Bem-estar, desenvolvimento e atividades organizadas: um estudo com alunos adolescentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.7114

Palavras-chave:

Adolescência, Atividades extracurriculares, Bem-estar psicológico

Resumo

Enquadramento: No estudo do Bem-estar psicológico e dos Recursos de desenvolvimento, destaca-se a participação dos adolescentes em atividades organizadas. Objetivo: Aprofundar a relação do Bem-estar psicológico e dos Recursos de desenvolvimento com a participação em atividades extracurriculares e de solidariedade. Metodologia: O estudo incluiu 201 alunos do 6º, 9º e 11º ano de uma escola particular portuguesa e usou a Escala de Bem-Estar Psicológico para Adolescentes, o Developmental Assets Profile e três questões sobre a participação nas atividades. Resultados: Encontrou-se um número elevado de alunos que participam em atividades dos dois tipos. A participação diminui ao longo da adolescência. As correlações com o Bem-estar psicológico e os Recursos de desenvolvimento reforçam o potencial da participação nos dois tipos de atividade para o bem-estar e o desenvolvimento dos adolescentes. As diferentes correlações sugerem uma maior ligação da participação em atividades extracurriculares com a auto-estima, e entre a participação em atividades de solidariedade com a autorrealização, o crescimento pessoal e a resiliência. Conclusões: Valorização das oportunidades de participação em atividades dos dois tipos nos contextos educativos, com destaque para a escola. São apresentadas sugestões para estudos futuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nuno Archer de Carvalho, Colégio Pedro Arrupe - Portugal

Mestrado, IE-ULisboa; Colégio Pedro Arrupe, Portugal; Doutoramento em Educação, especialidade Psicologia da Educação, IE-Ulisboa;

Feliciano Henriques Veiga, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa - Portugal

Professor Catedrático, IE-Ulisboa; Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Portugal; Educação psicologia da educação.

Referências

Agans, J. P., Champine R. B., Johnson, S. K., Erickson, K. & Yalin, C. (2015). Promoting healthy lifestyles through youth activity participation: lessons from research In E. Bowers, G. Geldhof, S. Johnson, L. Hilliard, R. Hershberg, J. Lerner & R. Lerner (Eds). Promoting positive youth development: Lessons from the 4-H study (pp. 137-158). New York: Springer.
Badura, P., Sigmund, E., Geckova, A. M., Sigmundova D., Sirucek, J., vanDijk, J. P., & Reijneveld, S. A. (2016). Is participation in organized leisure-time activities associated with school performance in adolescence? PLos One, 11(4), 1-13. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0153276.
Barber, B. L., Abbott, B. D., Neira, C. J. B., E., & Eccles, J. S. (2014). Meaningful activity participation and positive youth development. In M. J. Furlong, R. Gilman, E. S. Huebner (Eds). Handbook of Positive Psychology in Schools (2nd Edition) (pp. pp.227-244). New York: Routledge.
Benson, P. L, Scales, P. C., & Syvertsen, A. K. (2011). The contribution of the developmental assets framework to positive youth development theory and practice. Advances in Child Development and Behavior, 41, 197-230.
Benson, P. L., & Scales, P. C. (2014). Developmental Assets. In: R. J. R. Levesque (Ed.). Encyclopedia of Adolescence (pp. 667-683). New York: Springer.
Benson, P. L., Scales, P. C., Hamilton, S. F. & Sesma, A. (2006). Positive youth development so far: core hypotheses and their implications for practice. Search Institute Insights & Evidence, 3(1), 1-13.
Carvalho, N. A. (2015). Bem-estar psicológico e recursos contextuais e pessoais em adolescentes de uma escola particular portuguesa (Dissertação de mestrado orientada pelo Professor Doutor Feliciano Veiga). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. DOI: https://doi.org/10.13140/RG.2.2.22472.67844.
Carvalho, N. A. (2019). Formação Humana no currículo: Um programa para fazer à medida. Sisyphus - Journal of education, 7(02), 65-91. DOI: https://doi.org/10.25749/ sis.17260.
Carvalho, N. A., & Veiga, F. H. (2017). Recursos individuais e contextuais de desenvolvimento pessoal: Adaptação portuguesa do Developmental Assets Profile. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, Vol. Extr. (14), 122-127. DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.14.2537.
Carvalho, N.A., & Veiga, F. H. (no prelo). Bem-estar psicológico e recursos de desenvolvimento: Caracterização em alunos adolescentes. Psicologia em Pesquisa, 14 (3).
Coatsworth, J. D. & Sharp, E. H. (2013). Discovering positive lives and futures: Adolescent eudaimonic expression through activity involvement. In: A. S. Waterman (Ed.). The best within us: Positive psychology perspectives on eudaimonia (pp. 249-267). Washington, DC: American Psychological Association.
Eccles, J. S., Barber, B. L., Stone, M. R. & Hunt, J. (2003). Extracurricular activities and adolescent development. Journal of Social Issues, 59(4), 865-889.
Fernandes, H. (2007). O bem-estar psicológico em adolescentes: uma abordagem centrada no florescimento humano (Tese doutoramento em psicologia). Vila Real: UTAD.
Freire, T., Zenhas, F., Tavares, D. & Iglésias, C. (2013). Felicidade hedónica e eudaimónica: Um estudo com adolescentes portugueses. Análise Psicológica, 31(4), 329-342.
Gama, S. (2003). Diário de Sebastião da Gama: Pequena história da minha vida de professor. Sintra: Edições Arrábida.
King, P. E., & Boyatzis, C. J. (2015). Religious and spiritual development. In R. M. Lerner (Eds). Handbook of Child Psychology and Developmental Science, Vol. 4 (pp. 975-1021). New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.
Larson, R. (2000). Toward a Psychology of Positive Youth Development. American Psychologist, 55(1), 70-183. DOI: https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.1.170.
Machado, W. L. & Bandeira, D. R (2012). Bem-estar psicológico: definição, avaliação e principais correlatos. Estudos de Psicologia, 29(4), 587-595. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2012000400013.
Meier, A., Hartmann, S., & Larson R. (2018). A Quarter Century of Participation in School-Based Extracurricular Activities: Inequalities by Race, Class, Gender and Age? Journal of Youth and Adolescence, 47(6), 1299–1316. DOI: https://doi.org/10.1007/s10964-018-0838-1.
OECD (2018). The future of education and skills: Education 2030. Paris: The Author.
Ortiz, A., & Veiga, F. (2014). Construcción de una escala de actitudes frente al voluntariado: Un estudio com jóvenes universitários portugueses. In F. Veiga (Coord.), Envolvimento dos Alunos na Escola: Perspetivas Internacionais da Psicologia e Educação (pp. 112-128). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.
Ramiz, A. K., & Vakil, C. R. (2020). Socio-psychological issues of changing values in adolescents—Youth in education. Práxis Educacional, 16(37), 578–590. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i37.6406
Randall, E. T., Travers, L. V., Shapiro, J. B. & Bohnert, A. (2016). Reasons for the ‘‘after-school pressure cooker’’ in Affluent Communities: It’s Not How Much Time, but Why. Journal of Child and Family Studies 25(5), 1559-1569. DOI: https://doi.org/10.1007/s10826-015-0330-4.
Ryff, C. D. (1989). Happiness is everything, or is it? Explorations on the meaning of psychological well being. Journal of Personality and Social Psychology, 57, 1069-1081.
Ryff, C. D. (2013). Eudaimonic well-being and health: Mapping consequences of self-realization. In: A. S. Waterman (Ed.). The best within us: Positive psychology perspectives on eudaimonia (pp. 77-98). Washington, DC: American Psychological Association.
Ryff, C. D. (2018a). Eudaimonic well-being: Highlights from 25 years of inquiry. In K. Shigemasu, S. Kuwano, T. Sato, & T. Matsuzawa (Eds.), Diversity in harmony - Insights from psychology: Proceedings of the 31st International Congress of Psychology (p. 375–395). John Wiley & Sons Ltd. https://doi.org/10.1002/9781119362081.ch20.
Ryff, C. D. (2018b). Well-being with soul: Science in pursuit of human potential. Perspectives on Psychological Science, 13(2), 242-248. DOI: https://doi.org/10.1177/1745691617699836.
Scales, P. C., Roehlkepartain, E. C. & Shramko, M. (2017). Aligning youth development theory, measurement, and practice across cultures and contexts: Lessons from use of the Developmental Assets Profile. Child Indicators Research, 10(4), 1145-1178. DOI: https://doi.org/10.1007/s12187-016-9395-x.
Vandell, D. L., Larson, R. W., Mahoney, J. L. & Watts, T. (2015). Children's Organized Activities. In R. M. Lerner (Eds). Handbook of Child Psychology and Developmental Science, Vol. 4 (pp. 305-344). New Jersey: John Wiley & Sons, Inc. DOI: https://doi.org/10.1002/9781118963418.childpsy408.
Veiga, F. (Org.) (2013). Psicologia da Educação: Teoria, Investigação e Aplicação - Envolvimento dos Alunos na Escola. Lisboa: Climepsi.
Veiga, F. H., García, F., Reeve, J., Wentzel, K., & García, Ó. (2015). When Adolescents with High Self-Concept Lose their Engagement in School. Revista de Psicodidáctica, 20(2), 305-320. DOI: https://doi.org/10.1387/RevPsicodidact.12671
Veiga, F. H., García, Ó., & García, F. (2019). Envolvimento dos Alunos na Escola: Conceptualização, Avaliação e Promoção. In F. H. Veiga (Coord.), Psicologia da Educação: Temas de Aprofundamento Científico para a Educação XXI (pp. 37-60). Lisboa: Climepsi.
Wagener L. M., Furrow J. L., King P. E., Leffert, N. & Benson, P. (2003). Religious Involvement and Developmental Resources in Youth. Review of Religious Research, 44 (3), 271-284. DOI: https://doi.org/10.2307/3512387

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

CARVALHO, N. A. de; VEIGA, F. H. Bem-estar, desenvolvimento e atividades organizadas: um estudo com alunos adolescentes. Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.7114. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7114. Acesso em: 19 set. 2021.