O PIBID COMO ESPAÇO COLABORATIVO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6508

Palavras-chave:

Formação Inicial, Programa de Iniciação à Docência , Colaboração , Ensino de Matemática

Resumo

O artigo relata resultados de uma investigação com o objetivo de compreender como a prática colaborativa de estudos, reflexões e intervenções de um grupo de iniciação à docência constitui-se espaço de aprendizagem compartilhada "de" e "sobre" a docência em Matemática. Para isso, adota-se um referencial teórico que trata da formação inicial de professores e práticas de colaboração. A metodologia se inscreve no campo dos estudos qualitativos em educação, de caráter descritivo analítico, em que os dados foram produzidos com base em entrevistas semiestruturadas com duas integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), uma egressa e outra bolsista. Da análise de dados, foi possível retratar que o programa constituiu-se, desde sua implementação em 2014 na Universidade com a qual trabalhamos, espaço de aprendizagem de futuros professores pautado em dinâmicas colaborativas, o que contribuiu, sobremaneira, para a superação das dificuldades em Matemática, bem como para a formação dos envolvidos no que tange aos aspectos do conhecimento didático para o ensino e do conhecimento matemático para a abordagem de determinados conteúdos em sala de aula. Além disso, a inserção no PIBID resultou em uma mudança de postura frente a disciplina e ainda oportunizou, para as colaboradoras, uma identidade com a pesquisa neste campo.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Ph.D. em Psicologia da Educação Matemática pela Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – FC/UNESP, Bauru-SP; Docente do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP) da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, Campo Grande-MS; Líder do "MANCALA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente"

Yandra Karla dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, Campus Naviraí, Brasil; Integrante do "MANCALA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar).

Referências

ALARCÃO, Isabel; CANHA, Bernardo. Supervisão e colaboração: uma relação para o

desenvolvimento. Porto Editora, 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições v. 70, 2009.

BOAVIDA, Ana; PONTE, João Pedro da. Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In GTI (Org), Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM. p.43-55. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4069/1/02-Boavida- Ponte%20(GTI).pdf. Acesso em: 14 de abril de 2018.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp . Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOLZAN, Doris Pires Vargas. Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. Porto Alegre: Mediação, 2002.

CIRÍACO, Klinger Teodoro; MORELATTI, Maria Raquel Miotto. Problemas experienciados por professores iniciantes em aulas de Matemática. Revista Eletrônica de Educação. v. 10, n. 3, p. 267-280, 2016. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/1719/526. Acesso em: 29 Jan. 2018.

CIRÍACO, Klinger Teodoro; SOARES, Rosiclér Gomes. Programa de iniciação à docência: o desenvolvimento profissional de estudantes de pedagogia em aulas de Matemática. Rev. Fac. Educ. (Univ. do Estado de M ato Grosso), vol. 23, ano 13, n.1, p. 151-173, jan./ jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/1093/1187. Acesso em: 23 jun. 2018.

COSTA, Shirley Conceição Silva da. O professor que ensina Matemática nos anos iniciais: limites e possibilidades de um curso de formação inicial. In: Anais... XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Educação Matemática: retrospectiva e perspectivas. Sociedade Brasileira de Educação Matemática/Regional Paraná. Guarapuava, PR, p. 1-14, 2013. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/XIENEM/pdf/3601_2027_ID.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2018.

CRUZ, Klêffiton Soares da. O PIBID de Matemática como espaço de formação inicial e continuada na UFRN/Natal. 2017. 344f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN. 2017.

CURI, Edda. Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. 2004. 278f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. PUC/SP, São Paulo-SP. 2004.

DAMIANI, Magda Floriana. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13. Acesso em: 02 de março de 2018.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Formação de professores: pesquisas, representações e poder. 2a ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In BORBA, Marcelo de C.; ARAUJO, Jussara de L. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 47-76.

FUSARI, José Cerchi. A educação do educador em serviço: o treinamento de professores em questão. 1988. 264f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP. São Paulo-SP. 1988.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17a. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v. 3, 1987.

GHEDIN, Evandro; ALMEIDA, Maria Isabel de; LEITE, Yoshie Ussami Ferrari. Formação de professores: caminhos e descaminhos da prática. Brasília: Líber Livro Editora. 1a ed. 2008.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas. 4a ed. 2002.

GOMES, Maristela. Obstáculos epistemológicos, obstáculos didáticos e o conhecimento matemático nos cursos de formação de professores das séries iniciais do ensino fundamental. Revista Contrapontos, v. 2, n. 3, p. 363-376, 2008. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/181/153. Acesso em: 30 de abril de 2018.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Edição: Mc Graw-Hill. 1998.

MANZINI, Eduardo José. Uso da entrevista em dissertações e teses produzidas em um programa de pós-graduação em educação. Revista Percurso, p. 149-171, 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/114753/ISSN21773300-2012-04-02- 149-171.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 de abril de 2018.

MENDONÇA, Silvia Regina Pereira de. Representação social sobre o ensino de Matemática de licenciandos vinculados ao PIBID: dinâmica de formação. 2016. 296f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN. Natal. 2016.

NACARATO, Adair Mendes; PAIVA, Maria Auxiliadora Vilela. A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica. 3a ed. 2013.

PERRENOUD, Philippe. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa. Dom Quixote, 1993.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, v. 22, n. 2, p. 72-89, 1996. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/33579/36317. Acesso em: 20 de fevereiro 2018.

RODRIGUES, Márcio Uriel. Potencialidades do PIBID como espaço formativo para professores de matemática no Brasil. 2016. 541f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP, Rio Claro. 2016.

SARAIVA, Manuel; PONTE, João Pedro da. O trabalho colaborativo e o desenvolvimento profissional do professor de Matemática. Quadrante, p. 25-52, 2003. Disponível em:http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/docs-pt/03-Saraiva-Ponte(Quadrante).pdf. Acesso em: 20 de fevereiro 2018.

SANTOS, Roger Eduardo Silva. Formação de professores que ensinam matemática nos anos iniciais: contribuições do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na UFSCar. 2013. 107f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos – UFSCar. São Carlos. 2013.

SILVA, Danielli Ferreira. Processo de iniciação à docência de professores de Matemática: olhares de egressos do PIBID/UFSCar. 2014. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos – UFSCar. São Carlos. 2014.

SILVEIRA, Helder Eterno da. Mas, afinal: O que é iniciação à docência? Atos de Pesquisa em Educação, v. 10, n. 2, p. 354-368, 2015. Disponível em: https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/4704/3046. Acesso em: 18 de maio de 2018.

VICENTE, Marcelina Ferreira. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência–PIBID–e a formação inicial de professores. 2016. 170f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FCT/UNESP, Presidente Prudente–SP. 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Ciríaco, K. T., & Santos, Y. K. dos. (2020). O PIBID COMO ESPAÇO COLABORATIVO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA. Práxis Educacional, 16(43), 569-595. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6508