Vídeos sobre ciências interessam? Um estudo com estudantes da educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i45.6894

Palavras-chave:

Educação Não Escolar, Divulgação Científica, Leitura Audiovisual

Resumo

O cenário atual das tecnologias digitais imprime um ritmo cada vez mais acelerado no fluxo da informação e comunicação. Considerando o meio digital como um dos principais para a divulgação da ciência, especialmente por meio de vídeos, esta pesquisa teve por objetivo investigar aspectos ligados aos hábitos, interesses e percepções de estudantes da Educação Básica quanto a vídeos de temáticas científicas. Trata-se de uma pesquisa exploratória realizada com 160 estudantes da região do semiárido alagoano. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário contendo questões abertas e fechadas. Os resultados apontam que os estudantes buscam principalmente vídeos para a diversão, mas vídeos que apresentam temas científicos se mostraram bastante representativos. Os estudantes também alegaram gostar de vídeos com temáticas científicas, a despeito da frequência relativamente baixa com a qual assistem tais materiais. Consideraram ainda aprender com os vídeos e os reconhecem como uma possibilidade pedagógica para uso pelos professores. Os vídeos nesse contexto configuram-se em uma nova dimensão cultural em que emergem diferentes cenários e perspectivas de busca e difusão da ciência, cujos processos precisam ser problematizados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademilson Leandro Correia, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Mestre em ensino de Ciências e Matemática – Universidade Federal de Alagoas. Docente da rede básica do município de Olho d´Água do Casado – Alagoas.  

Wilmo Ernesto Francisco Junior, Universidade Federal de Alagoas - Brasil

Doutor em Química (tese em educação química) pelo IQ-UNESP. Professor da Universidade Federal de Alagoas, nProgramas de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM/UFAL) e Educação (PPGE). Colabora com o Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da UNIR.

Referências

ARROIO, Agnaldo. Is media literacy an urgent issue in education for all? Problems of Education in the 21st Century, v. 15, n. 5, p. 416-418, 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS - CGEE. Percepção pública da C&T no Brasil – 2019. Resumo executivo. Brasília, DF: 2019. 24p

COELHO, Pollyanna Jericó Pinto; ALVES, Jefferson Fernandes. Visões camaleônicas: vantagens e limites do uso do vídeo no processo de ensino - aprendizagem. Linguagens, Educação e Sociedade, n. 13, p. 111-121, 2005.

ESCOBAR, Herton. Divulgação científica: faça agora ou cale-se para sempre. ComCiência, dossiê 197, abril/2018. Disponível em: http://www.comciencia.br/divulgacao-cientifica-faca-agora-ou-cale-se-para-sempre/. Acesso em 05 de junho de 2020.

FERRÉS, Joan. Vídeo e Educação. Porto Alegre: Artmed, 2. Ed, 1996.

FRANCISCO JUNIOR, Wilmo Ernesto; BENIGNO, Ana Paula Aquino. Produção de vídeos amadores de experimentos: algumas contribuições para se pensar o processo educativo. Revista Exitus, v. 8, n.2, p. 244-272, 2018.

GUIMARÃES, Margaret de Oliveira. Comunicação e educação: a perspectiva do receptor. Comunicação e Educação, v. 20, p. 15-20, 2001.

GUTIERREZ, Francisco. Linguagem total: uma pedagogia dos meios de comunicação. São Paulo: Summus, 1978.

HALL, Stuart. Encoding/Decoding. In: HALL, Stuart; HOBDON, Dorothy; LOWE, Andrew; Willis, Paul (Org.). Culture, Media, Language. London: Hutchinson, 1980. p. 128-138.

JORM, Christine; ROBERTS, Chris; GORDON, Christopher; NISBET, Gillian; ROPER, Lucianda. Time for university educators to embrace student videography. Cambridge Journal of Education, v. 49, n. 6, p. 376-396, 2019.

LEON, Bienvenido; BOURKE, Michael. Investigating Science-Related Online Video. In: LEON, Bienvenido; BOURKE, Michael (Org.). Communicating Science and Technology Through Online Video. New York: Routledge, 2018. p. 1-14

MORAN, José Manuel. O vídeo em sala de aula. Comunicação e Educação, n. 2, p. 27-35, jan/abril. 1995.

MORAN, José Manuel. As Novas Tecnologias e Mediação pedagógica. 16ª Ed. Campinas: Papirus, 2009.

PEREIRA, Marcus Vinicius, BARROS, Susana de Souza, REZENDE FILHO, Luiz Augusto de Coimbra; FAUTH, Leduc H. de Almeida. Demonstrações experimentais de Física em formato audiovisual produzidas por alunos do ensino médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 3, 676-692, 2011.

REVISTA VIRTUAL DE QUÍMICA. Instruções aos autores. Disponível em: http://rvq.sbq.org.br/conteudo.asp?page=2. Acesso em 16 de junho de 2020.

REZENDE FILHO, Luiz Augusto de Coimbra; BASTOS, Wagner Gonçalves; PASTOR JUNIOR, Américo de Araújo; PEREIRA, Marcus Vinicius; SÁ, Marcia Bastos de. Contribuições dos estudos de recepção audiovisual para a educação em ciência e saúde. Alexandria: Revista de Educação em Ciências e Tecnologia, v. 8, p.143-161, 2015.

SUGIMOTO, Cassidy; THELWALL, Mark. Scholars on soap boxes: Science communication and dissemination in TED videos. Journal of the American Society for Information Science and Thechnology, v. 64, n. 4, p. 663-674, 2013.

THELWALL, Mark, SUD, Pardeep; VIS, Farida. Commenting on YouTube videos: From Guatemalan rock to El Big Bang. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 63, n. 3, p. 616-629, 2012.

WHITE, Robert A. Recepção: a abordagem dos estudos culturais. Comunicação e Educação, v. 12, p. 57-76, 1998.

WILLIAMS, Maria Gallardo; MORSH, Layne A.; PAYE, Ciana; SEERY, Michael K. Student-generated video in chemistry education. Chemistry Education Research and Practice. v. 21, p. 488-495, 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

CORREIA, A. L.; FRANCISCO JUNIOR, W. E. Vídeos sobre ciências interessam? Um estudo com estudantes da educação básica . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 45, p. 1-20, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i45.6894. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6894. Acesso em: 17 set. 2021.