Ciências Naturais x Ciências Sociais: as desigualdades entre as grandes áreas do conhecimento na Bahia

Autores

  • Roberto Paulo Machado Lopes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Amanda Brandão Lopes Faculdade de Minas - FAMINAS - BH

DOI:

https://doi.org/10.22481/rbba.v8i1.5174

Palavras-chave:

Desigualdade. Áreas do Conhecimento. Política de Ciência e Tecnologia. Produção Científica

Resumo

Resumo

Este artigo tem por objetivo identificar as desigualdades no acesso aos recursos de fomento à pesquisa entre as grandes áreas do conhecimento na Bahia e avaliar o papel das políticas de ciência e tecnologia (C&T) na produção dessas assimetrias. A análise se estende examinando as implicações desses desequilíbrios sobre a valorização e reconhecimento dos pesquisadores. Para delimitar a análise, o estudo agrupa as grandes áreas do conhecimento em dois campos de pesquisa: ciências naturais e ciências sociais. A divisão da ciência está fundada em bases epistemológicas e metodológicas e, para os propósitos deste trabalho, é delimitada pelo conceito de paradigma em Thomas Kuhn e pelas definições de ciências duras (Hard Science) e ciências moles (Soft Science). A pesquisa utiliza como variável para identificar desigualdades a proporção de projetos aprovados nos editais da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) por grande área do conhecimento e por campos de pesquisa. Na sequência, estabelece uma associação entre os eixos estratégicos das políticas de C&T com os percentuais de aprovação de cada grande área em grupos de editais selecionados. Para avaliar o reconhecimento e valorização da produção científica, o estudo faz um levantamento da distribuição, entre pesquisadores baianos, de bolsas produtividade (PQ) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A hipótese básica é a de que as políticas de C&T, ao priorizar a incorporação do conhecimento científico e tecnológico aos processos produtivos, produzem e reforçam desigualdades entre as ciências naturais e ciências sociais.

Palavras-chave: Desigualdade. Áreas do Conhecimento. Política de Ciência e Tecnologia. Produção Científica.

 

Resumen

Este artículo tiene por objetivo identificar las desigualdades en el acceso a los recursos de fomento a la investigación científica entre las grandes áreas del conocimiento en Bahía y evaluar el papel de las políticas de ciencia y tecnología (C & T) en la producción de esas asimetrías. El análisis se extiende examinando las implicaciones de estos desequilibrios sobre la valorización y el reconocimiento de los investigadores. Para delimitar el análisis el estudio agrupa las grandes áreas del conocimiento en dos campos de investigación: ciencias naturales y ciencias sociales. La división de la ciencia está fundada en bases epistemológicas y metodológicas y, para los propósitos de este trabajo, está delimitada por el concepto de paradigma en Thomas Kuhn y las definiciones de ciencias duras y las ciencias blandas. La investigación utiliza como variable para identificar desigualdades a la proporción de proyectos aprobados en los editales de la Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) por gran área del conocimiento y por campos de investigación. A continuación se establece una asociación entre los ejes estratégicos de las políticas de C & T con los porcentajes de aprobación de cada gran área en grupos de edicto público seleccionados. Para evaluar el reconocimiento y valorización de la producción científica, el estudio hace un relevamiento de la distribución, entre investigadores biancos, de becas productividad (PQ) del Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). La hipótesis básica es que las políticas de C & T, al priorizar la incorporación del conocimiento científico y tecnológico a los procesos productivos, producen y refuerzan desigualdades entre las ciencias naturales y las ciencias sociales.

Palabras clave:  Desigualdad. Áreas del conocimiento. Política de Ciencia y Tecnología. Producción Científica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Paulo Machado Lopes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Roberto Paulo Machado Lopes é doutor em “Geografia, Planificación Territorial y Gestión Ambiental” pela Universidade de Barcelona, mestre em Economia pela Universidade Federal da Bahia e Professor Adjunto B do Curso de Economia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Exerceu os cargos de Pró-Reitor de Planejamento da UESB (2002-2009) e de Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB (2009-2015). Participou de missões científicas na França (2011) e no Reino Unido (2013). Foi membro titular do Conselho Consultivo da Rede Nordeste de Biotecnologia (2011-2015), membro titular do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia da Bahia, do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa e Presidente da Câmara Superior da FAPESB (2009-2015). Lidera o grupo de pesquisa (CNPq) ‘Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento na Bahia’.

Amanda Brandão Lopes, Faculdade de Minas - FAMINAS - BH

Amanda Brandão Lopes: Graduanda em Medicina (7º semestre) pela Faculdade de Minas, FAMINAS – BH. Participa do grupo de pesquisa (CNPq) ‘Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento na Bahia’. Integra a Liga de Gastroenterologia da Faminas. Foi monitora de Neuroanatomia.

Referências

ARAÚJO, C. A. A ciência como forma de conhecimento. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 3, n. 8, 2006. Disponível em: <http://www.cienciaecognição.org>. Acesso em: 22 abr. 2019.

ARIDA, P. A História do pensamento econômico como teoria e retórica. In Rego, José Marcio (org.) Retórica na Economia. São Paulo: Editora 34, 1996.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015. Balanço das Atividades Estruturantes – 2011. Brasília: MCTI, 2012.

_______. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Brasília: MCTIC, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2019.

CHAUÍ, Marilena de Souza. Convite à filosofia. 12. ed. São Paulo: Ática, 2000. 567 p.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO –CNPq. Institutos Nacionais. Brasília: MCTI – CNPQ, 2018. Disponível em: <http://inct.cnpq.br/institutos/ >. Acesso em: 23 abr. 2019.

_______. Resolução Normativa RN -RN-028/2015 [Internet]. Brasília: CNPq; 2015. Disponível em: Disponível em: Disponível em: <http://www.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/2958271#PQ>. Acesso em: 23 abr. 2019.

CROSS, Di; THOMSON, Simon; SIBCLAIR, Alexandra. Researchin Brazil: A report for CAPES by Clarivate Analytics. Clarivate Analytics, 2018. INCITES. Web of Science, Clarivate. Disponível em: www.capes.gov.br. Acesso em: 11 abr. 2019.

DUDZIAK, E. A. Quem financia a pesquisa brasileira? Um estudo In Cites sobre o Brasil e a USP. São Paulo: SIBiUSP, 2018. Disponível em: Acesso em:14 abr. 2019.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP). Publicações científicas em 2017. Pesquisa Fapesp. Edição 276, fev. 2019. São Paulo, 2019.HENNING, Paula. Resistência e criação de uma gaia ciência em tempos líquidos. Ciência & Educação. (Bauru)vol.18no. 2Bauru,2012.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

LOPES, R. P. M.; VIEIRA, D. S. Distribuição espacial das atividades científicas e tecnológicas na Bahia: uma análise com medidas de especialização. In: XIII Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 2015, Curitiba. Anais...XIII ENABER, 2015.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Directorate for Science, Technology and Industry, Committee for Scientific and Technological Policy (2007). Revised field of science and technology (FOS) classification in the Frascati manual. Disponível em <http://unstats.un.org/unsd/EconStatKB/>, Acesso em: 12 mai. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. - São Paulo: Cortez, 2008.

SOTO, J. Huerta de. Duas diferenças fundamentais entre as ciências naturais e as ciências sociais. Mises Brasil, 2012. Disponível em <https://www.mises.org.br>. Acesso em: 24 abr. 2019.

VARGAS, Gloria M. Natureza e ciências sociais. Sociedade e Estado. vol. 18 no. 1-2. Brasília, jan./dec.2003.

WORLD ECONOMIC FORUM - WEF “The Global Competitiveness Report, 2017-2018”. The Globa Competitiveness Report 2017–2018 is published by the World Economic Forum within the framework of the System Initiative on Shaping the Future of Economic Progress.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION – WIPO. “The Global Innovation Index, 2018”. Cornell University, INSEAD, and WIPO (2018): The Global Innovation Index 2018: Energizing the World with Innovation. Ithaca, Fontainebleau, and Geneva.

Downloads

Publicado

2019-07-31

Como Citar

Lopes, R. P. M., & Lopes, A. B. (2019). Ciências Naturais x Ciências Sociais: as desigualdades entre as grandes áreas do conhecimento na Bahia. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo Entre As Ciências, 8(1), 297-326. https://doi.org/10.22481/rbba.v8i1.5174

Edição

Seção

Artigos de Fluxo Contínuo