A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS PELA REFORMA E PELA BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.7024

Palavras-chave:

Educação física escolar , Ensino médio , BNCC

Resumo

Este texto objetiva examinar a condição do componente curricular educação física no ensino médio, após as alterações promovidas pela lei n. 13.415/2017, pelas DCNEM de 2018 e pela BNCC, visando discutir as implicações e tendências que emergem desse processo, bem como expor os elementos fundamentais da proposta de educação física presente na BNCC. Apoiado no materialismo histórico dialético, realizou-se pesquisa documental. Constatou-se que a reforma contribuiu para o aprofundamento da hierarquização curricular. A educação física perdeu o status de obrigatória e sua condição de componente curricular não está assegurada. O objeto de ensino apontado pela BNCC não favorece o trato pedagógico do problema central desse campo de conhecimento. Por fim, as habilidades almejadas preterem ou não exigem os conhecimentos científicos ligados à educação física, além de perspectivar para os jovens um limitado desenvolvimento.

Biografia do Autor

José Arlen Beltrão, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Brasil

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Formação de Professores e Educação Física (GEPEFE).

David Romão Teixeira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Brasil

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Formação de Professores e Educação Física (GEPEFE).

Celi Nelza Zulke Taffarel, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Pós-doutora em Educação Física pela Universidade de Oldenburg - Alemanha; Docente da Universidade Federal da Bahia (UFBA); Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA. Coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Esporte e Lazer (LEPEL-UFBA). Pesquisadora bolsista de produtividade do CNPq.

Referências

ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. A proposta de BNCC do ensino médio: alguns pontos para o debate. Nota ANPEd. 14 de maio de 2018. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/nota-anped-proposta-de-bncc-do-ensino-medio-alguns-pontos-para-o-debate. Acesso em: 20 de maio de 2018.
BARATA-MOURA, J. Da representação à “práxis”: Itinerários do Idealismo Contemporâneo. Ed. Caminho, SARL: Lisboa, 1986.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.
BELTRÃO, J. A.; TAFFAREL, C. A ofensiva dos reformadores empresariais e a resistência de quem defende a educação pública. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 587-601, jul./dez. 2017.
BOITO JR., A. Reforma e crise política no Brasil: os conflitos de classe nos governos do PT. Campinas, SP: Editora Unicamp / São Paulo, SP: Editora Unesp, 2018.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.
BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e 11.494, de 20 de junho de 2007, e a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. In.: Diário Oficial da União, 17 de fevereiro de 2017, pp. 1-3.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Educação é Base – Ensino Médio. MEC: Brasília, 2018a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 02 de fevereiro de 2019.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CNE/CEB n. 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 22 nov. 2018b, seção 1, pp. 21-24.
BUGENSTAB, G. C.; LAZZAROTTI FILHO, A. A Educação Física no “novo” Ensino Médio: a ascensão do notório saber e o retorno da visão atlética e “esportivizante” da vida Motrivivência, Florianópolis/SC, v. 29, n. 52, p. 19-37, setembro/2017.
CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino Médio e Educação Profissional no Brasil: Dualidade e fragmentação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 8, p. 27-41, jan./jun. 2011
COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.
DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas/SP: Autores Associados, 2016.
ESCOBAR, M. O. Depoimento. In.: COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.
FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério a destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012.
FRIGOTTO, G. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas ciências sociais. Ideação: Revista do Centro de Educação e Letras da UNIOESTE, Foz do Iguaçu, v. 10, n. 1, p. 41-62, 1o semestre de 2008.
FRIGOTTO, G. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Edu. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1129-1152, out. 2007.
FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.
FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva 30 anos depois: regressão social e hegemonia às avessas. Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, ano 13, n. 20, p. 206-233, 2015.
FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.
GARIGLIO, J. A.; ALMEIDA JÚNIOR, A.; OLIVEIRA, C. M. O novo ensino médio: implicações ao processo de legitimação da Educação Física. Motrivivência, Florianópolis/SC, v. 29, n. 52, p. 53-70, set. 2017.
GIANFALDONI, M. H. T. A.; MICHELETTO, N. As possibilidades da razão: Immanuel Kant. In.: ANDERY, M. A. P. A. Posfácio. In.: ANDERY, M. A. P. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 10º Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.
KRAWCZYK, N. Reflexão sobre alguns desafios do ensino médio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 752-769, set./dez. 2011.
KUENZER, A. Ensino Médio e Profissional: as políticas do Estado neoliberal. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2007a.
KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 1153-1178, out. 2007b.
KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr.-jun., 2017.
MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2000.
MARTINS, L. M. O que ensinar? O patrimônio cultural humano como conteúdo de ensino e a formação da concepção de mundo do aluno. In.: PASQUALINI, J. C.; TEIXEIRA, L. A.; AGUDO, M. de M. Pedagogia histórico–crítica: legado e perspectivas. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018.
MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.
MARX, K. O Capital: crítica da Economia Política. Livro I. 32ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Expressão Popular, 2008.
MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. 1ª ed. Revista. São Paulo: Boitempo, 2010.
MELLO, R. A. A necessidade da Educação física na escola. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.
MILLEN NETO, A. R. et. al. Evasão escolar e desinteresse dos alunos nas aulas de Educação Física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 2, p. 1-15, maio-ago. 2010.
MOTTA, V. C.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p.355-372, abr.-jun. 2017.
NASCIMENTO, C. P. Os significados das atividades da cultura corporal e os objetos de ensino da educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 677-690, abr./jun. de 2018.
NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, v. 40, n. 3, p. 215-223, 2018.
NEVES, L. M. W. Brasil 2000: nova divisão de trabalho na educação. 2ª ed. São Paulo: Xamã, 2000.
NOZAKI, H. Educação Física e reordenamento no mundo do trabalho: mediações da regulamentação da profissão. 2004. 383f. Tese de Doutorado (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.
NOZAKI, H. Trabalho e educação na atualidade: mediações com a Educação Física brasileira. Educação, Santa Maria, v. 40, n. 1, p. 183-200, jan./abr. 2015.
PAULO NETTO, J. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.
RAMOS, M. N. A Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.
RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011a.
RAVITCH, D. National opportunity to learn summit. 2011b. Disponível em: < https://www.wested.org/online_pubs/board/diane-ravitch-speech.pdf>. Acesso em 01 de dezembro de 2016.
RUFINO, L. G. B.; FERREIRA, A. F.; CARAVALHO, A. O.; RICCI, C. S.; DARIDO, S. C. Aulas de educação física no ensino médio: analisando o estado da arte. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 36, n. 2, supl., p. S353-S369, abr./jun. 2014.
SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10ª ed. Campinas: Autores Associados, 2008.
SEC BAHIA. Secretaria da Educação. Governo do Estado da Bahia. Implementação Novo Ensino Médio Bahia: Documento orientador rede pública de ensino. SEC BAHIA: BAHIA, 2020. Disponível em: < http://jornadapedagogica.educacao.ba.gov.br/caixa-de-ferramentas/ensino-medio/>. Acesso em 15 de janeiro de 2020.
SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. rev. São Paulo: Cortez, 2007.
TAFFAREL, C. Z.; ESCOBAR, M. O. A Cultura Corporal e os dualismos necessários para a ordem do capital, 2009. Disponível em: <http://www.rascunhodigital.faced.ufba.br/ver.php?idtexto=277> . Acesso em: 11 jul. 2018.
TEIXEIRA, D. R. A educação física na pré-escola: contribuições da abordagem crítico-superadora. 2018. 157 f. Tese (Doutorado em Educação) –Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Beltrão, J. A. ., Teixeira, D. R., & Taffarel, C. N. Z. (2020). A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS PELA REFORMA E PELA BNCC. Práxis Educacional, 16(43), 656-680. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.7024