A viralização da educação online: a aprendizagem para além da pandemia do novo coronavírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.6825

Palavras-chave:

Coronavírus, Educação Online, Processos comunicacionais

Resumo

Com a propagação do novo Coronavírus, no Brasil, as instituições de ensino suspenderam as aulas presenciais. Nesse contexto, educadores, gestores e famílias inteiras tiveram de buscar novos modos de aprender e ensinar. Estratégias de ensino remoto ganharam força, pautadas na transmissão de conteúdos curriculares e na distribuição em massa. Diante desse quadro, apresentamos, neste artigo reflexões acerca da Educação online, como possibilidade de criação do conhecimento, de forma mais participativa, dialógica e interativa, com vistas à formação de cidadãos autores e autônomos, na e para além da pandemia. Complementarmente, sugerimos uma atividade de produção de vídeos e histórias em quadrinho, a partir de processos participativos, viabilizados pela Educação online. Nessa  perspectiva, a produção do conhecimento se concretizou na parceria ‘docentediscente’, e o protagonismo do processo de aprendizagem ocorreu nas relações estabelecidas entre esses atores, e, principalmente, com o objeto do conhecimento

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirian Maia do Amaral, Fundação Getulio Vargas - Brasil

Doutora em Educação, Universidade Estácio de Sá; Fundação Getulio Vargas; Programa FGV Management (IDE/FGV); Grupo de Pesquisa Educação e Cibercultura- EDUCIBER/UERJ; Grupo de Pesquisa Sociabilidades, Educação e Cibercultura- SOCIB/UERJ e Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC).

Tatiana Stofella Sodré Rossini, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil

Doutora em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Caixa Econômica Federal - Brasil; Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC).

Edméa Oliveira Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – Brasil

Doutora em Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA); Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação; Líder do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura – GPDOC, UFRRJ.

Referências

ALVES, Nilda. Trajetórias e redes na formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: Oliveira, I. B.; Alves, N. (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas. Petrópolis: DP et Alii, 2008, p. 15-38.


AMARAL, Mirian Maia do. Autorias docente e discente: pilares de sustentabilidade na produção textual e imagética em redes educativas presenciais e online. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estácio de Sá – Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://portal.estacio.br/cursos/mestrado-e-doutorado/educa%C3%A7%C3%A3o/disserta% C 3% A7%C3 %B5es-e-teses/. Acesso em: 09 jun.2020.


AMORIM, M. O pesquisador e seu Outro. Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2004.


ANDRADE, Nívea.; CALDAS, Alessandra.; ALVES, Nilda. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos – ‘após muitas conversas acerca deles'. In: Oliveira I.; Peixoto, L.; Süssekind, M. L.. (Orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019, p. 19-42.


BAKHTIN, Michael. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.


BRUNO, Adriana. A mediação partilhada em redes sociais rizomáticas: (des) territorialização de possibilidades para a discussão sobre o ser tutor e a tutoria em cursos online. In: Amaral, H.; Silva, M. (Orgs.). Práticas pedagógicas, linguagem e mídias desafios à pós-graduação em educação em suas múltiplas dimensões .Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011, p. 116-132. Disponível em: http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/livro1.html. Acesso: 30 ago. 2018


CANDAU, Vera; MOREIRA, A. F. Educação escolar e cultura(s): multiculturalismo, universalismo e currículo. In: Candau, V. (Org.). Didática: questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2009, p. 47-62.


CERTEAU, Michael de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 22ª ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.


DODGE, B. Algumas idéias sobre WebQuests. San Diego State University. Tradução e adaptação: Simão Pedro P. Marinho, 1999.


FERRACO, Carlos. Eduardo. Ensaio de uma metodologia efêmera ou sobre as várias maneiras de sentir e inventar o cotidiano escolar. In: Oliveira, I. B.; Alves, N (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas. Petrópolis: DP et Alii, 2008, p. 101- 117.


GALEFFI, Dante. A. Prefácio. In Macedo, R. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador: EDUFBA, 2016.


KERRES, M. Potenziale von Web 2.0 nutzen. In Hohenstein, A.; Wilbers, K. Munchen: Handbuch E-Learnig, 2006. Disponível em: http://mediendidaktik.uni-duisburg-essen.de/system/files/web20-a.pdf. Acesso: 20 jun 2019.


KINCHELOE, J. L.; BERRY, K. S. Pesquisa em educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre: Artmed, 2007.


MACEDO, Roberto.; GALEFFI, Dante; PIMENTEL, Alamo.. Um rigor outro sobre a qualidade da pesquisa qualitativa: educação e ciências humanas. Salvador: EDUFBA, 2009.


MACEDO, Roberto. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Liber Livro, 2010.


MACEDO, Roberto. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador, EDUFBA, 2016.


MACEDO, Roberto.; MACEDO, S. M. Currículo: implicações conceituais (p. 3-17). In Ramal, A; Santos, E. Currículos – teorias e práticas. Rio de Janeiro: LTC, 2012.


MARCELINO, Cristiane; SANTOS, Rosemary. Vídeos digitais na pesquisa em educação e cibercultura: narrativas e imagens com a rede social YouTube em convergência com ambientes virtuais de aprendizagemIn: Porto, C... [et al.]. Salvador, Edufba, 2015.


MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 15ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.


OLIVEIRA, Inês. B. Boaventura & a Educação.2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.


PINEAU, Gaston. A autoformação no decurso da vida: entre hetero e a ecoformação. In: Nóvoa, A.; Finger, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1998, p. 65-77. Disponível em: http://forumeja.org.br/files/autopineau.pdf. Acesso: 25 jan. 2020.


PRETTO, Nelson. Professores-autores em rede. In: Santana, B.; Rossini, C.; Pretto, N. (Eds.). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012, p. 91-108.Disponível em: https://www.aberta.org.br/livrorea/livro/livroREA-1edicao-mai2012.pdf. Acesso: jan. 2020.


SANTOS, Edméa. Articulação de saberes na EAD online; por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos em ambientes virtuais de aprendizagem In: Silva, M. (Org.) Educação online: teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2003.


SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.


SILVA, Marco. (Org.). Educação online: teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2003.


SILVA, Marco. Desenho didático: contribuições para a pesquisa sobre formação de professores para a docência online. In: Silva, M; Pesce, L; Zuin, A. (Eds.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas (pp.215-231). Rio de Janeiro: Wak Ed, 2010.


SILVA, Marco. Sala de aula interativa: educação, comunicação, mídia clássica.... São Paulo: Loyola, 2018.


VELLOSO, Luciana; SANTOS, Rosemeire, AMARAL, Mirian M. O livro na cibercultura [e-book]. In: Porto, C.; Santos, E. (Orgs). Santos (SP): Universitária Leopoldianum, 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

AMARAL, M. M. do; ROSSINI, T. S. S.; SANTOS, E. O. A viralização da educação online: a aprendizagem para além da pandemia do novo coronavírus . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-22, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.6825. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6825. Acesso em: 26 set. 2021.