As DCN/2019 para a formação de professores: tensões e perspectivas para o curso de Pedagogia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8925

Palavras-chave:

Diretrizes, Curso de pedagogia, Formação de professores

Resumo

Este artigo analisa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica – Resolução CNE/CP No 02/2019 e as implicações para o curso de Pedagogia. Retoma os princípios e as concepções construídas pelo movimento dos educadores e que condicionaram a organização desse curso. Problematiza as tensões e as perspectivas para o curso de Pedagogia com base no contexto histórico, político e social no qual são forjadas as novas diretrizes. Adota a análise crítico-dialética e destaca dois aspectos que se articulam na materialidade do processo formativo: o teórico-científico e o prático organizacional. O primeiro corresponde aos princípios, às concepções e aos fundamentos da teoria educacional. O segundo vincula-se ao conjunto de componentes curriculares dos cursos de licenciatura. Especificamente para o curso de Pedagogia, o indicativo é redefinir a organização curricular propondo cursos específicos conforme a etapa da educação básica. A ênfase recai sobre os conteúdos específicos das áreas do ensino e suas respectivas metodologias em sintonia com a BNCC da Educação Básica. Destaca o esvaziamento dos fundamentos da educação e a dissociabilidade na relação entre teoria e prática, questões essenciais para a constituição da formação e do trabalho docente. As DCN desconsideram o acúmulo de pesquisas relativas ao curso de Pedagogia, bem como as críticas, tensões e proposições históricas sobre a especificidade desse curso. Os resultados apontam a retomada do projeto hegemônico em um cenário de adversidade e conservadorismo, o que requer um grande desafio e resistência das instituições formadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Maria Silveira Portelinha, Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Brasil

Pós-doutoranda em Educação pela Unicamp. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), campus Francisco Beltrão-PR. Professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Membro do grupo de pesquisa “Educação Superior, Formação e Trabalho Docente” (Gesfort).

Referências

ANFOPE. X Encontro Nacional – Documento Final. Brasília, 2000.

BRASIL. (Constituição 1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n.o 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, p. 27833, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. CNE. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 31.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 1/2006. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006, Seção 1, p. 11.

BRASIL. Conferência Nacional de Educação – CONAE 2010 – Documento final. Disponível em: https://bit.ly/2NlTWVk. Acesso em: 23 jun. 2020.

BRASIL. Conferência Nacional de Educação – CONAE 2014 – Documento referência. Elaborado pelo Fórum Nacional de Educação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria Executiva Adjunta, 2013.

BRASIL. Lei n.o 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, p. 1, 26 de junho de 2014.

BRASIL. Parecer n. 02/2015 - CNE/CP, de 9 de junho de 2015. Brasília, Diário Oficial da União, Seção 1, p.13, 25 de junho de 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CP n.o 2/2015, de 1.o de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, Diário Oficial da União, seção 1, n. 124, p. 8-12, 2 de julho de 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CP No 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 2020, Seção 1, p. 46-49.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Sinopse Estatística da Educação Superior 2019. Brasília: INEP, 2020. Disponível em: https://bit.ly/2ZzNwnU. Acesso: 15 jan. 2020.

DOURADO, Luiz Fernando. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial a Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica: concepções e desafios. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, no. 131, p. 299-324, abr.-jun., 2015

FREITAS, H. C. L. de. PNE e formação de professores: contradições e desafios. Revista Retratos da Escola Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-446, jul./dez. 2014.

GIMENO SACRISTÁN, José. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000

KUENZER, Acácia Zeneida. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Rio de Janeiro, Boletim Técnico do SENAC, v. 28, n.2, maio/ago., 2002.

LAVAL, Chistian. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

PARO, Vitor Henrique. Professor: artesão ou operário? São Paulo: Cortez, 2018. PORTELINHA, Ângela Maria Silveira. A pedagogia nos Cursos de Pedagogia: teoria e

prática pós-Diretrizes Curriculares Nacionais. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

RAMOS, Marise Nogueira. A educação profissional pela pedagogia das competências: para além da superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n.80, p. 405-427, set. 2002.

SANCHES GAMBOA, Silvio. Teoria e prática: uma relação dinâmica e contraditória. Motrivivência, Florianópolis, n. 8, p. 39-46, 1995.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Políticas educacionais em tempos de golpe: retrocessos e formas de resistência. Roteiro, Joaçaba, v. 45, p. 1-18, jan./dez. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3u9df4R. Acesso em: 20 dez. 2020.

SCHEIBE, Leda: BAZZO, Vera Lúcia. A construção de base comum nacional para a formação de profissionais da educação no Brasil. Revista de Educação da Univali, Contra Pontos, ano 1, n.o 1, Itajaí, jan/jun. 2001.

SCHEIBE, Leda. Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia: trajetória longa e inclusa. Revista Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, p. 43-62, jan./abr. 2007.

SCHEIBE, Leda. Diretrizes Nacionais para os Cursos de Pedagogia: da regulação à implementação. In: DALBEN, Ângela Imaculada Loureiro de Freitas et al. (Org). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 551-568.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. Buenos Aires: Clacso; São Paulo: Expressão Popular. 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

PORTELINHA, Ângela M. S. As DCN/2019 para a formação de professores: tensões e perspectivas para o curso de Pedagogia . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-21, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8925. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8925. Acesso em: 26 set. 2021.