Arte, Visibilidade e Interatividade: Um Novo Jeito para Apreciação da Imagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v18i49.9564

Palavras-chave:

Ensino de Artes, Museus Virtuais, Tecnologias Educativas

Resumo

A presente pesquisa, buscou investigar o potencial da inserção dos Museus Virtuais no processo de ensino/aprendizagem de Artes Visuais nas escolas públicas de Roraima. Procuramos a partir deste trabalho corroborar para a promoção do ensino por meio das TIC em época da cultura digital. Percebemos que é necessário compreender como a escola atual incentiva o seu uso durante o processo de ensino/aprendizagem. Utilizamos a pesquisa qualitativa e então demonstramos no decorrer da pesquisa, como as TIC se mostram fortes aliadas à educação, contribuindo para a criação de um sujeito ativo e reflexivo e que a partir dos ensinamentos, sejam encaminhados para tomar uma postura crítica. O número de Museus Virtuais disponibilizados gratuitamente na web, é um ponto positivo no que concerne a possibilitar experiências inovadoras aos alunos, permitindo a eles uma aula diferenciada, interligando saberes da arte antiga por meio de tecnologias contemporâneas. Para além disso, são espaços que permitem o desenvolvimento do ensino/aprendizagem em vários níveis, dentre eles: emocional, cognitivo e sociocultural. A interatividade que o espaço proporciona também é atrativa para os alunos, fazendo com que as experiências sejam mais um espaço lúdico e construtivo, e a partir disso, capaz de elevar o senso crítico e a expressão artística de cada um.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Paulo Sérgio Maroti, Universidade Federal de Roraima – Brasil

Paulo Sérgio Maroti. Doutor em Ecologia pela UFSCAR. Atualmente é Professor Associado IV da UFRR. Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte - GPEA - UFMT. Correio eletrônico: paulo.ufrr.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1573-654X

Joaquim José Jacinto Escola, Universidade de Trás-dos-Montes e Alto Douro – Vila Real - Portugal

Joaquim José Jacinto Escola. Doutor em Ciências da Educação pela UTAD, Portugal. Atualmente é Professor Auxiliar do Departamento de Educação e Psicologia da UTAD. É membro da Filosofia no Espaço Público e do Grupo e Filosofia da Educação (UPORTO). Correio eletrônico: jescola@utad.pt. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6676-6928

Referências

BRASIL. Lei nº 12.287, de 13 de julho de 2010. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, no tocante ao ensino da arte. Brasília, 2015. Disponível em[?] [INCLUIR O CANAL DE OBTENÇÃO DESSE MATERIAL]: Acesso em: 26 set. 2018.

______. Documento Preliminar do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM). Brasília, 2012.

______. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: 1998. 174 p.

______. Ministério da Educação. Programa Nacional de Tecnologia Educacional. Brasília: PROINFO, 1997.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 130p.

BARROSO, J. M. D.; ESCOLA, J. J. J. Filosofar com a Tecnologia Educativa. In: RIVAS M.P. et al. As TIC no ensino: políticas, uso e realidade. 1. Espanha: Andavira, 2011.

BERTIOLLETI, A. Tecnologias Digitais no Ensino de Arte: Perspectivas Educacionais na Era da Conversão Digital. 2012. 145 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, 2012. Disponível em: <http://tede.udesc.br/>. Acesso em: 04 de jul de 2016.

BOURDIEU, P; DARBEL, A. O amor pela arte: os museus de arte na Europa e seu público. 2. ed. São Paulo: Edusp/Zouk, 2003. 241 p.

BRAGA, M. Realidade Virtual e Educação. Revista de Biologia e Ciências da Terra, Volume 1, n. 01, p. s/n. 2001.

Carrão, E. e SILVA, B. Os desafios da informática educativa: apresentação do projecto BISE. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación, (nº 8, vol. 10), p. 1997-2008, 2003.

FERREIRA. M. S. J. Estudo exploratório para a construção de um projeto pedagógico-didático para a futura Casa-Museu do Medronho. 2013. Dissertação (Mestrado em Arte e Educação). Universidade Aberta. Lisboa, 2013. Disponível em: <https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/2740>. Acesso em: 04 de ago de 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. (7ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HENRIQUES, R. M. N. Memória, museologia e virtualidade: um estudo sobre o Museu da Pessoa. 2004. Dissertação (Mestrado em Museologia). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia. Lisboa, 2004.

KIRNER, C. Evolução e Tendências da Realidade Virtual e da Realidade Aumentada. In: XIII SIMPOSYUM OND VIRTUAL AND AUGMENTED REALITY. XIII, 2011, Uberlândia – MG. Anais, Uberlândia - MG: SBC, 2011. p. 10 – 25.

LEVY, P. O que é o virtual. SP: Editora 34, 1996.

MARTINS. L. C. (2006). A relação museu/escola: teoria e práticas educacionais nas visitas escolares ao Museu de Zoologia na USP. 2006. Dissertação (Mestrado em educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2006.

MATOS, J. I. B. A. Educação museal: o caráter pedagógico do museu na Construção do conhecimento. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium. Vol. 5, p. 93-104. 2014.

SAMPIERRI, R. H; COLLADO, C. F; LUCIO, M. P. B. Metodologia de Pesquisa (5ª ed.). Porto Alegre: Penso, 2013.

Downloads

Publicado

2022-02-15

Como Citar

NASCIMENTO , C. da S.; MAROTI, P. S.; ESCOLA, J. J. J. Arte, Visibilidade e Interatividade: Um Novo Jeito para Apreciação da Imagem. Práxis Educacional, [S. l.], v. 18, n. 49, p. e9564, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.9564. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/9564. Acesso em: 8 dez. 2022.