Memória Literária: acervos de escritores baianos (entre o publico e o privado)

Autores

  • Esmeralda Guimarães Meira UNEB
  • Edna Maria Viana Soares FLUL

DOI:

https://doi.org/10.22481/rbba.v8i1.5232

Palavras-chave:

Acervo; Memória Literária;, Documentos;, Camillo de Jesus Lima; Vasconcelos Maia.

Resumo

Resumo

O artigo apresenta a trajetória dos arquivos dos escritores baianos Camillo de Jesus Lima (1912-1975), cujo estado toponomológico atual (DERRIDA, 2001) é considerado em movimento ou, como classificaria Marques (2015), no trânsito do privado ao público, em um “espaço intervalar”; e de Carlos Vasconcelos Maia (1923-1988), escritor que negava a prática do autoarquivamento, afirmação não confirmada por seus familiares. Em comum, os arquivos dos escritores têm as situações de ocultamento, de risco, de vulnerabilidade, mas, acima de tudo, sua manutenção pela vontade de preservação. O texto destaca a importância e valor dos documentos no conjunto arquivístico em que memória e história se imbricam em favor do conhecimento sobre os processos de produção, circulação e recepção do texto literário e o seu valor como documento da memória cultural. Considera-se a noção de documento como fato relativo à contemporaneidade, não mais limitando-o ao texto em si, mas em sentido amplo (LE GOFF, 1990; NORA, 1993; RICOEUR, 2007), seja ele escrito, ilustrado, sonoro, imagético ou expresso de qualquer outra forma, vale considerar as circunstâncias em que são produzidos, pesquisados, analisados.

Palavras-chave: Acervos. Memória Literária. Documentos. Camillo de Jesus Lima. Vasconcelos Maia.

 

Resumen

El artículo presenta la trayectoria de los archivos de los escritores baianos Camillo de Jesus Lima (1912-1975) cuyo estado actual (DERRIDA, 2001) es considerado en movimiento o, como clasificó Marques (2015), en el tránsito del privado al público, en un "espacio de intervalos"; y de Carlos Vasconcelos Maia (1923-1988), escritor que negaba la práctica del autoarquivamiento, afirmación no confirmada por sus familiares. En común, los archivos de los escritores tienen las situaciones de ocultamiento, de riesgo, de vulnerabilidad, pero, encima de todo, su mantenimiento por la voluntad de preservación. El texto destaca la importancia y valor de los documentos en el conjunto archivístico en que memoria e historia se imbrican a favor del conocimiento sobre los procesos de producción, circulación y recepción del texto literario y su valor como documento de la memoria cultural. Se considera la noción de documento como un hecho relativo a la contemporaneidad, no más limitándolo al texto en sí, sino en sentido amplio (LE GOFF, 1990; NORA, 1993), sea escrito, ilustrado, sonoro, imagético o expreso en cualquier otra forma, vale considerar las circunstancias en que son producidos, investigados, analizados.

Palabras clave: Acervos. Memoria Literaria. Documentos. Camillo de Jesus Lima. Vasconcelos Maia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Esmeralda Guimarães Meira, UNEB

Esmeralda Guimarães Meira. Doutora em Memória: Linguagem e Sociedade/Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB (2017). Possui mestrado em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia – UNEB (2010); especialização em Literatura Brasileira pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1997); graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1989). Atualmente é professora da Universidade do Estado da Bahia, com experiência na área de Letras, ênfase em Literatura Baiana, Literatura Brasileira e Estágio Supervisionado. Atua como pesquisadora no Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL) e no Grupo de Pesquisa Cultura e Literatura Baiana (GPCLB). Desenvolve pesquisas sobre o poeta baiano Camillo de Jesus Lima, publicou o livro Muito além das tardes nevoentas: uma canção de teia de Camillo de Jesus Lima Eduneb (2012), além de artigos, ensaios e críticas em revistas e anais de Congresso.

Edna Maria Viana Soares, FLUL

Edna Maria Viana Soares. Doutorado (em andamento) em Crítica Textual na Universidade de Lisboa - PT. Possui mestrado em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Graduada em Letras Vernáculas com Especialização em Língua e Literatura Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia. Desenvolve, desde 1999, pesquisa em fontes primárias com o intuito de resgatar a produção literária do escritor Vasconcelos Maia. Integra, como pesquisadora, o Grupo de Pesquisa Cultura e Literatura Baiana da UNEB Tem publicado o livro Uma cidade dia sim, dia não: Salvador nas Crônicas de Vasconcelos Maia - 1958/1964. Eduneb, 2015, bem como, artigos e ensaios em revistas e anais de Congresso no Brasil e em Portugal. Atua como colaboradora no Projeto Os Degraus do Parnaso, de M. S. Lourenço. Edição dos manuscritos sob a coordenação do Prof. João Dionísio da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Referências

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. In: Arquivos Pessoais. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas (CPDOC/FGV), v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998. Disponível em <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2061>. Acesso em 05/04/2016.

BORDINI, Maria da Glória. A função memorial dos acervos em tempos digitais. In: TELLES, Célia Marques; BORGES, Rosa (org.). Filologia, críticas e processo de criação. Curitiba: Appris, 2012.

______. (org.). Sistema de preservação de documentos literários. Anais do 2º Encontro Nacional de Acervos Literários Brasileiros, Cadernos do Centro de Pesquisas Literárias da PUCRS, Porto Alegre, vol.2, n. 3, julho de 1996.

______. Manual de Organização do Acervo Literário de Érico Veríssimo. Cadernos do Centro de Pesquisas Literárias da PUCRS, Porto Alegre, CPL/CPGL/PUCRS,1995.

CASTRO, Ivo. Enquanto os autores escreverem... (Situação da crítica textual moderna). In: IX Congresso da ALFAL, 1990, Campinas. Atas... Campinas: Unicamp, 1990.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Trad. de Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro, Relumé Dumará, 2001.

DICIONÁRIO BRASILEIRO DE TERMINOLOGIA ARQUIVÍSTICA. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em http://www.arquivista.org/arquivologia-online/dicionario-brasileiro-de-terminologia-arquivistica.

DIONÍSIO, João. Enciclopédia e Hipertexto: Ab la dolchor del temps novel? 2003 [em linha]. Disponível em http://www.educ.fc.ul.pt/hyper/resources/jdionisio/index.html

GOMES, Renato Cordeiro. Acervos literários: implicações sobre a teoria e o ensino de literatura ou a sedução do arquivo. Centro de Pesquisas Literárias da PUCRS, v8, n1, Porto Alegre: PUCRS, 2002, p. 95-104.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad.: Bernardo Leitão et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

LIMA, Camilo de Jesus. No mundo do conto. O Combate. Ano XXVIII, nº13, Vit. da Conquista – Ba, 04.jan.1947, p. 1.

LOPES, Fátima. Como se trabalha no Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea. In DUARTE, Luis Fagundes, OLIVEIRA, Antonio Braz (Orgs). As mãos da escrita 25º aniversário do arquivo de cultura portuguesa contemporânea. Lisboa: BNP, 2007.

LOPEZ, Telê Ancona. Mario Scriptor: Estudo do processo de criação de Mário de Andrade nos manuscritos de seu arquivo, em sua correspondência, em sua marginalia, em suas leituras In: Revista do Projeto Temático FAPESP/IEB/FFLCH-USP. n.1. São Paulo, 2010.

MAIA, Vasconcelos. Fora da vida. Salvador: Edições ELO, 1946.

MARQUES, Reinaldo M. O arquivamento do escritor. In: SOUZA. Eneida Maria e MIRANDA, Wander Melo (orgs). Arquivos Literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003, p. 141-156.

______. O arquivo literário como figura epistemológica. Rio de Janeiro: Matraga, v. 14, n 21, 2007.

______. Arquivos Literários: teorias, histórias, desafios. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

MEIRA, E. G. Muito além das tardes nevoentas: um estudo da lírica de Camillo de Jesus Lima. 2010. 133p. Dissertação (Mestrado em Estudo de Linguagens) – PPGEL/UNEB, Salvador – BA.

______. Muito além das tardes nevoentas: uma canção de teia de Camillo de Jesus Lima. Salvador - BA: EDUNEB, 2012.

______. O arquivista de si: história e memória do escritor Camillo de Jesus Lima. 2017. 204p. Tese (Doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade) - PPGMLS/UESB, Vitória da Conquista – BA.

MENEZES, Ulpiano T. Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais no espaço público. Revista Estudos Históricos, [S.l.], v. 11, n. 21, p. 89-104, jul. 1998.

Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2067/1206. Acesso em: 03 jun. 2016.

NORA, Pierre. Entre a memória e a história: a problemática dos lugares. Projeto História, n. 10, p. 7 - 28, dez. 1993.

OLIVEIRA, António Braz de. Arquivística literária: notas de memória e perspectiva. Porto Alegre: Veredas, n8, p. 373-382, 2007.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução Alain François (et al.) Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos Modernos: princípios e técnicas. Trad. Nilza T. Soares. 6ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SOARES, E. M. V. Uma cidade dia sim, dia não: Salvador nas Crônicas de Vasconcelos Maia - 1958/1964. 2010. 161f. Dissertação (Mestrado em Estudo de Linguagens) Universidade do Estado da Bahia –UNEB, Salvador. Disponível em http://www.ppgel.uneb.br/textos/disserta/2010/soares_edna.pdf

______. Uma cidade dia sim, dia não: Salvador nas Crônicas de Vasconcelos Maia -1958/1964. Salvador - BA: EDUNEB, 2015.

______. Variantes bibliográficas e textuais na obra de Vasconcelos Maia. 2019.Tese registrada (Doutoramento em Crítica Textual), Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - FLUL, Lisboa - PT.

ZILBERMAN, Regina et al. O arco e as pedras: fontes primárias, teoria e história da literatura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

Downloads

Publicado

2019-07-31

Como Citar

Meira, E. G., & Soares, E. M. V. (2019). Memória Literária: acervos de escritores baianos (entre o publico e o privado). Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo Entre As Ciências, 8(1), 141-165. https://doi.org/10.22481/rbba.v8i1.5232

Edição

Seção

Dossiê Temático