ESCOLA PÚBLICA, FORMAÇÃO DOCENTE E AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/reed.v2i5.8836

Palavras-chave:

Escola Pública, Formação de professores, Ferramentas tecnológicas, Pandemia

Resumo

Este artigo configura-se um breve estudo de cunho qualitativo, com caráter analítico, tendo aporte na leitura de bibliografias e na análise sociológica inspirada nas percepções de Bauman (2001, 2008a e 2008b). Os teóricos Bazzo & Andreatta-da-Costa (2019), Canário (2005), Kenski (2012), Sancho (2006) e Libâneo (2020) contribuem para o ambiente da discussão tencionando o olhar para a formação docente, tanto inicial quanto continuada, em perspectiva humanizada face as suas ações na e no pós-pandemia. Sua finalidade está em refletir o tema da formação docente confrontada com o uso das ferramentas tecnológicas digitais, mediante o contexto atual da pandemia.  No entanto, entende-se que: a) do ponto de vista do homem líquido-moderno, a educação brasileira se configura na condição de produto para o mercado capitalista, objetificando as suas práticas no tempo-espaço agorista, fluido e liquidado; b) há necessidade de rever as ações pedagógicas, no contexto da pandemia; c) a escola pública brasileira, recebe como desafio formar o corpo docente buscando sensibilizá-lo para o uso das ferramentas tecnológicas digitais; d) considerando que as ações humanizadoras são indispensáveis nas práticas cotidianas da escola pública torna-se pertinente os espaços reflexivos e dialógicos ensejando a continuidade das aprendizagens escolares. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Marcelo Cavalheiro Félix, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul / UERGS - Litoral Norte. 

Referências

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008a.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Trad. de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Trad. de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008b.

BAZZO, Walter Antonio; ANDREATTA-DA-COSTA, Luciano. A Revolução 4.0 e seus impactos na Formação do Professor em Engenharia. Revista de Ensino de Engenharia, v. 28, n. 3, p. 28-39, 2019. http://revista.educacao.ws/revista/index.php/abenge/article/view/1542. Acesso em: 02 abr. 2021.

CANÁRIO, Rui. O que é a escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto Editora, 2005.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: um novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas: Papirus, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Que educação queremos no pós-pandemia? 2020. (2horas26seg). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_ZZSxJmuzQ8l. Acesso em: 14 set. 2020.

SANCHO, Juana María Gil. De tecnologias da informação e comunicação a recursos educativos. In: SANCHO, Juana María Gil et al. Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Art-Med, 2006.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

Félix, C. M. C. (2021). ESCOLA PÚBLICA, FORMAÇÃO DOCENTE E AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA . Revista De Estudos Em Educação E Diversidade - REED, 2(5), 1-19. https://doi.org/10.22481/reed.v2i5.8836

Edição

Seção

Ensaios Teóricos