Formação de professores a partir das práticas inclusivas e design universal para aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8759

Palavras-chave:

Design Universal para Aprendizagem, Desenvolvimento profissional docente, Práticas de ensino inclusivas

Resumo

O presente artigo apresenta resultados de uma pesquisa de mestrado em educação que coloca em questão a formação docente no campo da educação inclusiva. Parte da seguinte pergunta investigativa: quais são as contribuições do Design Universal para Aprendizagem (DUA), ou Universal Design for Learning, em inglês, à formação continuada de professores para as práticas da educação especial e inclusiva? Com abordagem qualitativa, por meio de método que combinou a pesquisa narrativa e pesquisa de desenvolvimento, o objetivo foi analisar como os princípios do DUA, aplicados à formação docente, podem contribuir para as práticas inclusivas na escola. Participaram da pesquisa seis professoras atuantes nos anos iniciais do ensino fundamental em uma rede pública na região do ABCD paulista. Os resultados mostraram a importância de a formação partir das práticas cotidianas dos professores, valorizando seus saberes e fazeres na articulação com novos conhecimentos teóricos (no caso, o DUA) para subsidiar as análises e reflexões acerca das práticas de ensino no contexto da educação especial na perspectiva inclusiva. Insere-se no âmbito do projeto regular N. 2017/20862-8, FAPESP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana de Jesus Arroio Agostini, Universidade Municipal de São Caetano - Brasil

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Municipal de São Caetano (USCS). Trabalha como professora de educação básica na Prefeitura Municipal de Santo André, São Paulo. Membro do grupo de pesquisa ACESSI (Acessibilidade escolar e inclusão social).

Elizabete Cristina Costa Renders, Universidade Municipal de São Caetano - Brasil

Pós-Doutora e Doutora em Educação na área de Ensino e Práticas Culturais pela UNICAMP. Trabalha com a formação de professores no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul. É líder do grupo de pesquisa ACESSI (Acessibilidade escolar e inclusão social).

Referências

ANDRÉ, M. Formar o professor pesquisador para um novo desenvolvimento profissional. In: ANDRÉ, M. (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. São Paulo: Papirus, 2016. p. 17-34.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Salto para o futuro: educação especial: tendências atuais. Brasília: MEC / SEED, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília: MEC / SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação / Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 9 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.º 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. 2009b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em 10 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Estudo sobre a lei do piso salarial. 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10241-estudo-sobre-lei-piso-salarial. Acesso em: 12 nov. 2019.

CARVALHO, R. E. Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2014.

CAST. Top 10 UDL Tips for Developing Learning Goals. 2015. Disponível em: http://castprofessionallearning.org/wp-content/uploads/2015/09/CAST-Professional-Learning-udl_top_10_learning_goals.pdf. Acesso em: 3 ago. 2020.

CAST. Universal Design for learning guidelines version 2.2. Massachusetts, 2018. Disponível em: http://udlguidelines.cast.org/. Acesso em: 16 jul. 2019.

CAST. UDL tips for assessment. Wakefield, 2020. Disponível em: http://www.cast.org/publications/2020/udl-tips-assessments. Acesso em: 25 nov. 2020.

COSTA-RENDERS, E.C. A escola inclusiva na perspectiva das pessoas com deficiência. Cad. Pesq., São Luís, v. 25, n. 3, jul./set. 2018. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/9950. Acesso em: 5 mar. 2020.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. Trad. MELLO, K. S. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d´Água, 1997.

MACHADO, R. Educação inclusiva: revisar e refazer a cultura escolar. In: MANTOAN, M. T. E. (org.). O desafio das diferenças nas escolas. Rio de Janeiro: Vozes, 2011, p. 69-75.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MANTOAN, M. T. E. Ensinando a turma toda: as diferenças na escola. In: MANTOAN, M. T. E. (org.). O desafio das diferenças nas escolas. Rio de Janeiro: Vozes, 2011, p. 59-67.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão, diferença e deficiência: sentidos, deslocamentos, proposições. Inc. Soc., Brasília, v. 10, n. 2, p.37-46, jan./jun. 2017. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/download/4030/3366. Acesso em: 10 jan. 2020.

MANTOAN, M. T. E (org.). Em defesa da Política Nacional na Perspectiva da Educação Inclusiva: análise e manifestação sobre a proposta do Governo Federal de reformar a PNEEPEI (MEC/2008). Campinas: Leped / FE-Unicamp, 2018. Disponível em: https://inclusaoja.files.wordpress.com/2018/05/texto-de-anc3a1lise-dos-slides-sobre-a-reforma-da-pneepei-final1.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

MARCELO, C. G. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Form. Doc. – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 11- 49, ago./dez. 2010.

MARINO, V. G. O. Educação e pessoas com deficiência: a transitoriedade entre a universalização e a focalização. 2017. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MELRO, J. J. Escola Inclusiva: uma história de amor (nem) sempre bem contada. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2003.

MEYER, A.; ROSE, D.; GORDON, D. Universal Design for Learning: theory and practice. EUA: CAST, 2014. Disponível em: http://udlguidelines.cast.org/. Acesso em: 16 jul. 2019.

NÓVOA, A. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. Sindicato dos professores de São Paulo, São Paulo: SINPRO/SP, 2006, p. 5-20. Palestra. Disponível em: http://www.sinprosp.org.br/arquivos/novoa/livreto_novoa.pdf. Acesso em: 12 abr. 2019.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

PIMENTA, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 2012.

PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral da Educação. Para uma Educação Inclusiva: manual de apoio à prática. Lisboa: ME / DGE, 2018. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf. Acesso em: 30 mar. 2020.

ROSE, M.; MEYER, A. A practical reader in Universal Design for Learning. Cambridge: Harvard Education Press, 2006.

ROSE, T. The end of average: how we succeed in a world that values sameness. San Francisco: HarperOne, 2016. E-book Kindle.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Rio de janeiro: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

AGOSTINI, A. de J. A.; RENDERS, E. C. C. Formação de professores a partir das práticas inclusivas e design universal para aprendizagem . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8759. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8759. Acesso em: 26 set. 2021.