EDUCAÇÃO, ESCRITA E TECNOLOGIAS: (REVERBER)AÇÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6871

Palavras-chave:

Tecnologias digitais, Professores alfabetizadores, Escrita

Resumo

O artigo define por objetivo fomentar a discussão sobre as Tecnologias Digitais no processo de aquisição da língua escrita na escola. Apoiou-se nos pressupostos teóricos e epistemológicos de uma investigação qualitativa. Como suporte teórico dialogou com Bakhtin (2003); Pinto (2008); Soares (2003, 2016); Rojo (2013), entre outros. O texto focou na análise de um questionário elaborado e aplicado por meio da ferramenta Google Forms. Participaram da investigação voluntariamente 66 (sessenta e seis) professores alfabetizadores do ensino fundamental I. Os resultados obtidos apontaram que os professores apresentam dificuldades em conceituar o termo tecnologia digital e tendiam a considerá-lo como metodologia ou suporte tecnológico; as formações continuadas não atendem a todos os participantes; os professores externaram tentativas de inserirem as TD em seus planejamentos; e uma grande maioria, reconheceu que as TD contribuem significativamente para o processo de alfabetização.

Biografia do Autor

Adriana Cavalcanti dos Santos, Universidade Federal de Alagoas – Brasil

Pós-doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (Portugal). Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Professora Adjunta da Universidade Federal de Alagoas – Brasil; Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas de Leitura, da Literatura e da Escrita (Gellite).

 

Nádson Araújo dos Santos, Universidade Federal de Alagoas – Brasil

Doutorando e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Professor Bolsista do Instituto Federal de Alagoas – Brasil; Discente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFAL); Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas de Leitura, da Literatura e da Escrita (Gellite).

Viviane Caline de Souza Pinheiro, Universidade Federal de Alagoas – Brasil

Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Discente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFAL); Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas da Leitura, da Literatura e da Escrita (Gellite).

Referências

AGRANITO, Laís de Castro; TEIXEIRA, Priscila Gervásio; SANTOS, Eliane Elias Ferreira dos. A Utilização das Tecnologias Digitais no Processo de Alfabetização e Letramento na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia – ESEBA/UFU. Revista de Educação e Ensino Olhares e Trilhas Ano XIV. Números 17 e 18 (JAN./DEZ. 2013).

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Informática e formação de professores. ProInfo. v. 2. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação, Seed, 2000.

BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TRIVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. In: Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

_____. O homem ao espelho: apontamentos dos anos 1940. São Carlos: Pedro e João Editores, 2019.

BIANCHINI, Rejane; FRUET, Fabiane Sarmento Oliveira. Integração das Tecnologias nos Processos de Alfabetização e Letramento: Investigação-ação educacional em uma escola pública da rede municipal de Lajeado – Rs. Disponível em: <https://www.ufsm.br/unidades-universitarias/ce/wp-content/uploads/sites/373/2019/06/Rejane-Bianchini-e-Fabiane-Sarmento-Oliveira-Fruet.pdf> Acesso em: 17 de abr. de 2020.

BINOTTO, Claúdia; SÁ, Ricardo Antunes de. Tecnologias digitais no processo de alfabetização: analisando o uso do laboratório de informática nos anos iniciais. Práxis Educacional Vitória da Conquista v. 10, n. 17 p. 315-332 jul./dez. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em 01 de junho de 2018.

CERNY, Roseli Zen Cerny; ESPÍNDOLA, Marina Bazzo de; TOSATTI, Nayara Cristine Müller. A Relação entre Educação e Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação: percepções de cursistas da formação continuada. Revista Tecnologias na Educação – Ano 10 – Número/Vol.25 –Julho 2018.

CERTEAU, Michel: A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHARTIE, Anne-Marie. Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 26. n.2, 2000.

COLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DUDENEY, Gavin; HOCKLY, Nicky; PEGRUM, Mark. Letramentos digitais. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na Idade Pós-Moderna. Lisboa: McGraw-Hill, 2001.

MARTINS, Onilza Borges; MASCHIO, Elaine Cátia Falcade. As Tecnologias Digitais na Escola e a Formação Docente: representações, apropriações e práticas. Disponível em: <https://www.scielo.sa.cr/pdf/aie/v14n3/a20v14n3.pdf> Acesso em: 16 de abr. de 2020.

Ministério da Educação. ProInfo. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/proinfo> Acesso em: 16 de abr. de 2020.

MORTATTI, Maria Rosário Longo. História dos Métodos de Alfabetização no Brasil. Ministério da Educação (MEC), 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_mortattihisttextalfbbr.pdf> Acesso em: 27 de mar. 2020.

NUNES, Célia Maria Fernandes. Saberes Docentes e Formação de Professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, ano XXII, nº 74, Abril/2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v22n74/a03v2274.pdf> Acesso em: 17 de abr. de 2020.

OLIVEIRA, Tâmara Lyz Milhomem de; DIAS, Reinildes. Multimodalidade ontem e hoje nas homepages do yahoo: trilhando uma análise diacrônica de textos multimodais. In: KERSCH, Dorotea Frank; COSCARELLI, Carla Viana; CANI, Josiane Brunetti (Orgs). Multiletramentos e multimodalidade: ações pedagógicas aplicadas à linguagem. Campinas: Pontes Editores, 2016.

PIMENTEL, Fernando Silvio Cavalcante; COSTA, Cleide Jane de Sá Araújo. A cultura digital no cotidiano das crianças: apropriação, reflexos e descompassos na educação formal. In: COSTA, Cleide Jane de Sá Araújo; PINTO, Anamelia de Campos (Orgs.). Tecnologias digitais da informação e comunicação na educação. Maceió: Edufal, 2017.

PINTO, A. V. O conceito de tecnologia. São Paulo: Contraponto, 2008. v. 1

RIBEIRO, Andréa Lourdes. Jogos online no ensino-aprendizagem da leitura e da escrita. In: COSCARELLI, Carla Viana (org). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

ROJO, Roxane. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

_____. Escola Conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SANTOS, Adriana Cavalcanti dos. O ensino da leitura na educação de jovens e adultos: o movimentum de significar e ressignificar a prática docente em contexto de pesquisa colaborativa. 2014. 278 f. Tese (Doutorado em Educação) ─ Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2014.

SANTOS, Nádson Araújo dos; CAVALCANTE, Maria Auxiliadora da Silva. Gêneros textuais e tecnologias digitais na escola: diálogos possíveis. In: SANTOS; Adriana Cavalcanti dos; SANTOS, Nádson Araújo dos (org). Educação e linguagem: interfaces de investigação em rede. Maceió: Edufal, 2019.

SANTOS, A. C; SANTOS, W. P; SANTOS, N. A. A produção textual em contextos do letramento e significação social. Horizontes, [S.l.], v. 38, n. 1, p. e020006, fev. 2020. ISSN 2317-109X. Disponível em: <https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/846/419>. Acesso em: 20 maio 2020. doi:https://doi.org/10.24933/horizontes.v38i1.846.



SILVA, Gildemarks Costa e. Tecnologia, educação e tecnocentrismo: as contribuições de Álvaro Vieira Pinto. Rev. bras. Estud. pedagog. (online), Brasília, v. 94, n. 238, p. 839-857, set./dez. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v94n238/a10v94n238.pdf> Acesso em: 16 de abr. de 2020.

SOARES, Magda. A Reinvenção da Alfabetização. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v.9, n.52, jul/ago 2003. Disponível em: <http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/programa_aceleracao_estudos/reivencao_alfabetizacao.pdf> Acesso em: 28 de jan. 2020.

_____. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

TEBEROSKY, A.; COLOMER, T. Aprender a ler e a escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.

THOMAS, Kevin; O’BANNON, Blanche. Cell Phones in the Classroom: preservice teacher’s perceptions. Journal of Digital Learning in Teacher Education. Vol 30. Number 1. 2014.

TRIVIÑOS, Augusto. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 2013.

VILELA, Heloísa de O. S.O Mestre-Escola e a Professora. In_____. 500 anos de Educação no Brasil. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ZACHARIAS, Valéria Ribeiro de Castro. Letramento digital: desafios e possibilidades para o ensino. In: COSCARELLI, Carla Viana (Org.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Santos, A. C. dos, Santos, N. A. . dos, & Pinheiro, V. C. de S. (2020). EDUCAÇÃO, ESCRITA E TECNOLOGIAS: (REVERBER)AÇÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES. Práxis Educacional, 16(43), 430-451. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6871