UM TRABALHO PELA VIDA: NARRATIVA DE SI CONTRA A COISIFICAÇÃO DOS CORPOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8020

Palavras-chave:

Narrativas, Potência, Vida

Resumo

Esse artigo é um esforço teórico construído a partir de deslocamentos provocados por narrativas produzidas durante as pesquisas no contexto do Grupo de Pesquisa Subjetividades e (auto)biografias e que revelam situações de vulnerabilidade e precariedade da vida. Trata-se de pensar as narrativas como uma das formas de expressão de potência no trabalho pela vida. Entendendo que o trabalho pela vida consiste em lutar contra uma coisidade completa. O argumento construído tem sua fundamentação em Mbembe (2018a; 2018b; 2018c), para pensar as condições pelas quais as vidas são submetidas na lógica neoliberal. Mas não só, em termos epistemológicos as leituras de Mbembe (2018a) disparam reflexões da psicanálise e corroboram para evidenciar o engendramento dos lugares de potência das narrativas nos processos formativos. Sobretudo, essa aposta também é política uma vez que problematiza um sistema que produz a coisificação da vida e transforma humanos em “criptas vivas do capital”, como nomeia Mbembe. O argumento é um elogio as narrativas como amálgama dos imaginários fantasmagóricos – que faz consistir no sujeito que narra – e o simbólico como um “poder noturno” – que o faz existir. Ou seja, a organização da linguagem e da memória como capacidade performática do corpo em metamorfose para (ex)istir, ou existir em um fora. Dessa forma, as narrativas ao dar a ver o sujeito que narra, revelam um lugar fulcral da potência vital, que coincide com a formação de si, quais seja, um entre “o poder noturno” e o “mundo fantasmal” nas palavras de Mbembe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel ALS Venera, Universidade da Região de Joinville – Brasil

Doutora em Educação pela Unicamp; Pós-doutorado em Educação pela Université Lille3. Professora do Programa de Pós-graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade e Curso de História, ambos da Universidade da Região de Joinville, Univille – Joinville, SC. Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa Subjetividades e (auto)biografias, Univille e vice-líder do Grupo de Pesquisa Memória e Identidade: ativismos e políticas, UFBA.

Referências

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MBEMBE, Achille. Réquiem para o escravo. In: ______, Crítica da razão negra. Tradução Sebastião Nascimento. Paris: La Découverte, 2013; 2015; São Paulo: n-1, 2018a.

MBEMBE, Achille. Necropolítica, Tradução Renata Santini. São Paulo, 2018b.

MBEMBE, Achille. O fardo da raça. Entrevista de Arlette Fargeau e Catherine Portevin. São Paulo, 2018c.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. In: ______, Obras Completas de S. Freud, v. 14. Tradução J. P. Porto Carrero. Rio de Janeiro: Delta, 1958.

TANSI, Sony Labou. La vie et demie. Paris: Honoré Champion, 1979.

TUTUOLA, Amos. The Palm Wine Drinkard. United States: Grove Prees, 1953.

______. My life in the Bush of ghosts. United States: Grove Prees, 1954.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Venera, R. A. . (2021). UM TRABALHO PELA VIDA: NARRATIVA DE SI CONTRA A COISIFICAÇÃO DOS CORPOS. Práxis Educacional, 17(44), 1-17. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8020