RURALIDADES ESGARÇADAS E OS MODOS DE GRAFAR A ESCOLA PELAS CRIANÇAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8019

Palavras-chave:

Ruralidades, Narrativas infantis, Escola rural, Ensino Fundamental

Resumo

O texto resulta de uma investigação realizada em uma comunidade rural no sertão da Bahia. Para tanto, moveu-se a partir da seguinte pergunta: o que narram as crianças sobre a experiência de habitar Canudos Velho? Ao longo do estudo buscamos compreender como as crianças tecem suas experiências, atribuem sentidos aos lugares e grafam espaços vividos. Do ponto de vista metodológico, o estudo ancorou-se em pressupostos da pesquisa (auto)biográfica, na vertente da pesquisa narrativa, utilizando-se de narrativas orais de três estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e de observações. A pesquisa revelou que, no contexto investigado, a experiência de habitar o rural é marcada por processos de exclusão e marginalização social, associados à negação de direitos e à ausência de políticas públicas que assegurem melhores condições de vida para os sujeitos. Tal cenário, que exibe o esgarçamento do rural, apresenta elementos emblemáticos para pensar o papel do estado e de políticas que atuem para a transformação dessa realidade, especificamente no tange à escola/educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Martins de Meireles, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – Brasil

Professora Adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação do Campo-PPGEDUCAMPO - Linha 3 - Cultura, Raça, Gênero e Educação do Campo. Doutora e Mestre em Educação e Contemporaneidade pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade, da Universidade do Estado da Bahia (PPGEduC-UNEB). Licenciada em Geografia pela UNEB. Pesquisadora do GRAFHO (Grupo de Pesquisa (Auto)biografia, Formação e História Oral). Pesquisadora do Observatório em Educação do Vale do Jiquiriçá-OBSERVALE/UFRB.

Elizeu Clementino de Souza, Universidade do Estado da Bahia – Brasil

Pesquisador 1C CNPq. Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade, Universidade do Estado da Bahia (PPGEduC-UNEB). Coordenador do Grupo de Pesquisa (Auto)biografia, Formação e História Oral (GRAFHO/UNEB). Pesquisador associado do Laboratorie EXPERICE (Université de Paris 13-Paris 8). Tesoureiro da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica (BIOgraph). Diretor Financeiro da ANPEd (2013-2015) Membro do Conselho de Administração da Association Internationale des Histories de Vie en Formation et de Recherche Biographique en Education (ASIHIVIF-RBE).

Referências

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. 2ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara: 1973.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 13 ed., Petrópolis-RJ: Ed. Vozes, 2011.

BARROS, Manoel de. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

BARROS, Manoel. de. Memórias Inventadas para as crianças: A Segunda Infância. São Paulo: Planeta do Brasil, 2006.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Benjamin, W. Magia e Técnica, Arte e Política - ensaios sobre literatura e história da cultura (197-221). Tradução de Sergio Paulo Rouanet. Obras escolhidas, volume I, 4ª edição, São Paulo: Editora Brasiliense, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Resolução CNE/CEB 1, 2002.

CERISARA, Ana Beatriz. Em busca do ponto de vista das crianças nas pesquisas educacionais: primeiras aproximações. In SARMENTO, Manuel Jacinto. CERISARA, Ana Beatriz. Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Lisboa: Asa editores, 2004, p. 35-54.

CERTAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORSARO, William.A. Sociologia da infância. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELORY-MOMBERGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Tradução de Anne-Marie Milon Oliveira. Revista Brasileira de Educação, 17(51), 523-536, 2012. http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n51/02.pdf

FERNANDES, B.M. Diretrizes de uma caminhada. In: ARROYO, M.G; CALDART, R.S.; MOLINA, M.C. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 133- 145.

GENTILI, Pablo; MC COWAN, Tristan (Org.). Reinventar a Escola Pública: política educacional para um novo Brasil. Petrópolis: Vozes, 2003. GONÇALVES. G.B.B. (2010). Nucleação das escolas rurais. In Oliveira, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação. http://gestrado.net.br/?pg=dicionario-verbetes

GOODSON, Ivor. Currículo, narrativa e o futuro social. Tradução: Eurize Caldas Pessanha e Marta Banducci Rahe. Revisão técnica: Elizabeth Macedo. Revista Brasileira de Educação. 12(35), 241-252, 200. http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a05v1235.pdf

GRAZIANO DA SILVA, J. O novo rural brasileiro. Campinas: Unicamp/Instituto de Economia, 1998.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo – parte I. (trad. Marcia Sá C. Schuback) 12 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Censo Escolar: resumos técnicos. Brasília: MEC/INEP, 2014. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2014/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2014.pdf

PASSEGGI, Maria; NASCIMENTO, Gilcilene; OLIVEIRA, Roberta de. As narrativas autobiográficas como fonte e método de pesquisa qualitativa em Educação. Revista Lusófona de Educação, 33, 111-125, 2016. Disponível em: File:///C:/Users/Elizeu/Downloads/5682-Texto%20do%20artigo-17958-1-10-20161205.Pdf

SARMENTO, Manuel Jacinto & PINTO, Manuel. As crianças e a infância: Definindo conceitos, delimitando o campo. En PINTO, M. y SARMENTO, M. J. (orgs.): As crianças: Contextos e identidades. Braga: Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 1997, p. 9-30.

PINTO, M. & SARMENTO, M. J. (Org.). As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando campos. In: As crianças: contexto e identidades. Braga, Portugal: Centro de Estudos da Criança,

RICOEUR, Paul. Teoria da interpretação. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1976.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo, Biotempo, 2015.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: EdUSP, 1994.

SCHALLER, Jean Jacques.. (2008). Lugares aprendentes e a inteligência coletiva: rumo à constituição de um mundo comum. In PASSEGGI, M.C. e SOUZA, E.C. (Orgs.). (Auto)Biografia: formação, territórios e saberes. Natal, EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2018, p. 67-84.

SILVA, Ana Paula Soares da; FELIPE, Eliana da Silva; RAMOS, Márcia Mara. Infâncias do Campo. In: CALDART, Roseli Salete [et al] (orgs). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Escola, Expressão Popular, 2012, p. 417-424.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Tradução Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 1983.

Downloads

Publicado

2021-02-01