https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/issue/feed Revista Educação em Páginas 2022-08-10T13:36:01-03:00 Equipe Editorial redupa@uesb.edu.br Open Journal Systems <section style="text-align: justify;">A Revista Educação em Páginas tem como base a ampla área das Ciências Humanas e tem como foco a Área da Educação. Nesse sentido, a referida revista publica artigos, resenhas, entrevistas, ensaios e conferências relacionados aos diferentes campos de estudo e pesquisa em Educação, em suas diferentes formas de manifestação. Assim, a <strong>Revista Educação em Páginas</strong> não se restringe a um único campo temático da Educação, mas se estende a todos os diversos objetos de estudo presentes na pesquisa em Educação. </section> <section style="text-align: justify;"><strong>ISSN: </strong>2764-8028<strong> - </strong><strong>DOI: </strong>10.22481/redupa<strong> - Criação: </strong>jul. 2022 <strong>- Área: </strong>Educação <strong>- Submissão de manuscritos: </strong>contínua<strong> - Periodicidade de publicação: </strong>fluxo contínuo</section> https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11115 Educação em Páginas: e nasce um periódico da área de educação 2022-07-23T19:46:00-03:00 Claudio Pinto Nunes claudionunesba@hotmail.com Marcelo Nolasco Barreto mnolas@uesb.edu.br Berta Leni Costa Cardoso bertacostacardoso@hotmail.com <p>O presente texto objetiva apresentar, desde a perspectiva de seus editores, a Revista Educação em Páginas (Redupa), períodido voltado para difusão do conhecimento produzido nos diferentes campos da Área de Educação. A Revista está alocada no Grupo de Pesquisas em Didática, Formação e Trabalho Docente (Difort/CNPq), do Departamento de Filosofia e Ciências Humnas (DFCH), da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), com sede no campus de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Seu objetivo central é divulgar pesquisas e estudos vinculados à Área de Educação, desenvolvidos por pesquisadores de diferentes contextos educacionais do Brasil e do exterior. Sua política editorial se pauta na disponibilização, em fluxo contínio, de textos que se enquadrem nas categorias artigo, resenha, entrevista, ensaio e conferência. A avaliação dos manuscritos submetidos se dá em duas fazes, revisão de forma e de conteúdo de modo duplo cega.</p> 2022-07-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11116 Sociabilidades adolescentes e grupos juvenis: relações raciais na escola 2022-07-23T20:09:21-03:00 Wilma de Nazaré Baía Coelho wilmacoelho@yahoo.com.br Nicelma Josenila Costa de Brito nicelmacbrito@gmail.com Carlos Aldemir Farias da Silva carlosfarias1@gmail.com <p>Estudar sobre a Educação das Relações Étnico-Raciais (ERER) no âmbito da Escola Básica, em especial, nos anos finais do Fundamental e Ensino Médio, requer conhecer o panorama sobre o qual as relações de sociabilidades adolescentes ocorrem dentro e fora da sala de aula. Tais relações são permeadas de ações racistas, discriminatórias e preconceituosas. O artigo objetiva analisar como as sociabilidades adolescentes se constituem a partir dos grupos presentes no ambiente escolar, identificando suas relações subjacentes e suas representações acerca do preconceito e discriminação racial. O <em>lócus</em> da pesquisa abrangeu seis escolas públicas de Belém do Pará e participaram da pesquisa 1.398 estudantes. Os procedimentos metodológicos foram observação participante, aplicação de questionários, grupos de discussão, fontes orais e documentais nas escolas estudadas, as quais nos auxiliaram na inflexão ora realizada, com base em Chartier (1990), Berger e Luckman (2004), Ozella e Aguiar (2008), Almeida (2019) e Bardin (2016). Os resultados apontam que a interlocução orgânica da escola com os grupos juvenis e a compreensão das sociabilidades adolescentes potencializam as articulações das adolescentes na problematização do racismo naquele espaço.</p> 2022-07-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11111 Narrativa da matemática do amor e da amizade: ensino poético no ensino: parte 3 2022-07-23T12:33:24-03:00 Milagros Elena Rodriguez melenamate@hotmail.com <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>A crise da Educação Matemática distorce o sentimento, a subjetividade e o não regularizável no aluno, deseja-se alcançar a didática poética para recorrer à motivação e ao entendimento para além da quantificação e algoritmos. Esta investigação recorre à pesquisa biográfico- narrativa, desta vez a partir do texto intitulado: A matemática do amor e da amizade, publicado em 2018, é uma coletânea de vinte e um (21) poemas compostos por versos livres que buscaram comparar na imaginação do autor os conteúdos matemáticos que vêm do amor e da amizade, desse cotidiano e dessa subjetividade. Assim, por exemplo, no referido texto, amores impossíveis separados por ideologias ou religiões são comparados a assíntotas, conceito essencial de curvas que nunca se encontram. Como resultados, provocamos a didática poética como recurso de alto poder motivador com o sentimento dos alunos.</p> </div> </div> </div> </div> 2022-07-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Milagros Elena Rodriguez https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11112 Formação de professores e o relato de experiência como método de pesquisa: levantamento de teses e dissertações 2012- 2020 2022-07-23T12:48:45-03:00 Áurea Cristina Pires Marcelino Lanfranco aurea.marcels@gmail.com Ivan Fortunato ivanfrt@yahoo.com.br <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Este artigo apresenta um inventário de teses e dissertações nacionais, resultado de um levantamento sistemático realizado no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes a respeito do relato de experiência como método de pesquisa na e para formação docente. Como resultados, localizamos 28 dissertações e nenhuma tese. Dessas, apenas duas trouxeram definição do conceito de experiência, seis explicaram o método e seis apresentaram justificativas para seu uso. Ficou evidenciado, então, que o relato de experiência como método de pesquisa ainda é algo muito rudimentar na pesquisa acadêmica, tornando-se lacuna a ser preenchida por novos e mais densos trabalhos de pesquisa.</p> </div> </div> </div> 2022-07-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11113 O ensino da Economia e da Contabilidade em Portugal e as necessidades de rejuvenescimento da classe docente 2022-07-23T13:05:08-03:00 Pedro Ribeiro Mucharreira prmucharreira@ie.ulisboa.pt <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O presente artigo pretende caracterizar a evolução recente do número de professores, com qualificação profissional, a lecionar no grupo de recrutamento “430 – Economia e Contabilidade”, em Portugal, num contexto de crescente envelhecimento da classe docente. De acordo com estatísticas oficiais e através de cálculos do autor, verifica-se que se tem registado, nos últimos anos, uma clara estabilização do número de docentes em exercício, pertencentes a este grupo de recrutamento, na ordem dos 2000 profissionais. Assumindo a estimativa de aposentações e os diplomados previstos, o sistema educativo português necessitará, até 2030, de mais 1396 professores com habilitação profissional no grupo de recrutamento “430 - Economia e Contabilidade”.</p> </div> </div> </div> 2022-07-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11138 O que dizem os estudantes sobre intersexo: um estudo comparativo em duas universidades 2022-07-28T18:08:53-03:00 José Paulo Gomes Brazão jbrazao@staff.uma.pt Alfrancio Ferreira Dias diasalfrancio@academico.ufs.br <p>Este artigo apresenta uma análise da subcategoria de intersexo, no decurso de um estudo comparativo na Universidade da Madeira, UMa (Portugal) e na Universidade Federal de Sergipe, UFS (Brasil) sobre “Vozes dos estudantes universitários sobre a diversidade sexual e de gênero, sua relação com a coeducação e com a inovação pedagógica.” Foi adotada uma abordagem qualitativa, com aplicação de um questionário com questões abertas e fechadas e o visionamento de um vídeo sobre o tema. Foi feita a análise de conteúdo aos dados. Os resultados comparados mostram que existe um enorme desconhecimento do conceito de intersexo entre os ex-estudantes das duas universidades bem como pouca participação em conversas e debates sobre o tema.&nbsp; Observa-se que tanto os ex-estudantes da UMa como os da UFS valorizam o conceito de intersexo e reconhecem a necessidade de discuti-lo. Os ex-estudantes da UFS são mais participativos que os da UMa e os únicos a emitir opiniões concordantes com a construção / reconstrução da identidade intersexual, centrada na subjetividade individual. Também reconhecem que existem constrangimentos sociais, preconceitos e tabus que dificultam a afirmação das pessoas intersexo. A intersexualidade apresenta-se para a maioria dos participantes como um tema complexo. Verificou-se interesse geral em conhecer o conceito, em respeitar as pessoas bem como de as apoiar na reconstrução da identidade intersexual por via da valorização da perspetiva pessoal e subjetiva. Considera-se este aspeto concordante com a luta pelas causas do movimento intersexual pois a liberdade das pessoas intersexo passa pelo respeito pela humanidade e pela diversidade biológica dessas pessoas.</p> 2022-08-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 José Paulo Gomes Brazão, Alfrancio Ferreira Dias https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11177 A prática de atividades lúdicas e o processo de aprendizagem dos alunos em contexto da Covid-19 2022-08-06T14:57:38-03:00 Arsénia das Dores Rafael N’Dala aquenklave@gmail.com José Valério Samuel jvpsamuelson@gmail.com Almeida Meque Gomundanhe amequegomundanhe@gmail.com <p>O presente estudo tem como objetivo analisar as implicações da Covid-19 na prática de atividades lúdicas e na aprendizagem dos alunos dos 6 a 7 anos de idade. O estudo foi realizado numa das escolas primárias completas da cidade de Lichinga, Província de Niassa, em Moçambique, no período compreendido entre 2020 a 2021. Para o alcance desse objetivo foi adotada uma abordagem qualitativa. Para o processo de recolha de dados recorreu-se a técnica de entrevista estruturada aplicada a quatro professores. O tratamento de dados foi feito por meio das técnicas de análise de conteúdo e de triagulação de dados.Os resultados revelam que a Covid-19 limitou a prática de atividades lúdicas em sala de aula e, consequentemente, o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos por meio de brincandeiras. Assim sendo, urge a necessidade de se repensar nas atividades lúdicas que possam ser realizadas individualmente em tempos da pandemia da Covid-19.</p> 2022-08-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Arsénia das Dores Rafael N’Dala, José Valério Samuel, Almeida Meque Gomundanhe https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11171 A importância dos movimentos sociais na formulação de políticas educativas em Moçambique para o desenvolvimento sustentável dos territórios 2022-08-05T03:55:03-03:00 Timoteo Gentil Papel gentilpapel@gmail.com <p>O presente artigo analisa a importância dos movimentos sociais na formulação de políticas educativas em Moçambique para o desenvolvimento sustentável dos territórios. Para a elaboração da pesquisa, recorreu-se ao método usado nas pesquisas exploratórias que serve para desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias e que, habitualmente, envolve levantamento bibliográfico e documental, entrevistas não padronizadas e estudos de caso. Do estudo, nota-se que mais do que pensar a educação como um problema de eficácia escolar, há necessidade, não só para os movimentos sociais, mas também para toda a sociedade, de se repensar a educação com o objetivo de proporcionar uma formação mais ligada aos processos de desenvolvimento, garantindo, assim, maior capacidade de transformação, a partir das características de cada território e proporcionando, em simultâneo, melhor qualidade de vida às pessoas da comunidade que o integram. Uma tal ideia obriga a reforçar o entendimento do território como possibilidade de espaço educativo, ou seja, como meio envolvente, agente e conteúdo da educação, permitindo a todas as pessoas que nele interagem uma capacidade de interpelação que deverá constituir o único fator limitativo da construção do bem-estar comum.</p> 2022-08-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Timoteo Gentil Papel https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11175 Didáticas insurgentes da relação professor e estudante no ensino de Filosofia 2022-08-06T13:22:22-03:00 Fabrício Oliveira da Silva fosilva@uefs.br <p>O trabalho tem como objetivo compreender as didáticas insurgentes que professores de Filosofia desenvolvem na universidade. As discussões partem da compreensão de conceber que os professores da área de Filosofia habitam a profissão docente revelando práticas que emergem da relação com os estudantes e das tessituras peculiares do campo filosófico. O estudo ancora-se na abordagem (auto)biográfica, por facultar a aproximação do objeto de estudo com a epistemologia (auto)biográfica, pois quem narra a própria vida, ao narrar, estabelece relações temporais e situacionais consigo mesmo e com aqueles com quem se relaciona pedagogicamente durante a sua atuação profissional. O dispositivo de pesquisa utilizado foram as entrevistas narrativas, desenvolvidas com quatro professores que atuam nos cursos de licenciatura em Filosofia em duas universidades públicas do estado da Bahia. Os resultados apontaram que as didáticas insurgentes estão caracterizadas por estratégias que os docentes utilizam para desenvolver aulas de Filosofia na universidade, mobilizados pela necessidade de interação professor e estudante nos contextos de aulas remotas. </p> 2022-08-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Fabrício Oliveira da Silva https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11183 Uma aprendizagem não tardia: considerações acerca da educação de jovens e adultos 2022-08-08T10:57:11-03:00 Gênesis Guimarães Soares genesis.gehp@gmail.com Ludmila Alves Dias ludmiladias1@hotmail.com Adenilson Souza Cunha Júnior adenilsoncunha@uesb.edu.br <p>O presente ensaio tem como objetivo central realizar algumas reflexões acerca da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e como essa modalidade de ensino pode ser vislumbrada a partir do viés do desenvolvimento humano, com foco na aprendizagem. Posto isso, devemos destacar que durante muitos anos prevaleceram percepções equivocadas acerca de como o adulto aprende, e em muitas delas os mesmos eram tidos como estudantes que não mais aprendem como as crianças e os adolescentes. Uma visão reducionista que não representa a realidade desses sujeitos que possuem trajetórias de vida e experiências únicas. Sendo assim, concluímos que a aprendizagem ocorre constantemente e ao longo da vida. Diante disso, compreendemos que os educandos da EJA são indivíduos que possuem habilidades cognitivas necessárias para um desenvolvimento reflexivo, crítico e complexo.</p> 2022-08-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Gênesis Guimarães Soares, Ludmila Alves Dias, Adenilson Souza Cunha Júnior https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11193 Egressos da faculdade La Salle Manaus: impactos da graduação 2022-08-10T13:36:01-03:00 Francisco José Souza Bezerra franciscobezerra4617@gmail.com Vera Lucia Felicetti vera.felicetti@unilasalle.edu.br <p>As instituições de Educação Superior possuem um papel importante no desenvolvimento da sociedade, pois, além de contribuírem com a formação profissional dela esperada, colaboram na formação ética, moral e humana de seus estudantes. A pesquisa em tela tem como objetivo analisar como se configura a inserção dos egressos da Faculdade La Salle Manaus na sociedade, considerando aspectos relacionados ao acesso, percurso e resultados da formação acadêmica. Participaram da pesquisa egressos graduados entre 2008 e 2019 que foram bolsistas ProUni ou não. O estudo tem natureza quantitativa. A configuração do egresso da Faculdade La Salle – Manaus – é evidenciada nas conquistas que a formação proporcionou. Para a maioria dos egressos, novas possibilidades laborais emergiram, houve aumento salarial, a atuação profissional é na área de formação, houve ascensão social enquanto primeiros membros da família a se graduarem em um curso superior, e observou-se os motivos da escolha do curso, entre outros aspectos. Os resultados evidenciam a relevância de programas e/ou políticas de governo que possibilitem o acesso à Educação Superior de grupos minoritários e, para além do acesso, o contínuo no curso até a sua conclusão.</p> 2022-08-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Francisco José Souza Bezerra, Vera Lucia Felicetti