O avanço do projeto neoliberal nas diretrizes para a formação de professores no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8920

Palavras-chave:

Formação de professores, Diretrizes, Neoliberalismo

Resumo

O artigo analisa a reestruturação da formação docente no Brasil a partir da Resolução CNE/CP no 2/2019, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores para a Educação Básica, confrontando seu projeto com a Resolução que a precedeu, a Resolução CNE/CP no 1/2002, identificando atualizações e continuidades. O texto é um estudo de política, sem reduzi-la ao texto político, aqui entendido como um dos momentos da sua produção. Para compreender as Diretrizes na sua trajetória política os autores utilizam a análise documental de pareceres e resoluções do Conselho Nacional de Educação, além de textos de atores políticos que contribuíram para sustentar a necessidade de reformar os cursos de formação de professores. Conclui que as Diretrizes aprovadas no ano de 2019 reeditam princípios, fundamentos e procedimentos das Diretrizes de 2002, recrudescendoo projeto neoliberal de formação de professores iniciado no governo Fernando Henrique Cardoso, com a ampliação das suas características gerenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliana da Silva Felipe, Universidade Federal do Pará - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora Associada do Instituto de Ciências da Educação. Líder do Grupo de Pesquisa GEFOP - Grupo de Estudos sobre Formação de Professores.

Emmanuel Ribeiro Cunha, Universidade do Estado do Pará - Brasil

Doutor em Educação - UFRN. Universidade do Estado do Pará – UEPA. Brasil. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGED/UEPA. Líder do Grupo de Pesquisa Formação de Professores do PPGED/UEPA.

Ana Rosa Peixoto de Brito, Universidade Federal do Pará - Brasil

Especialista em Educação pela Universidade Federal do Pará UFPA Brasil. Docente aposentada, integra o grupo de pesquisa do Nupanfope – Anfope Formação do Educador, Vice- Presidente Regional Norte Anfope.

Referências

BALL, Stephen. Sociologia as políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, v.6, n.2, pp.10-32, Jul/Dez 2006.

BALL, Stephen; YODELL, Deborah. Privatización encubierta en la educación pública, Internacional de la Educación. Bruselas, 2007.

BANCO MUNDIAL. La educación superior: Las enseñanzas derivadas de la experiencia (1995). Washington, DC: Banco Mundial. Disponível em: http://documents1.worldbank.org/curated/en/274211468321262162/pdf/133500PAPER0Sp1ri or0Box2150A1995001.pdf. Acesso: 23 jan. 202.

BARROSO, João. O estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 725-751, Especial - Out. 2005.

BOWE, Richard; BALL, Stephen. Reforming education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Decreto n. 3.276, de 6 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Publicado no D.O.U. de 7.12.1999. Disponível em www.planalto.gov.br. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Decreto n. 3.554, de 7 de agosto de 2000. Dá nova redação ao § 2o do art. 3o do Decreto n. 3.276, de 6 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Publicado no D.O.U., Seção 1, de 08/08/2000. Disponível em www.planalto.gov.br. Acesso em:16 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 009/2001. Aprovado em 8/5/2001. Homologado por Despacho do Ministro em 17/1/2002, publicado no D.O.U. de 18/1/2002, Seção 1, Pág. 31. Disponível em www.portal.mec.gov.br. Acesso em 16 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 22/2019. Aprovado em 7/11/2019. Homologado pela Portaria n. 2.167, publicada no D.O.U. de 20/12/2019, Seção 1, Pág. 142, 2019a. Disponível em www.portal.mec.gov.br. Acesso em:16 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de professores da Educação Básica e institui a base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena.Portal MEC. Disponível em www.portal.mec.gov.br. Acesso em:16 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 1o de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Portal MEC. Disponível em www.portal.mec.gov.br. Acesso em 16 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação), 2019b. Portal MEC. Disponível em: www.portal.mec.gov.br. Acesso em: 16 jan. 2021.

BRASIL. Proposta de diretrizes para a formação inicial de professores da educação básica em cursos de nível superior(2000). Portal MEC. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/basica.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

BRESSER PEREIRA, Luís Carlos. A reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova, n. 45, São Paulo, 1998.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, J. et al. (Org.) A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

DEL PINO, Mario Augusto Burkert; VIEIRA, Jarbas Santos; HYPOLITO, Álvaro Moreira. Trabalho docente, controle e intensificação: câmeras, novo gerencialismo e práticas de governo. In: FIDALGO, Fernando; OLIVEIRA, Maria Auxiliadora; FIDALGO, Nara Luciene Rocha (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009. p. 91-112.

DURHAM, Eunice Ribeiro. A formação de professores iniciais do Ensino Fundamental e para a Educação Infantil (S/D). http://nupps.usp.br/images/artigos_temp/eunice_Formacao%20de%20professores.pdf

DURHAM, Eunice Ribeiro. Fábrica de maus professores. [Entrevista a Monica Weinberg]. Revista Veja [S.l: s.n.], 2008.

EVANGELISTA, Olinda; FIERA Letícia; TITTON, Mauro. Diretrizes para formação docente é aprovada na calada do dia: mais mercado (2019). Disponível em: https://universidadeaesquerda.com.br/debate-diretrizes-para-formacao-docente-e-aprovada- na-calada-do-dia-mais-mercado/. Acesso em dez. 2020.

FRANCO, Maria Amélia do Rosario Santoro. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos, v.97 n. 247, Brasília, Set./dec. 2016.

Felipe, Eliana da Silva.Do Saeb à BNCC: padronizar para avaliar. In: UCHOA, Antonio Marcos da Conceição; LIMA, Átila de Menezes; SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza (Orgs.). Diálogos críticos, volume 2: Reformas educacionais: avanço ou precarização da educação pública? Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Maquiavel Notas sobre o Estado e a Política. v. 3. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira 2011.

INSTITUTO UNIBANCO. Sobre nós. Disponível em: https://www.institutounibanco.org.br/o-instituto/sobre-nos/. Acesso em: 8 jun. 2020.

LEHER, Roberto. Autoritarismo contra a universidade. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

LIMA, Licínio C. A gestão democrática das escolas: do autogoverno à ascensão de uma pós- democracia gestionária. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1067-1083, out./dez. 2014.

LIMA, Licínio. Aprender para ganhar, conhecer para competir. Sobre a Subordinação da Educação na Sociedade da Aprendizagem. São Paulo: Cortez, 2012.

MELLO Guiomar Namo de. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re) visão radical Documento Principal - (Versão Preliminar Para Discussão Interna) (1999). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/documentob%C3%82%C2%A0sico2.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

MELLO, Guiomar Namo de. Professor precisa de uma formação mais prática (2011). Disponível em: https://www.sul21.com.br/noticias/2011/03/guiomar-namo-de-mello- professor-precisa-de-uma-formacao-mais-pratica/. Acesso em: 19 out. 2020.

MELLO, Guiomar Namo de. Quem precisa de escola em tempo integral no brasil é professor, não aluno (2010). Disponível em: https://veja.abril.com.br/educacao/quem- precisa-de-escola-em-tempo-integral-no-brasil-e-professor-nao-aluno/. Acesso em: ago. 2020.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006. OCDE. Professores são importantes. Atraindo, desenvolvendo e retendo professores

eficazes. São Paulo: Coedição Moderna: OCDE, 2006.

SARAMAGO, José. Democracia e universidade. Belém: ed.ufpa; Lisboa: Fundação José Saramago, 2013.

SHIROMA Eneida Oto; CAMPOS Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para a análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 527-446, jul./dez. 2005.

UNESCO. Aprendizajeabierto y a distancia. Consideraciones sobre tendencias, políticas y estratégias (1997). Disponível em: www.unesco.cl/port/atematica/formdesarrdocente/docdig/index.act. Acesso em 10 de outubro de 2006. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000128463_spa.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

FELIPE, E. da S.; CUNHA, E. R.; BRITO, A. R. P. de. O avanço do projeto neoliberal nas diretrizes para a formação de professores no Brasil . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-25, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8920. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8920. Acesso em: 19 set. 2021.