A OCDE E A FORMAÇÃO DOCENTE: a TALIS em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7255

Palavras-chave:

Organismos Internacionais, Formação Docente, TALIS

Resumo

Os organismos internacionais (OI) têm visto na educação a alavanca para o crescimento econômico e no professor, o profissional responsável pela conformação dos indivíduos a essa sociedade dita do conhecimento. Os OI têm realizado pesquisas e elaborado documentos orientadores relativos ao papel do professor, à função da escola e às competências e habilidades necessárias ao desenvolvimento do cidadão do século XXI. O artigo apresenta alguns resultados de uma pesquisa, em curso, financiada pelo CNPq, “Internacionalização da Educação Superior, os Organismos Internacionais e os Impactos nos Programas de Formação de Professores” e tem como foco a OCDE e a TALIS, buscando trazer elementos a propósito da formação docente. A metodologia adotada tem como base o materialismo histórico e dialético, o que permitiu apreender o fenômeno (formação docente) na sua totalidade, examinando-o nas suas contradições e considerando as mediações que o perpassam. Foi feita a análise de discurso (FAIRCLOUGH, 2001), tendo como corpus os documentos da OCDE, considerando a prática discursiva e a prática social expressas nos textos. Os primeiros resultados apontam para a influência da OCDE, nas ações referentes à formação dos docentes. A comunicação será dividida em três momentos: o primeiro faz a caracterização do contexto internacional e os impactos sobre a educação; o segundo analisa a posição da OCDE em relação à educação; e finalmente, serão consideradas as constatações e recomendações que a OCDE fez a partir da TALIS, em relação ao trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Olgaíses Cabral Maués, Universidade Federal do Pará – Brasil

Doutorado em Educação pela Université des Sciences et Techologie, Lille II, França (USTL- Lille II); Pós-Doutorado na Université Laval, Canadá, Universidade Federal de São Carlos, Universidade Federal de Minas Gerais. Professora Titular (aposentada) da Universidade Federal do Pará e Professora Visitante Sênior da mesma Instituição; atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIFAP. Líder do Grupo de Pesquisa GESTRADO/UFPA. Bolsista Produtividade 1d.

Maria da Conceição dos Santos Costa, Universidade Federal do Pará – Brasil

Doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará (UFPA). Docente do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais, Formação e Trabalho Docente (Gestrado/UFPA), Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo (GEPERUAZ). Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física (GEPEF/UFPA).

Downloads

Publicado

2020-09-07

Como Citar

MAUÉS, O. C.; COSTA, M. da C. dos S. A OCDE E A FORMAÇÃO DOCENTE: a TALIS em questão. Práxis Educacional, [S. l.], v. 16, n. 41, p. 99-124, 2020. DOI: 10.22481/praxisedu.v16i41.7255. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7255. Acesso em: 30 nov. 2021.