, R. S. R. da; GADANIDIS, G. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 2. ed. 2 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

BORGES, F. A. A educação inclusiva para surdos: uma análise do saber matemático intermediado pelo Intérprete de Libras. 2013. 259 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá-PR, 2013.

BRASIL. Lei Nº 10.436, de 24 de Abril de 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm>. Acesso em: 03 jan. 2018.

BRASIL. Decreto Nº 5.626, de 22 de Dezembro de 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 08 jan. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 05 set. 2019.

CAMPELLO, A. R. S. Pedagogia visual/sinal na educação dos surdos. In: QUADROS R. M., PERLIN, G. (Orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. 245 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2008.

DAMIANI, M. F.; ROCHEFORT, R. S.; CASTRO, R. F.; DARIZ, M. R.; PINHEIRO, S. S. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação. Pelotas, FaE/PPGE/UFPel, v. 45. p. 57-67, maio/agosto 2013.

LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos; CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In: LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora?: Introdução à LIBRAS e educação de surdos. São Carlos: EdUFCSCar, 2014. Cap. 11, p.185-200.

LEBEDEFF, T. B. Aprendendo a ler “com outros olhos”: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação. Pelotas, FaE/PPGE/UFPel, v. 36. p. 175-195, maio/agosto 2010.

LEBEDEFF, T. B. O povo do olho: uma discussão sobre a experiência visual e surdez. In: LEBEDEFF, T. B. (Org.). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2017, p. 226-251.

LORENZATO, S. Educação infantil e percepção matemática. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

MARTINS, V. S.; SANTOS, P. O desempenho escolar em matemática: um estudo sobre as dificuldades encontradas por estudantes no ensino fundamental.InterdisciplinaryScientificJournal. v. 5, n. 5, Dec, 2018.

MOURA, M. C. de. Surdez e Linguagem. In: LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora?: Introdução à LIBRAS e educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2014. Cap. 1, p.13-26.

MOURA, A. Q. Educação matemática e crianças surdas: explorando possibilidades em um cenário para investigação. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-graduação em Educação Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Rio Claro, Rio Claro-SP, 2015.

MUNIZ, C. A. As crianças que calculavam: o ser matemático como sujeito produtor de sentidos subjetivos na aprendizagem. In: XII Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM). São Paulo, 2016. Disponível em: <http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/5317_2410_ID.pdf>. Acesso em 08 set. 2019.

NOGUEIRA, C. M. I. (Org). Surdez, inclusão e matemática. Curitiba: CRV, 2013.

NUNES, T. et al. Promovendo o Sucesso das Crianças Surdas em Matemática: Uma Intervenção Precoce. In: Cuadernos de Investigación y FormaciónenEducación Matemática. 2013. Año 8. Número 11. pp 263-275. Costa Rica. Disponível em: <http://revistas.ucr.ac.cr/index.php/cifem/article/view/14731/13976>. Acesso em: 10 out. 2016.

PELUSO, L. Traducción entre español escrito y lengua de señasuruguayavideograbada:unnuevodesafío. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. especial 2, p. 479-504, jul-dez, 2015.

QUADROS, R. M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
RAMOS, L. F. Conversas sobre números, ações e operações: uma proposta criativa para o ensino da matemática nos primeiros anos. São Paulo: Ática, 2009.

SILVA, M. C. A. da. A escrita numérica por crianças surdas bilíngues. 2008. 266 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá-PR, 2008.

SILVA, M. C. A. da. Os surdos e as notações numéricas. Maringá, PR: Eduem, 2010.

SILVA, A. A. da; CHAGAS, F. A. O.; PIMENTA, A. C.; FERREIRA, R. A. Ensino de frações no ensino fundamental: contribuição da tecnologia de comunicação e informação para uma pedagogia visual. In: Anais do 3º ELPED e do 4º ELICPIBID. Ciclo Revista: experiências em formação no IF Goiano, v. 3, n. 1, 2018. Disponível em: <https://www.ifgoiano.edu.br/periodicos/index.php/ciclo/article/view/846/676>. Acesso em: 25 out. 2018.

SKLIAR, C. Os estudos surdos na educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. Cap. 1. p. 7-32.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. (Org). Materiais manipulativos para o ensino de frações e números decimais. Porto Alegre: Penso, 2016.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2009.

VIANA, F. R.; BARRETO, M. C. O ensino de matemática para alunos com surdez: desafios docentes, aprendizagens discentes. Curitiba: CRV, 2014.

Downloads

Publicado

2020-01-01

Como Citar

GRÜTZMANN, T. P.; ALVES, R. da S.; LEBEDEFF, T. B. A PEDAGOGIA VISUAL NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA EXPERIÊNCIA COM O ENSINO DA MATEMÁTICA NO MATHLIBRAS. Práxis Educacional, [S. l.], v. 16, n. 37, p. 51-74, 2020. DOI: 10.22481/praxisedu.v16i37.5982. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5982. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático