INVESTIGAÇÃO BIOGRÁFICA E ANÁLISE COM SOFTWARE: COOPERAÇÃO, EMPODERAMENTO, (DES)ENVOLVIMENTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8021

Palavras-chave:

Investigação biográfica, Cooperação, Desenvolvimento

Resumo

Neste artigo discutimos algumas questões em torno da investigação biográfica, baseando-nos na que temos desenvolvido, quer na formação de professores, quer com jovens estudantes ou com adultos em situação de vulnerabilidade. Argumentamos, num primeiro momento, sobre a centralidade, atualidade e importância de narrativas e histórias de vida no campo educacional. Assumem-se como fundamentais, numa investigação contemporânea, porque: epistemologicamente ancoradas, ao permitirem construir conhecimento centrado em experiência humana compartilhada; teoricamente sustentadas, ao contemplar o espaço/tempo do vivido e uma compreensão humanizada na produção de conhecimento; metodologicamente implicadas, ao serem coerentes e hábeis na promoção da mudança, com socialização do poder entre os diferentes participantes, aqui entendidos sujeito e investigador. Em seguida, discorremos sobre a relevância de uma investigação biograficamente orientada no desenvolvimento dos sujeitos, incluindo os investigadores. Para tanto, explicitaremos os entendimentos sobre a cooperação, as necessárias coerências entre o objeto de estudo, a metodologia e inerentes questões éticas. Defendemos, igualmente, uma utilização adequada de software de análise. Ilustra-se, então, um processo de análise de narrativas, deixando sobressair relações emergentes e cooperadas construções de sentidos, assim como destacamos avanços teórico-metodológicos coadjuvados pelo NVIVO. Compreendendo que percursos investigativos biograficamente orientados podem ser, em si mesmos, promotores de mudanças, sustentadas e sustentáveis, de quem participa na investigação e dos quotidianos que habitamos. Defende-se, enfim, que os processos de produção das narrativas e as opções de análise podem constituir-se em propostas e avanços teórico-metodológicos, se o rigor da interpretação e a profundidade da reflexão entre sujeitos forem acautelados e adequadamente socializados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Conceição Leal da Costa, Universidade de Évora – Portugal

Doutora em Ciências da Educação. Docente do Departamento de Pedagogia e Educação da Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora (UE). Investigadora do Centro de Investigação e Educação e Psicologia (CIEP|UE) – Portugal.

João Paulo Oliveira, Instituto Federal de Rio Grande do Norte – Brasil / Universidade de Évora – Portugal

Doutor em Ciências da Educação. Instituto Federal de Rio Grande do Norte (Brasil). Investigador do Centro de Investigação e Educação e Psicologia (CIEP|UE) – Portugal.

Isabel Cavas, Universidade de Évora – Portugal

Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidade de Évora (UE). Colaboradora do Centro de Investigação e Educação e Psicologia (CIEP|UE) – Portugal. Bolsista da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Referências

AFONSO, N. Investigação naturalista em educação: um guia prático e crítico. Vila Nova de Gaia: Fundação Manoel Leão, 2014.

ARAÚJO, R. M. de L., RODRIGUES, D. do S., & SILVA, G. P. da. Ensino integrado como projeto político de transformação social. Trabalho & Educação, v. 23, nº 1, p. 161–186, 2014. Consultado em fev. 2017. Disponível em https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9302.

BOGDAN, R., & BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRUNER, J. The Process of Education. Cambridge: Harvard University Press, 1999.

BARBOSA, E. F., GONTIJO, A. D. F., & SANTOS, F. F. dos. O Método de Projetos na Educação Profissional: ampliando as possibilidades na formação de competências. Educação Em Revista, nº 40, p. 187–212, 2004. Consultado em fev. 2019. Disponível em http://www.tecnologiadeprojetos.com.br/banco_objetos/%7B9D658D0F-F54C-4741-A0E6-F85921673FF0%7D_metodo%20de%20projeto.pdf.

CARVALHO, F. G. B., & SÍVERES, L. A dinâmica motivacional no processo de aprendizagem na extensão universitária. In L. Síveres (Ed.), A extensão universitária como um princípio de aprendizagem, p. 37–58. Liber Livro, 2013.

COSTA, L. da. & NUNES, S. Tornar-se educadora/professora – palavras que contam como foi! Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 25, nº 47, p. 119-136, 2016.

CORTINA, A. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores. Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

DELORS, J., Al-MUFTI, I., AMAGI, I., CARNEIRO, R., CHUNG, F., GEREMEK, B., GORHAM, W., KORNHAUSER, A., MANLEY, M., QUERO, M. P., SAVANÉ, M., SINGH, K., STAVENHAGEN, R., SUHR, M.W., NANZHAO, Z. Educação: Um Tesouro a Descobrir. Brasília: Unesco, 2010.

DELORS, J., AL-MUFTI, I., AMAGI, I., CARNEIRO, R., CHUNG, F., GEREMEK, B., GORHAM, W., KORNHAUSER, A., MANLEY, M., QUERO, M. P., SAVANÉ, M., SINGH, K., STAVENHAGEN, R., SUHR, M.W., NANZHAO, Z. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Séc. XXI. Unesco da Comissão Internacional sobre Educação. São Paulo: Cortez, 1998.

DENZIN, N. & LINCOLN, Y. S. The Sage handbook of qualitative research. 3. ed. London: Sage Publications, 2005.

DELORY-MOMBERGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, v. 17, nº 51, p. 523-536, 2012.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Brasil: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 2005.

FERRAROTTI, F. Sobre a ciência da incerteza. O método biográfico na investigação em ciências sociais. Mangualde: Edições Pedago, 2013.

FLICK, U. Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Monitor, 2005.

FONTANA, A., & FREY, J. The interview: from neutral stance to political involvement. In N. Denzin & Y. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research, p. 695–727. Thousand Oaks; London; New Delhi: Sage Publications, 2005.

GOODSON, I. F. Conhecimento e vida profissional. Estudos sobre educação e mudança. Porto: Porto Editora, 2008.

GRAY, D. Pesquisa no mundo real. 2ª ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

JOSSO, M. C. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação, v. 3, nº 63, p. 413-438, 2007.

JOVCHELOVITCH, S., & BAUER, M. W. Entrevista narrativa. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.) Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual pratico, p. 90-113). Petrópolis-RJ: Vozes, 2002.

KAMII, C. A autonomia como finalidade da educação: implicações da Teoria de Piaget. In A criança e o número. 29. ed., p. 103–124. Campinas: Papirus, 2002.

MACHADO, N. J. Educação: projetos e valores. 6. ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

MARTINS, E. C. A escola como espaço gerador de cultura “de” e “para” a cidadania. Plures Humanidades, nº 12, p. 12-31, 2009. Consultado em mar. 2018. Disponível em https://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/834/1/EM_ Plures 12.pdf.

MOURA, D. H., & PINHEIRO, R. A. Currículo e formação humana no ensino médio técnico integrado de jovens e adultos. Em Aberto, v. 22, nº 82, p. 91-108, 2009. Consultado em fev. 2017. Disponível em http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2450.

MOURA, D. H. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: Dualidade Histórica e Perspectivas de Integração. Holos, v. 2, nº 23, p. 4–30, 2007. Consultado em fev. 2017. Disponível em http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/11/110.

MUYLAERT, C. J., SARUBBI, V. J., GALLO, P. R., LEITE, M., & NETO, R. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, nº Esp 2, p. 193–199, 2014. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800027

NUSSBAUM, M. C. Crear capacidades. Barcelona: Book Print, 2012.

PASSEGGI, M. C. A experiência em formação. Educação, v. 34, nº 2, p. 147-156, 2011.

PACHECO, E. Institutos Federais uma Revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Brasília; São Paulo: Fundação Santillana; Editora Moderna, 2011.

PINEAU, G. As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. Educação e Pesquisa, v. 32, nº 2, p. 329-343, 2006.

RAMOS, M. Concepção do ensino médio integrado. In Seminário sobre Ensino Médio, p. 1-30, 2008. Rio Grande do Norte: Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte. Consultado em mar. 2017. Disponível em https://tecnicadmiwj.files.wordpress.com/2008/09/texto-concepcao-do-ensino-medio-integrado-marise-ramos1.pdf

ROGERS, C. Tornar-se pessoa. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

STAKE, R. A arte de investigação com estudos de caso. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012.

SZYMANSKI, H., ALMEIDA, L. R. de, & PRANDINI, R. C. A. R. A entrevista na educação: a prática reflexiva. Brasília: Liber Livro, 2011.

SARMENTO, T. Formação de professores para uma sociedade humanizada. Revista de Educação PUC-Campinas, v. 22, nº 2, p. 285-297, 2017.

SARMENTO, T. Histórias de vida de educadoras de infância. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2002.

UBAQUE, D. F. & CASTAÑEDA-PEÑA, H. Teacher research: uncovering professional identities and trajectories of teacher researchers through narrative research-a colombian case. International Education Studies-Canadian Center of Science and Education, v. 10, nº 3, p. 35-45, 2017.

VIEIRA, R. Identidades, histórias de vida e culturas escolares: contribuições e desafios para a formação de professores. In Seminário de Educação “Memórias, histórias e formação de professores”, 3., 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: 2007. p. 1-17, 2007.

VILELAS, J. Investigação: o processo de construção do conhecimento. 2. ed. Lisboa: Edições Sílabo, 2017.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

YIN, R. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Costa, C. L. da ., Oliveira, J. P. ., & Cavas, I. . (2021). INVESTIGAÇÃO BIOGRÁFICA E ANÁLISE COM SOFTWARE: COOPERAÇÃO, EMPODERAMENTO, (DES)ENVOLVIMENTO . Práxis Educacional, 17(44), 1-22. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8021