Padronização curricular, padronização da formação docente: desafios da formação pós-BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8915

Palavras-chave:

BNCC, Formação Docente, Parcerias Público-privadas

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar o processo de padronização curricular imposto pela BNCC e as decorrentes propostas curriculares dessa padronização para os cursos de formação inicial de professores. Muitos desafios estão postos para os projetos de formação docente pós-BNCC, ampliados com a situação de pandemia que determinou um avanço do uso das tecnologias na educação, do ensino remoto e da expansão do ensino híbrido. O setor de produção de plataformas e tecnologias digitais ingressou no campo educacional de modo intenso aproveitando o período da pandemia Covid-19 para se expandir na educação. O texto pretende demonstrar que as políticas de formação nesse contexto são expressões locais de um movimento de reforma educacional global – GERM. A disseminação viral dessas políticas teve no contexto pandêmico um ambiente propício, dada a retirada do Estado da educação pública, para a expansão nas relações entre o público e o privado, o que poderá influenciar sobremaneira os projetos de formação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Moreira Hypolito, Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Doutorado em Educação, Universidade de Wisconsin (UW); Professor Titular da Universidade Federal de Pelotas / UFPel - Brasil; Programa de Pós-Graduação em Educação; Coordenador do CEPE-Centro de Estudo em Políticas Educacionais; Bolsista do CNPq 1D.

Referências

ALBINO, Ângela C.A. e SILVA, Andreia. F. BNCC e BNC da formação de professores: repensando a formação por competências. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 137-153, jan./mai. 2019. https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.966

AGUIAR, Márcia A. da S. e DOURADO, Luiz F. BNCC e formação de professores: concepções, tensões, atores e estratégias. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 33-37, jan./mai. 2019.

APPLE, Micahel W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis: Vozes, 1997.

BACICH, Lilian.; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de M. (orgs.) Ensino híbrido - personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BALL, Stephen J. Novos Estados, nova governança e nova política educacional. In: Apple, M.W., Ball, S.J. e Gandin, L.A. (org.) Sociologia da Educação - análise internacional. Porto Alegre: Penso, p. 177-189, 2013.

BALL, Stephen J. Educação Global S.A.: Novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

BALL, Stephen J. Following policy: networks, network ethnography and education policy mobilities. Journal of Educational Policy, v. 31, n. 5, p. 1-18, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.1080/02680939.2015.1122232

BALL, Stephen J. and JUNEMANN, Carolina. Networks, new governance and education. Bristol: The Policy Press, 2012.

BALL, Stephen J.; JUNEMANN, Carolina, & SANTORI, Diego. Edu.Net – Globalisation and Education Policy Mobility. London: Routledge, 2017.

BIESTA, Gert. Why “what works” won’t work: Evidence-based practice and the democratic deficit in educational research. Educational Theory, V. 57, N.1, 2007.

CAETANO, Maria R.; MENDES, Valdelaine. Think tanks, redes e a atuação do empresariado na educação. Educar em Revista, v. 36, p. 1-17, 2020.

CASSIO, Fernando et al. Heterarquização do Estado e a expansão das fronteiras da privatização da educação em São Paulo. Educ. Soc., Campinas, v. 1, e241711, 2020. Epub Oct 30, 2020. <http://dx.doi.org/10.1590/es.241711>.

CHIZZOTTI, Antonio. A pesquisa educacional e o movimento “pesquisas científicas baseadas em evidências”. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 10, n. 2, p. 329-342, jul./dez. 2015. DOI:10.5212/PraxEduc.v.10i2.0003.

COMAR, Sueli R. Avaliação no contexto do Laboratório Latino-americano de avaliação da qualidade da educação. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 28, n. 68, p. 572-598, maio/ago. 2017.

DOURADO, Luiz F. (2016). Formação de profissionais do magistério da educação básica: novas diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, 21(1), 27-39. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v21i1p27-39

FERREIRA, Márcia S. A utilização do conhecimento científico: uma discussão sobre as pesquisas educacionais e a formulação de políticas. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.4, n.2, p.123-130, jul.-dez. 2009. Doi: http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.4i2.123130

FONTDEVILA, Carla; VERGER, Antoni & AVELAR, Marina. The business of policy: a review of the corporate sector’s emerging strategies in the promotion of education reform. Critical Studies in Education, p.1-16, 2019. DOI: 10.1080/17508487.2019.1573749.

FREITAS, Luiz C. de. A Reforma Empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 5a. ed., São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HARVEY, David. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008. HORN, Michael B. Blended - usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

HYPOLITO, Álvaro M. Currículo e projeto político-pedagógico: implicações na gestão e no

trabalho docente. Cadernos de Educação (Brasília), v. XVIII, p. 11-26, 2014. HYPOLITO, Álvaro M. BNCC, Agenda Global e Formação Docente. RETRATOS DA ESCOLA, v. 13, p. 187-201, 2019.

HYPOLITO, Álvaro M.; JORGE, Tiago A. OCDE, PISA e Avaliação em Larga Escala no

Brasil: Algumas implicações. SISYPHUS - JOURNAL OF EDUCATION, v. 8, p. 10-27, 2020. MARTINS, Erika M. Todos Pela Educação? Como os empresários estão determinando a

política educacional brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Lamparina, 2016.

MARTINS, Erika M. Empresariamento da educação básica na América Latina: Redes empresariais prol educação. Tese (Doutorado)—Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2019.

MOCKLER, Nicole& STACEY, Meghan. Evidence of teaching practice in an age of accountability: when what can be counted isn’t all that counts, Oxford Review of Education, 2020. DOI: 10.1080/03054985.2020.1822794

ROBERTSON, Susan L. Provincializing the OECD - PISA global competences project. Globalisation, Societies and Education, 2021. DOI: 10.1080/14767724.2021.1887725

SILVA, Simone G.; LIMA, Iana G. e SILVA, Maria Eloísa. Redes de Influência em Políticas Educacionais: o avanço neoconservador e neoliberal em cena. Teoria e Prática da Educação, v. 22, n.3, p. 137-154, Set./Dez., 2019.

VERGER, Antoni; PARCERISA, Lluis; FONTDEVILA, Clara. Crescimento e Disseminação de Avaliações em Larga Escala e de Responsabilizações baseadas em Testes: Uma Sociologia Política das Reformas Educacionais Globais. Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 27, n. 53, p. 60-82, set./dez. 2018.

VERGER, Antoni; FONTDEVILA, Clara and ZANCAJO, Adrián. The privatization of education: a political economy of global education reform. New York: Teachers College Press, 2016.

VERGER, Antoni; ZANCAJO, Adrián; e FONTDEVILA, Clara. La economía política de la privatización educativa: políticas, tendencias y trayectorias desde una perspectiva comparada. Revista Colombiana de Educación, Bogotá, N. 70, p.47-78, 2016.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

HYPOLITO, Álvaro M. Padronização curricular, padronização da formação docente: desafios da formação pós-BNCC . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8915. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8915. Acesso em: 26 set. 2021.