Subteste de aritmética: desempenho de estudantes com indícios de discalculia do desenvolvimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i45.7207

Palavras-chave:

Discalculia do Desenvolvimento; Habilidades matemáticas; Intervenções psicopedagógicas.

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados advindos de uma pesquisa de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática sobre Discalculia do Desenvolvimento, em específico, acerca do desempenho de estudantes com indícios desse transtorno no Subteste de Aritmética (STEIN, 1994), o qual foi utilizado como um dos instrumentos de avaliação psicopedagógica. O objetivo é analisar a evolução do desenvolvimento das habilidades matemáticas desses estudantes, após a realização de intervenções psicopedagógicas. A pesquisa aconteceu em três momentos: no primeiro, 11 estudantes com idades entre 9 e 12 anos, participaram da avaliação psicopedagógica, entre eles, o Subteste de Aritmética; em seguida receberam dez sessões de intervenção; por fim, foram reavaliados. A análise dos resultados obtidos baseou-se no escore de correções do teste. No intuito de verificar os avanços no desempenho dos estudantes, apresenta-se uma análise quali-quantitativa. Em relação à análise dos dados, o desempenho dos estudantes, optou-se pela Análise de Conteúdo - AC, considerando as cinco etapas definidas por Moraes (1999): preparação; unitarização; categorização; descrição; e interpretação. A partir da análise das unidades de significado, emergiram 12 categorias iniciais, as quais foram reagrupadas em uma categoria final: Discalculia do Desenvolvimento - DD. Após o período de intervenções psicopedagógicas, baseadas na utilização de jogos específicos de acordo com as habilidades que estavam em defasagem, verifica-se que os estudantes apresentaram avanços na reavaliação, em relação às operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lanuzia Almeida Brum Avila, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Brasil

Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática pela PUCRS. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática; Pesquisadora no GEPED/PUCRS.

Isabel Cristina Machado de Lara, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS

Pós-Doutora em Educação em Ciências e Matemática pela PUCRS. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática; Coordenadora do GEPED/PUCRS.

Referências

AVILA, L. A. B.; LARA, I. C. M. Discalculia: Um mapeamento de artigos brasileiros. Abakós. Minas Gerais, v.6, p. 35-56, 2017.

DSM-5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2014.

FONSECA, V. Abordagem psicopedagógica das dificuldades de aprendizagem. 2. ed. Lisboa: Âncora, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAASE, V. G.; MOURA, R. J.; CHAGAS, P. P.; WOOD, G. Discalculia e Dislexia: Semelhanças Epidemiológica e Diversidade de Mecanismos Neurocognitivos. In: ALVES, L. M; MOUSINHO, R.; CAPELLINI, S. A. (Orgs). Dislexia: Novos temas, novas perspectivas, Publisher: Rio de Janeiro: Wak, 2011, p. 257-282.

HAASE, V. G.; COSTA, D. S.; MICHELLI, L. R.; OLIVEIRA, L. F. S.; WOOD, G. O estatuto nosológico da discalculia do desenvolvimento. In: CAPOVILLA, F. C. (Org). Transtornos de aprendizagem 2: Da análise laboratorial e da reabilitação clínica para as políticas públicas de prevenção pela via da educação, Memnon Edições Científicas: São Paulo, 2011, p. 139-144.

ISLEY, P. Organização Mundial de Saúde - Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 2015. Disponível em: <http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm>. Acesso em 19 de maio de 2015.

KOSC, L. Developmentol Dyscalculia. Journal of Learning Disabilities can be found at, v. 7, n. 3, p.163-177, marc. 1974.

KNIJNIK, L. F.; GIACOMONI, C.; STEIN, L. M. Teste de Desempenho Escolar: um estudo de levantamento. Psico-USF, vol. 18, n. 3, Itatiba, p. 407-416, set./dez. 2013.

LARA, I. C. M. Ensino inadequado de Matemática. Revista Ciências e Letras, n. 35, p. 137-152, mar./jul. 2004.

MOOJEN, S.; COSTA, A. C. Semiologia psicopedagógica. In: ROTTA, N. T.; OHLWEILER, L., RIESCO, R. S. (Orgs). Transtornos da aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar. São Paulo: Artes Médicas, 2006. p. 103-112.

MORAES, R. Análise de Conteúdo: limites e possibilidades. In: ENGERS, M. E. A. (Org). Paradigmas e metodologias de pesquisa em educação. Porto Alegre, EDIPUCRS, 1994.

____. Análise de Conteúdo. Educação-PUCRS, Porto Alegre, ano XXII (37): 7-32, mar. 1999.

OHLWEILER, L. Introdução. In: ROTTA, N. T.; OHLWEILER, L., RIESCO, R. S. (Orgs). Transtornos da aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar. São Paulo: Artes Médicas, 2006. p. 127-130.

RELVAS, M. P. Neurociências e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma Educação Inclusiva. Rio de Janeiro: Wak, 2015.

STEIN, L. M. TDE: Teste de Desempenho Escolar: Manual para aplicação e interpretação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.

VIEIRA, E. Transtornos na aprendizagem da matemática: Número e discalculia. Revista Ciências e Letras, n. 35, p. 109-120, mar./jul. 2004.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

AVILA, L. A. B.; MACHADO DE LARA, I. C. Subteste de aritmética: desempenho de estudantes com indícios de discalculia do desenvolvimento . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 45, p. 1-19, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i45.7207. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7207. Acesso em: 17 set. 2021.