OS REGISTROS DA AÇÃO DOCENTE NO PERÍODO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6778

Palavras-chave:

Formação inicial docente, Estágio supervisionado, Diários de formação

Resumo

Os registros da ação docente se iniciam durante a formação inicial e fazem parte do cotidiano profissional do professor. O trabalho desenvolve-se a partir da seguinte questão: os registros da ação docente no período do estágio supervisionado podem ser considerados uma experiência formativa para professoras de Educação Infantil? Este estudo buscou, portanto, refletir sobre os registros da ação docente, no período do estágio supervisionado, como experiência formativa de professoras de Educação Infantil. A metodologia utilizada foi embasada na abordagem qualitativa, por meio de uma pesquisa documental exploratória, realizada nos diários de formação pertencentes às estagiárias de educação infantil ao realizarem o estágio em uma creche municipal na cidade de Fortaleza-CE. Os dados revelam que o conjunto dos diários de formação das alunas participantes dessa pesquisa constitui um panorama da realidade da ação docente no período de estágio supervisionado. Conclui-se que a escrita do vivenciado na escola e o momento de compartilhar essas experiências com os pares proporcionou um novo olhar sobre o vivido e a realidade escolar. Tal ação contribui para a formação dos sujeitos, pois é uma forma de articulação entre teoria e prática de forma reflexiva. Isso se dá pelo fato de que não se trata somente de relatar o que aconteceu, mas de se buscar compreender o vivido e à luz da teoria transformar o cotidiano a partir de uma reflexão sobre o seu fazer, gerando ação-reflexão-ação.

Biografia do Autor

Elcimar Simão Martins, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Pós-Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP); Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Professor na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – Brasil; Mestrado Profissional em Ensino e Formação Docente (PPGEF UNILAB-IFCE); Mestrado Acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (MASTS UNILAB); Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE UECE); líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Diversidade e Docência – EDDocência.

Tânia Maria Sousa França, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); Professora da UECE, Fortaleza – Brasil; Grupo de Pesquisa Investigação em Arte, Ensino e História- IARTEH.

 

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALMEIDA, Custódio Luís Silva de. O cotidiano. Revista de Educação AEC, nº 117, 2000.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 15 de maio de 2006. CNE/CP. Brasília: MEC, 2006.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n° 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 2010.

BRASIL. MEC/SEF. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, 1998, v.1, v. 2, v. 3.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior. Brasília: MEC, 2015.

CATANI, Denice Barbara; BUENO, Belmira Oliveira; SOUSA, Cynthia Pereira; SOUZA, Maria Cecília Cortez Christiano de. Docência, Memória e Gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 2000.

FREIRE, Madalena. (org.) Observação, registro, reflexão: instrumentos metodológicos I. 2. ed. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, Paulo. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo, Olho D’Agua, 1993.

GATTI, Bernadete. Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010 1355 Disponível em http://www.cedes.unicamp.br/

GHEDIN, Evandro; ALMEIDA, Maria Isabel de Almeida; LEITE, Yoshie Ussami Ferrari. Formação de Professores: Caminhos e Descaminhos da Prática. Brasília: Líber Livro, 2008.

HESS, Remi. Momento do diário e diário dos momentos. In: SOUZA, Elizeu Clementino; ABRAHÃO; Maria Helena Menna Barreto (orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.

JOSSO, Marie-Christine. Experiência de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012

LOPES, Amanda Cristina Teagno. Educação Infantil e registro de práticas. São Paulo: Cortez, 2009.

MARTINS, Elcimar Simão; ALMEIDA, Sinara Mota Neves de. Travessias Guiadas: o Estágio Supervisionado na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). In: Anais do XIX ENDIPE. Bianual, Volume 1, Número 40. Salvador: UFBA, 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NÓBREGA-THERRIEN, Silvia Maria. Formação para além do ensino na docência universitária: reflexões ancoradas na formação cidadã. In: SALES, José Albio Moreira. Docência e Formação de professores: novos olhares sobre temáticas contemporâneas. Fortaleza: EdUECE, 2009.

NÓVOA, Antonio; FINGER, Mathias. O método (auto)biográfico e a Formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo, 2010.

OSTETTO, Luciana Esmeralda; OLIVEIRA, Eloisa Raquel; MESSINA, Virginia Silva. Deixando marcas... A prática do registro do cotidiano da educação infantil. Florianópolis: Cidade Futura, 2001.

OSTETTO, Luciana Esmeraldo. Observação, registro, documentação: nomear e significar as experiências In: OSTETTO, Luciana Esmeraldo. (Org.) Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2011.

OSTETTO, Luciana. (Org.) Registros na Educação Infantil: pesquisa e prática pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2017.

PEDROSO, Cristina Cinto Araújo et al. (Orgs.). Cursos de Pedagogia: inovações na formação de professores polivalentes. 1. Ed. – São Paulo: Cortez, 2019.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido et al. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

PIMENTA, Selma Garrido; FUSARI, José Cerchi; PEDROSO, Cristina Cinto Araujo;
PINTO, Umberto de Andrade. Os cursos de licenciatura em pedagogia: fragilidades na formação inicial do professor polivalente. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 43, n. 1, p.15-30, jan./mar. 2017.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVESTRE, Magali Aparecida; PINTO, Umberto de Andrade. (Orgs) Curso de pedagogia: avanços e limites após as Diretrizes Curriculares Nacionais. São Paulo: Cortez, 2017.

SOUSA, Maria do Socorro; FRANÇA, Tânia Maria de Sousa. Diversidade de ações educativas: formar, formando-se. Fortaleza: Encaixe, 2007.

SOUZA, Clementino Elizeu. O conhecimento de si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A: Salvador: UNEB, 2006.

WARSCHAUER, Cecília. A roda e o registro; uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

WARSCHAUER, Cecília. Rodas em Rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

ZABALZA, Miguel A. Diários de aula: contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto: Porto Editora, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Martins, E. S., & França, T. M. S. (2020). OS REGISTROS DA AÇÃO DOCENTE NO PERÍODO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA. Práxis Educacional, 16(43), 51-68. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6778

Edição

Seção

Dossiê temático