TROPICALISMO E BARBÁRIE: RESISTÊNCIA CULTURAL E DITADURA MILITAR NO BRASIL DOS ANOS 1960

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rbba.v8i2.6255

Palavras-chave:

Tropicalismo, Resistência Cultural, Barbárie, Ditadura Militar, Brasil

Resumo

A partir dos índices do clima repressivo político-policial no Brasil do final dos anos 1960, enunciados nas letras das canções tropicalistas, identifica-se e analisa-se o caráter engajado-insurrecional do discurso musical produzido pelo chamado Grupo Baiano como mecanismo de enfrentamento político e de resistência cultural à barbárie institucionalizada com a consolidação do projeto de modernização autoritária-conservadora da ditadura militar instalada com o golpe de abril de 1964. Destoando do padrão formal do alinhamento dogmático entre arte e política, expresso na temática nacional-popular da canção engajada do período, o Grupo Baiano mediante a intervenção tropicalista, incorporou o imaginário internacional da juventude - rock n’roll (Beatles, Jimi Hendrix, Bob Dylan), drogas, liberdade sexual e rebeldia - à canção urbana, tematizou aspectos da sociedade de consumo (a dimensão mercadológica da música popular) e valorizou a diversidade musical/rítmica brasileira, numa atitude devoradora que retomava o radicalismo da vanguarda antropofágica do Modernismo de 1928.

Referências

ANDRADE, O.de. Manifesto Antropófago e outros. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

ANDRADE, P. Pássaro de fogo. Rascunho. 2014. Disponível em: http://rascunho.com.br/passaro-de-fogo/. Acesso em 15 de mar. de 2019.

ARAÚJO DUARTE, A. M. S. de; SALOMÃO, W. (Orgs.). Os Últimos Dias de Paupéria (do lado de dentro) Torquato Neto. 2 ed. São Paulo: Max Limonad,1982.

CALADO, C. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Ed. 34, 1997.

CAMPOS, A.de. O Balanço da Bossa e Outras Bossas. 2 ed. São Paulo: São Paulo: Perspectiva, 1974.

COELHO, F. Eu Brasileiro, Confesso Minha Culpa e Meu Pecado: cultura marginal no Brasil das décadas de 1960 e 1970. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

COSTA, G. Gal Costa. São Paulo: Philips, 1969. Disco sonoro, 39’ 34”.

DUARTE, P S.; NAVES, S. C. (Orgs.). Do Samba-Canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Relume Dumará; FAPERJ, 2003.

DUARTE, P. Tropicália ou Panis et Circencis. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018. Coleção O livro do disco.

DUNN, C. Brutalidade Jardim: a Tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. São Paulo: Unesp, 2001.

FAVARETTO, C. Tropicáliaalegoriaalegria. 3ª edição. São Paulo: Ateliê, 2000.

______. Tropicália:política e cultura. In: DUARTE, Paulo Sérgio; NAVES, Santuza Cambraia (Orgs.). Do Samba-Canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Relume Dumará; FAPERJ, 2003.pp. 242-247.

GALVÃO, W.N. Saco de Gatos: ensaios críticos. São Paulo: Duas Cidades, 1976.

______.AsFalas, ossilêncios (literatura e imediações: 1964-1988). In: SCHWARTZ, Jorge; SOSNOWKI, Saul. (Orgs.). Brasil: o Trânsito da Memória. São Paulo: EDUSP, 1994.

GIL, G. Gilberto Gil. São Paulo:Philips, 1968. Disco sonoro, 30’ 57”.

LAFETÁ, J. L. 1930: a Crítica e o Modernismo. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

NAPOLITANO, M. Cultura Brasileira: utopia e massificação (1950-1980).2 ed. São Paulo: Contexto, 2004.

______. Seguindo a Canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo, Annablume, 2001.

NAVES, S.C. Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

O GLOBO. Encontrada gravação inédita com único registro de voz de Torquato Neto.Disponívelemhttps://oglobo.globo.com/cultura/musica/encontrada-gravacao-inedita-com-unico-registro-de-voz-de-torquato-neto-14069434. Acesso em 28 de set. 2014.

OLIVEIRA, O. “Desejo e Repressão em 1968: sobre uma canção tropicalista”. In: Seminário de Teoria e História Literária, 5, 2009, Vitória da Conquista. Anais...Vitória da Conquista: UESB, 2009.

OS MUTANTES. Os Mutantes. São Paulo: Polydor, 1968. Disco Sonoro, 35’ 59”.

PAIANO, E. Tropicalismo: bananas ao vento no coração do Brasil. São Paulo: Scipione, 1996.

RIDENTI, M. “Revolução Brasileira na Canção Popular”. In: NAVES, S. C.; DUARTE, P.S. (Orgs.). Do Samba Canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Relumé Dumará/FAPERJ, 2003.

SANCHES, P. A. Tropicalismo: decadência bonita do samba. São Paulo: Boitempo, 2000.SCHWARZ, R. “Cultura e Política, 1964-1969: alguns esquemas”. In: O Pai de Família e Outros Estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. pp. 61-92.

VASCONCELOS, G. Música Popular: de olho na fresta. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

VELOSO, C.; GIL, G.; COSTA, G.; LEÃO, N.; MUTANTES; TOM ZÉ. Tropicália ou Panis et Circencis. São Paulo: Philips, 1968. Disco sonoro, 37’ 20”.

VELOSO, C.; Os Mutantes. É Proibido Proibir/Ambiente de Festival. São Paulo: Philips, 1968. Disco sonoro, 15’ 55”.

______. Caetano Veloso. São Paulo: Philips, 1968. Disco sonoro, 36’ 27”.

WISNIK, J.M. Sem Receita: ensaios e canções. São Paulo: Publifolha, 2004.

Downloads

Publicado

2020-03-29

Como Citar

Oliveira, O. J. R. de. (2020). TROPICALISMO E BARBÁRIE: RESISTÊNCIA CULTURAL E DITADURA MILITAR NO BRASIL DOS ANOS 1960. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo Entre As Ciências, 8(2), 24-40. https://doi.org/10.22481/rbba.v8i2.6255