Cartografia das intensidades: pesquisa e método em esquizoanálise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8392

Palavras-chave:

esquizoanálise, filosofia da diferença, Psicologia

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a obra de Gilles Deleuze e Félix Guattari, para discutir alguns conceitos que contribuam para a pesquisa em ciências humanas. O método realizado foi uma análise da obra publicada de Deleuze e Guattari, de comentadores e de pesquisadores brasileiros sobre a cartografia. Encontramos diversos conceitos que podem contribuir para a pesquisa em ciências humanas. Selecionamos três para a análise: a cartografia, a perspectiva háptica e a lógica das intensidades. Concluímos que um método de pesquisa esquizoanalítico opera mais com um plano de abertura, em construção, uma torção da sensibilidade e as intensidades que irrompem, ao invés de sistemas totalizados e os índices de frequência de aparição de determinado elemento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Domenico Hur, Universidade Federal de Goiás – Brasil

Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia Social pela USP, com pós-doutorado na Universidad de Santiago de Compostela. Professor Associado da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (Goiânia/GO). Membro do CRISE – Núcleo de Estudos e Pesquisas Crítica, Insurgência, Subjetividade, Emancipação. Bolsista PQ-2 – CNPq

Referências

BAREMBLITT, Gregorio. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: Teoria e prática. Rio de Janeiro: Record, 1986.

BAREMBLITT, Gregorio. Introdução à esquizoanálise. Belo Horizonte: Editora Instituto Félix Guattari, 1998.

BARROS, Laura Pozzana de; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCÓSSIA, Liliana (orgs.). Pistas do método da cartografia (p. 32-52). Porto Alegre: Sulina, 2010.

DELEUZE, Gilles. Empirismo e Subjetividade: Ensaio sobre a natureza humana segundo Hume [1953]. São Paulo: Ed. 34, 2001.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia [1962]. Rio de Janeiro: Rio - Sociedade Cultural, 1976.

DELEUZE, Gilles. O bergsonismo [1966]. São Paulo: Ed. 34, 1999.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição [1968a]. São Paulo: Brasiliense, 2006.

DELEUZE, Gilles. Spinoza et le problème de l’expression. Paris: Minuit, 1968b.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido [1969]. São Paulo: Perspectiva, 2003.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: Filosofia Prática [1981]. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica [1993]. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. Pintura: el concepto de diagrama. Buenos Aires: Cactus editorial, 2007.

DELEUZE, Gilles. El poder: curso sobre Foucault (Tomo 2). Buenos Aires: Cactus editorial, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Capitalismo e Esquizofrenia: O Anti-Édipo [1972]. São Paulo, Ed. 34, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor [1975]. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Política y psicoanálisis [1977]. Ciudad de México, DF: Terra Nova, 1980.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia [1980a], vol. 1. São Paulo: Ed. 34, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia [1980b], vol. 3. São Paulo: Ed. 34, 1996.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia [1980c], vol. 4. São Paulo: Ed. 34, 1997.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1996.

FOUCAULT, Michel. Theatrum philosophicum. Barcelona: Anagrama, 1995.

FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles Os intelectuais e o poder: Conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. In FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

GUATTARI, Félix. Cartografías Esquizoanalíticas [1989]. Buenos Aires: Manantial.

HUR, Domenico Uhng. Psicologia, política e esquizoanálise. Campinas: Alínea, 2018.

HUR, Domenico Uhng. Desejo e política em Deleuze: máquinas codificadora, neoliberal, neofascista e esquizodramática. POLIÉTICA. Revista de Ética e Filosofia Política, vol. 8, n. 2, p. 173-202, 2020. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/PoliEtica/article/view/50130/34280>. Acesso em 03 abr. 2021.

KUROSAWA, Akira. Sonhos. 1990.

LANS, Alfonso. El esquizoanálisis: una clínica en movimiento. Montevideo: Multiplicidades, 2003.

LAPASSADE, Georges. Grupos, Organizações e Instituições. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

LOURAU, René. A análise institucional. Petrópolis: Vozes, 1975.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCÓSSIA, Liliana (orgs.). Pistas do método da cartografia. Porto Alegre: Sulina, 2010.

PASSOS, Eduardo; Barros, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCÓSSIA, Liliana (orgs.). Pistas do método da cartografia (p. 17-31). Porto Alegre: Sulina, 2010.

PASSOS, Eduardo; EIRADO, André do. Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCÓSSIA, Liliana (orgs.). Pistas do método da cartografia (p. 109-130). Porto Alegre: Sulina, 2010.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; TEDESCO, Silvia (orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum – Volume 2. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PICHON-RIVIÈRE, Enrique. O Processo Grupal. São Paulo, Martins Fontes, 1982.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental. São Paulo: Hucitec, 1989.

ROLNIK, Suely. Psicologia: subjetividade, ética e cultura. Saúdeloucura, 6: Subjetividade. São Paulo: Hucitec, 1997.

TEDESCO, Silvia Helena; SADE, Christian; CALIMAN, Luciana Vieira. A entrevista na pesquisa cartográfica: a experiência do dizer. Fractal, Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 299-322. https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200006.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Sinergia: Ediouro, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

HUR, D. Cartografia das intensidades: pesquisa e método em esquizoanálise . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8392. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8392. Acesso em: 26 set. 2021.