A memória afro diaspórica feminina como metodologia para pesquisa em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i48.9269

Palavras-chave:

Educação, Memória feminina diaspórica, Metodologia da pesquisa

Resumo

O artigo apresentado pretende, de forma preliminar, discutir a importância do uso da memória feminina diaspórica e das narrativas em entrevistas sobre as vivências de mulheres negras, enquanto fonte privilegiada para intepretação das nuances de suas vidas relacionadas aos processos de educação. As lembranças, a partir das narrativas de mulheres negras sobre determinados contextos do passado escravista até os dias atuais, constituem uma prática libertadora ao se posicionarem durante os registros dolorosos sobre a família e o cotidiano, marcado pela opressão e exclusão social. Quanto mais melanina suas peles refletem, mais forte e incisiva é a rejeição de suas existências, provavelmente por seus corpos negros retintos estarem associados historicamente à ancestralidade africana. Embora sejam inúmeras as possibilidades de análise para a pesquisa em Educação, com o uso da oralidade e memória escrita, sugerimos alguns caminhos metodológicos para arguição das informações. Como por exemplo, a pesquisa qualitativa compreensiva proposta por Crusoé (2014) e Amado; Crusoé (2017), com base na análise de conteúdo de Bardin (2011; 1977). Para escrita deste trabalho utilizamos alguns teóricos que serão apresentados ao longo do texto, tais como: Le Goff (1994); Nora (1993); Pollak (1989); Evaristo (2016; 2007), Moreira (2007); Fonseca e Souza (2006); Jesus (2000); Geertz (1978); Barreto (2018); Candau (2019); Streck (2006); Delgado (2007); Bosi (1994); Clark (2019); Figueiredo (2009); Soares (2006); Maldonado-Torres (2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecilia Conceição Moreira Soares, Universidade do Estado da Bahia – Brasil

Docente Titular na Universidade do Estado da Bahia – UNEB/ Departamento de Educação-Campus I. Docente Colaboradora Programa de Pós Graduação em Educação / Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB. Linha II: Currículo, Práticas Educativas e Diferença.

Grácia Lorena da Silva Jorge, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – Brasil

Docente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG / Campus Araçuaí. Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB. Linha II: Currículo, Práticas Educativas e Diferença.

Referências

AMADO: FERREIRA. Janaína; Marieta de Moraes. Usos e abusos da História Oral. Rio de janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 1996.

BARDIN, L. L’Analyse de contenu. Editora: Presses Universitaires de France, 1977.

________ Análise de conteúdo. SP: Edições 70, 2011.

BARRETO, Raquel. Beatriz Nascimento, uma breve apresentação. In: NASCIMENTO, Maria Beatriz. Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidades nos dias de destruição. Diáspora africana: Editora Filhos da África, 2018.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. Tradução de Maria Leticia Ferreira. – 1. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

CLARK, Kenneth Bancroft. O protesto preto: James Baldwin, Malcolm X e Martin Luther King. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2019.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral - Memória, tempo, identidades. Autêntica Editora, 2007.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento da minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio (org.). Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

________ Olhos D’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

FIGUEIREDO, Fernanda Rodrigues de. A mulher negra nos cadernos negros: autoria e representações. Dissertação. (Programa de Pós-Graduação em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte – MG, 2009.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; SOUZA, Florentina da Silva (Orgs.). Literatura Afro-brasileira. Salvador: CEAO, 2006.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo. 8 ed. São Paulo: Ática, 2000.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. (Org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MOREIRA, Núbia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP, 2007.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como se faz pesquisa qualitativa. 7 ª ed. Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2016.

PASSERON,J.C. A encenação e o corpus: biografias, fluxos, itinerários, trajetórias. In: _____.O raciocínio sociológico: o espaço não- popperiano do raciocínio natural. Petrópolis: Vozes, 1995.

SANTANA, Bianca. A escrita de si de mulheres negras: memória e resistência ao racismo. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

SANTOS, Edimilson Menezes. Observações introdutórias ao nexo entre método e conhecimento em Descartes. In: AMADO, João; CRUSOÉ, Nilma Margarida de Castro (Orgs.). Referenciais Teóricos e metodológicos em Educação e Ciências Sociais. Vitória da Conquista :Edições UESB,2017, pp.21-37.

SOARES, Cecilia C. Moreira. Mulher Negra na Bahia no Século XIX. Eduneb/Fundação Palmares, 2006.

_______________________. “Encontros, Desencontros e (Re) Encontros da Identidade de Matriz Africana: A História de Cecilia do Bonocô Onã Sabagi. Tese de doutorado em antropologia em Antropologia, defendida na Universidade Federal de Pernambuco, 2009.

SOUZA: CRUZ. Elizeu Clementino de; Núbia da Silva. Pesquisa (auto)biográfica: sentidos e implicações para o campo educacional In: AMADO, João; CRUSOÉ, Nilma Margarida de Castro (Org.). Referenciais Teóricos e metodológicos em Educação e Ciências Sociais. Vitória da Conquista: Edições UESB,2017, pp.167194.

SOUZA, Grace Kelly Silva Sobral. Mulheres negras: memórias da trajetória de luta e resistência dos movimentos de mulheres negras do Maranhão a partir do “Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa”. Kwanissa, São Luís, v.1, n.1, p.154-172, jan./jun. 2018.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? – tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. – Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STRECK, D. R. 2006b. Práticas educativas e movimentos sociais na América Latina: aprender nas fronteiras. Série Estudos: Periódico do Mestrado em Educação da UCB, 22, 99-112.

TURNER,W.Victor. O processo ritual: estrutura e anti - estrutura, Petrópolis:Vozes,1974.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

SOARES, C. C. M.; JORGE, G. L. da S. A memória afro diaspórica feminina como metodologia para pesquisa em educação. Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 48, p. 1-17, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i48.9269. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/9269. Acesso em: 18 out. 2021.