“Ser professor de química é”: percepções sobre docência e o seu papel social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8653

Palavras-chave:

Educação Química, Formação de Professores, Ser professor é

Resumo

A interface dialógica entre a universidade e as escolas de Educação Básica é um espaço-tempo investigativo privilegiado para a formação docente. É neste campo inter relacional que acontece a necessária fusão entre os construtos do conhecimento acadêmico e o universo escolar, pois é no contato entre os pares que os licenciandos se identificam e se reconhecem como profissionais do ensino. Em face ao exposto, apresentamos neste artigo os resultados de uma pesquisa sobre Ser professor de Química realizada com sete estudantes de um curso de licenciatura de uma universidade baiana. O grupo investigado respondeu ao questionamento sobre Ser professor de Química, trazendo suas justificativas. As expressões elencadas foram submetidas à aplicação Web WordClouds, para criação da nuvem de palavras, evidenciando as evocações mais expressivas. O resultado obtido evidenciou os termos Conhecimento, Ensino, Ciência e Autonomia. Conforme Bardin, realizamos a análise de conteúdo das justificativas de todos os termos elencados pelos licenciandos emergindo as categorias Ciência e Sociedade, Ambiente físico e Profissionalização. Dos resultados encontrados podemos concluir que este grupo percebe a importância da formação pedagógica realizada no intercâmbio entre a universidade e a escola caracterizando o papel social da docência e da profissionalização docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Marcelo Silva Bortolai, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Ensino de Ciências (PIEC/USP). Professora de Ensino de Química do CFP/UFRB. Integrante do grupo de pesquisa LieQui (PIEC/USP) e vice-lider do RESSONAR (CFP/UFRB).

Rafaela Santos Lima, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutoranda em Ensino, Filosofia e História das Ciências (PPGEFHC/UFBA). Coordenadora Pedagógica da FAESB. Participa dos grupos de pesquisa PEQUI (UFRB), RESSONAR (UFRB) e do GEPEQS (UESB).

Franklin Kaic Dutra-Pereira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Brasil

Um dos Doutores mais jovem do Brasil em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM/UFRN). Curriculista das Ciências/Química. Professor de Ensino de Química do CFP/UFRB. Líder do RESSONAR. Integrante do GEPPC/UFPB. Diretor de comunicação da SBEnQ. Sócio da ABRAPEC.

Referências

ALBINO, Ângela. Currículo e autonomia docente: enunciações políticas. Curitiba: Appris, 2018.

AZEVEDO, Maicon; SELLES, Sandra; LIMA-TAVARES, Daniele. Relações entre os movimentos reformistas educacionais do ensino de ciências nos Estados Unidos e Brasil na década de 1960. Educ. foco, v. 21 n. 1, p. 237-257 mar. 2016 / jun. 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília: MEC/CNE. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. MEC/CNE. 2020.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 10. ed., São Paulo: Cortez, 2011.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto, 1994.

DUBAR, Claude. A Construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cadernos de Pesquisa. v.42 n.146 p.351-367 maio/ago. 2012.

DUBAR, Claude. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

DUTRA-PEREIRA, Franklin Kaic. Aventuras do contar(se): narrativas da formação de professores de química à distância. Orientador: Carlos Neco da Silva Júnior. 2019. 198 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

MALDANER, Otavio Aloisio. A pós-graduação e a formação do educador químico. In: ROSA, Maria Inês Petrucci.; ROSSI, Adriano Vitorino. (orgs). Educação Química no Brasil: memórias, políticas e tendências. 2. ed. Campinas: Editora Átomo, 2012. p. 269-288. 294p.

MALDANER, Otávio Aloisio. A formação inicial e continuada de professores de química professor/pesquisador. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2000. (Coleção educação em química).

PIMENTA, Selma G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G.(Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8. ed., São Paulo: Cortez, 2012, p. 19-26.

RIBEIRO, M. E. M.; SPECHT, C. C.; PONTALTI, L. C.; RAMOS, M. G. A contribuição do PIBID na formação de novos professores de Química. REDEQUIM, Recife, Matinhos, v. 2, n. 1, p. 102-106, 2016.

RODRIGUES, Larissa Zancan; PEREIRA, Beatriz; MOHR, Adriana. O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. RBPEC 20, 1–39, 2019.

ROSA, Maria Inês Petrucci; OLIVEIRA, Ana Carolina Garcia de; PAVAN, Adriana Cristina; CORRADI, Dulcelena Peralis. Formação de professores de Química na perspectiva da cultura: reflexões sobre a noção de identidade profissional. In: ROSA, Maria Inês Petrucci; ROSSI, Adriana Vitorino (orgs). Educação Química no Brasil: memórias, políticas e tendências. 2 ed. Campinas: Átomo, 2012. p. 146-159. 294p.

ROSA, Maria Inês Petrucci. Investigação e Ensino: articulações e possibilidades na formação de professores de Ciências. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2004.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

BORTOLAI, M. M. S.; LIMA, R. S.; DUTRA-PEREIRA, F. K. “Ser professor de química é”: percepções sobre docência e o seu papel social . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-19, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8653. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8653. Acesso em: 19 set. 2021.