O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: INTERFACE ESCOLA/UNIVERSIDADE MEDIADA POR ALUNOS ESTRANGEIROS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6285

Palavras-chave:

Diversidade Afro-Brasileira, Estágio Supervisionado, Formação Inicial

Resumo

Este texto investiga as contribuições e os desafios do Estágio Curricular Supervisionado do curso de licenciatura em Letras da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- Brasileira – UNILAB, na formação inicial de professores estrangeiros. O advento da UNILAB, na Região do Maciço de Baturité, estado do Ceará, oportuniza a integração de estudantes nesta localidade, principalmente vindos do continente africano e asiático que formam a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP. Seu projeto de formação inicial de professores oportuniza essa integração especialmente por meio do Estágio Curricular Supervisionado. Nestas circunstâncias, selecionamos estudantes estrangeiros do curso de licenciatura em Letras como colaboradores da pesquisa, por meio desse Componente Curricular. Os estagiários em foco atuaram em duas Escolas públicas de Ensino Médio situadas nas cidades de Redenção e Acarape. Para realização da investigação, recorreu-se a abordagem qualitativa, o método estudo de caso e a análise documental do Projeto Pedagógico do Curso de Letras – PPC, aliada com técnicas de entrevista e observação. Os resultados detectaram fragilidades na organização didático-pedagógica do PPC do Curso de Letras, em razão da ausência de orientações especificas ou qualquer indicativo norteador de programas ou ações acadêmicas voltadas aos estagiários estrangeiros. Concluiu-se que esses estudantes enfrentam desafios variados na mediação pedagógica do Estágio Supervisionado, sobretudo, no período da regência, evidenciados nos costumes, atitudes e gestos, e no uso da própria língua, dada a caracterização linguística do estagiário estrangeiro no país de origem.

Biografia do Autor

Ana Cristina Moraes, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestra em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Ceará (UECE. Lotada na Faculdade de Educação de Itapipoca-CE – FACEDI. Grupo de pesquisa: Investigações em Arte, Ensino e Historia – IARTEH.

João Pereira da Silva, Escola de Ensino Médio Franklin Távora - Brasil

Mestrando em Educação (MAIE/UECE). Licenciado em Letras, Professor da Educação Básica, lotado na CREDE 08 – Escola de Ensino Médio Franklin Távora. Grupo de Pesquisa: Investigações em Arte, Ensino e Historia – IARTEH.

Maria Cleide da Silva Ribeiro Leite, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Ceara (UECE), Licenciatura em Pedagogia pela UECE e Letras português e Espanhol pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Grupo de Pesquisa: Laboratório de Estudos, Pesquisas e Extensão no Ensino Médio (LEPEEM) e Juventude, Educação Profissional e Trabalho (JEPTRA).

Referências

ANADÓN, M. A pesquisa dita “qualitativa”: sua cultura e seus questionamentos. Senhor do

Bonfim, BA: UNEB/UQAC, 2005.

BARREIRO, Iraides Marques de Freitas. Prática de ensino e Estágio Supervisionado de

Professores. Raimunda Abou Gebran. 2. ed. São Paulo: Avercamp, 2015.

BRASIL. Casa Civil. Lei no 12.289, de 20 de julho de 2010. Dispõe sobre a criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB e dá outras providências. Brasília, 2010.

BRASIL Decreto no 7.948/2013. Dispõe sobre o Programa de Estudantes-Convênio de Graduação - PEC-G. Brasília, 2013.

BRASIL. Lei no 10.639/2003. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira". Brasília, 2003.

BURIOLLA, Marta A. Feiten. O Estágio Supervisionado. São Paulo: Cortez, 2011. FERRAÇO, Carlos Eduardo (org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e

currículo. São Paulo: Cortez, 2008.

FERREIRA, Cléa Maria da Silva. Formação de professores à luz da história e cultura afro- brasileira e africana: nova tendência, novos desafios para uma prática reflexiva. Revista ACOALFAplp: Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua portuguesa, São Paulo, ano 3, n. 5, 2008. Disponível em: <http://www.acoalfaplp.net>. Publicado em: setembro 2008

GERMANO, José Wellington. Cânone Colonial: violência epistêmica e a injustiça cognitiva na América Latina. In: DANTAS, Aldo. Desafios e Perspectivas das Ciências Humanas na contemporaneidade. Natal: EDUFRN, 2017.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007. GOMES, Marineide de Oliveira. Estágios na Formação de Professores. São Paulo: Edições

Loyola, 2011.

LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e aprendizagem da profissão docente – Brasília: Liber Livro, 172 p. (Coleção Formar), 2012.

LIMA, Maria Socorro Lucena. Reflexões sobre o Estágio/Prática de Ensino na Formação de Professores. In: Rev. Diálogo Educ. Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MORAES, Ana Cristina; CASTRO, Francisco Mirtiel Frankson Moura; PORTO, Bernadete Souza; MOURA, Rogério Adolfo. Formação Pedagógica e Estética na Disciplina de Estágio Supervisionado: Aprendizagem docente de Estudantes Universitários. In: Revista Poiésis, Tubarão. v.10, n.17, p. 270 - 291, Jan/Jun 2016.

MINAYO, Maria. Cecília de Souza. (org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

NOVOA, Antônio. Firmar a Posição como Professor, afirmar a profissão docente – Cadernos de Pesquisas, v.47 n. 116, p.1106-1133. Out/dez. 2017.

NOGUEIRA, Antônio Gilberto Ramos; Diversidade e Sentido do Patrimônio Cultural: uma proposta de leitura da trajetória de reconhecimento da cultura afro-brasileira como patrimônio nacional; Anos 90, Porto Alegre, V. 15, n. 27, p. 233-255 – 2008.

PIMENTA, Selma Garrido; Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Lea das Graças Camargos. Docência no Ensino Superior. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis-RJ: Vozes, 2007.

THERRIEN, Jacques. Da epistemologia da prática à gestão dos saberes no trabalho docente: convergências e tensões nas pesquisas. In: DALBEN, Ângela Imaculada Loureiro de Freitas; PEREIRA, Júlio Emílio Diniz; LEAL, Pereira Leiva de Figueiredo Viana; SANTOS, Licínio de Castro Paixão Santos. (Org). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. XV ENDIPE. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p.307-323.

UNILAB. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras Língua portuguesa – Licenciatura. Redenção/CE, 2017.

YIN, Roberto K. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. Trad. Daniel Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZEICHNER, Kenneth. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. In: Revista Educação e Sociedade/CEDES, vol. 29, no 103, p. 535-554, mai/ago. 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Moraes, A. C., da Silva, J. P. ., & da Silva Ribeiro Leite, M. C. . (2020). O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: INTERFACE ESCOLA/UNIVERSIDADE MEDIADA POR ALUNOS ESTRANGEIROS. Práxis Educacional, 16(43), 175-195. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6285

Edição

Seção

Dossiê temático