Arqueologia como metodologia e biopolítica como discurso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i48.8946

Palavras-chave:

Currículo, Metodologia, Foucault

Resumo

Trataremos aqui do itinerário foucaultiano, associado à noção de Biopolítica, política da vida, ou de como a economia política constrói discursos que incidem diretamente sobre o campo da Educação, em itinerários de pesquisa (metodologias?) que se utilizam ou não da ótica foucaultiana. O presente artigo divide-se em três partes, a saber, (1) a arqueologia como “metodologia científica”, (2) itinerários metodológicos como discurso e (3) a biopolítica como produção discursiva. Na primeira parte, estudaremos a noção da arqueologia foucaultiana como método de pesquisa e produção discursiva. Na segunda parte, analisaremos três itinerários de pesquisa a partir de três artigos: Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação, de Elizabeth Macedo (2014); Reformas curriculares e formação inicial: saberes e profissionalização, de Maria Manuela Alves Garcia (2015); e Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola, de Luiz Carlos Freitas (2014). Por fim, analisaremos os efeitos da economia política e do mercado, através das noções homo oeconomicus e biopolítica como metodologia de produção dos discursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Augusto Rezende Lemos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil

Doutor em Educação pela UERJ. É professor da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação – ProPEd – UERJ. FAPERJ: APQ1 (2016), ARC (2019). Vice-líder do Grupo Currículo, cultura e diferença, liderado por Elizabeth Macedo, financiamento CNPq, Capes e Faperj

Referências

ARAGÃO, José Wellington Marinho de & MENDES NETA, Maria Adelina Hayne. Metodologia Científica. [recurso eletrônico]. Salvador: UFBA, Faculdade de Educação, Superintendência de Educação a Distância, 2017. 51 p.: il. Disponível em: edcj71-met-cientifica-miolo.indd (capes.gov.br). Acessado em 20/06/2021.

BARROS, Thiago Henrique Br/a/gato. Por uma metodologia do discurso: noções e métodos para uma análise discursiva. In: Uma trajetória da Arquivística a partir da Análise do Discurso: inflexões histórico-conceituais [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, pp. 73-95. ISBN 978-85- 7983-661-9. Disponível em *barros-9788579836619-04.pdf (scielo.org). Acessado em 19/06/2021.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Tradução de Elisa Monteiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2008.

------. As palavras e as coisas. Tradução Salma Tannus Muchail. 9ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

------. Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. 10ª Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1992.

------. Nascimento da biopolítica. Tradução Pedro Eloi Duarte. Lisboa: Edições 70, 2010.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. In: Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out.-dez., 2014. Disponível em: OS_REFORMADORES_EMPRESARIAIS_DA_EDUCACAO (1).pdf. Acessado em 18/06/2021.

GARCIA, Maria Manuela Alves. Reformas curriculares e formação inicial: saberes e profissionalização. In: Educação Unisinos. 19(1):57-67, janeiro/abril 2015 © 2015 by Unisinos - doi: 10.4013/edu.2015.191.05. Disponível em: *Reformas curriculares e formação inicial_ saberes e profissionalização (3).pdf. Acessado em 18/06/2021.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. In: Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1530 - 1555 out./dez. 2014 ISSN: 1809-3876. Disponível em *15916 (pucsp.br). Acessado em 18/06/2021.

MACHADO, Roberto. Ciência e saber: a trajetória da arqueologia de Foucault. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1981.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

LEMOS, G. A. R. . Arqueologia como metodologia e biopolítica como discurso. Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 48, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i48.8946. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8946. Acesso em: 18 set. 2021.