HISTÓRIAS DE VIDA E FORMAÇÃO DE CUIDADORAS DE IDOSOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8025

Palavras-chave:

Formação, Histórias de Vida, Cuidadoras de Idosos

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre histórias de vida de cuidadoras de idosos, enquanto método de investigação em si mesmo e como modalidade (auto)formativa em contexto profissional. Num processo de construção de histórias de vida partilhamos do rememorar de pedaços de vida individuais, que se tornam formativamente significativos para narradores, bem como para o investigador que assim pode questionar modalidades novas de concretização epistemológica. O artigo baseia-se num processo investigativo com cuidadoras de pessoas da terceira idade. O escutar as suas vozes constitui, à partida, o reconhecimento pelo valor da sua vida, o que releva a pertinência política das histórias de vida no campo pessoal, bem como da investigação enquanto manifestação do entendimento de cada sujeito como participante no processo de construção de conhecimento social. A produção oral, realizada durante a entrevista dos atores sociais que se narram, permite uma entrega do sujeito à sua própria história, enaltecendo aquela que é a sua identidade e transmitindo-a, aos poucos, ao investigador. A vida individual é uma expressão criadora que, quando tornada conhecida aos ouvidos e análise do investigador, tende a criar interpretações polissémicas e questionamentos, potenciando novas possibilidades formativas e epistemológicas. Os resultados do estudo mostraram que as histórias de vida serviram três importantes dimensões: 1) a auto consciencialização e autoformação das participantes, 2) o nosso acesso, enquanto formadoras-investigadoras, ao conhecimento das mesmas e 3) o valor epistémico das histórias de vida no campo de conhecimento de profissionais do humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mónica Araújo, Universidade do Minho – Portugal

Mestre em Educação, na vertente de Formação, Trabalho e Recursos Humanos; Universidade do Minho (UM).

Teresa Sarmento, Universidade do Minho – Portugal

Doutora em Estudos Socio Educativos, pela Universidade do Minho, Braga, Portugal. Professora Auxiliar do Departamento de Ciências da Educação, Investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança, Instituto de Educação, Universidade do Minho.

Referências

ANSART, Pierre. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella & NAXARA, Márcia (orgs.). Memória e (res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001. p.15-36.

APPEL, Michael. La entrevista (auto)biográfica narrativa: Fundamentos teóricos y la praxis del análisis mostrada a partir del estudio de caso sobre el cambio cultural de los Otomíes en México. Forum: Qualitative Social Research, vol. 6, n. 2, artigo 16. 2005. 35p. ISSN 1438-5627. PDF.

ARAÚJO, Mónica. Os Contributos das Histórias de Vida de Colaboradoras na Prática Profissional com Idosos. 187f. Dissertação (Mestrado em Educação – Formação, Trabalho e Recursos Humanos). Universidade do Minho, Gualtar, Braga, 2019.

BRANDÃO, Ana Maria. Entre a vida vivida e a vida contada: A história de vida como material primário de investigação sociológica. Universidade do Minho, Braga, 2007.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projeto. Educação e Pesquisa, n.3. São Paulo, 2006. 12p. ISSN 1517-9702.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970. 107p.

GUTERRES, António. Relatório com análises e recomendações para enfrentar desafios. ONU. https://news.un.org/pt/story/2020/05/1712232. Acessado em 30 de setembro de 2020.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de Vida e Formação. 2. ed. São Paulo: Editora da UFRN, 2010.

LECHNER, Elsa (org). Histórias de vida: olhares interdisciplinares. Porto: Edições Afrontamento, 2009.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, n.37. Porto Alegre, 1999. 35p. PDF.

PINEAU, Gaston. As Histórias de Vida em Formação: Génese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. Vol. 32, n.2. São Paulo, 2006. 14p

POLLACK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Vol. 5, n. 10. Rio de Janeiro, 1992. 12p.

PRADO, Guilherme do Val Toledo & SOLIGO, Rosaura. (org.). Memorial de Formação – quando as memórias narram a história da formação. In: PRADO, G. & SOLIGO, R. (Org.). Porque escrever é fazer história: revelações, subversões, superações. Campinas: Alínea, 2005. p. 42-60.

RIBEIRO, Maria & Santos Rosângela (2000). O método “história de vida” e seu uso em pesquisa de enfermagem com gestante HIV positivo. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem nº 1. Págs. 46-54.

RICOEUR, Paul. A Metáfora Viva. Porto: Rés-Editora, 1983

SARMENTO, Teresa. Histórias de vida de educadoras de infância. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2002.

SEIXAS, Jacy Alves de. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella & NAXARA, Márcia (orgs.). Memória e (res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas, SP, Editora da Unicamp: 2001. p. 37-58

TONON, Luciane. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. In: RUBIO, Katia (org.), A narrativa como linguagem na construção da memória. São Paulo, Képos: 2006. P. 121-135

KÖTTIG, Michaela & Völter, Bettin. “Isso, sim, é ser sociólogo!” - Uma entrevista narrativa com Fritz Schütze sobre a história de sua obra na sociologia. Civitas – Revista de Ciências Sociais, nº2. Porto Alegre, 2014. 22p. ISSN 1984-7289. PDF.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Araújo, M., & Sarmento, T. (2021). HISTÓRIAS DE VIDA E FORMAÇÃO DE CUIDADORAS DE IDOSOS. Práxis Educacional, 17(44), 1-20. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i44.8025