https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/issue/feed Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2022-10-09T23:01:03-03:00 Lúcia Gracia Ferreira Trindade reed@uesb.edu.br Open Journal Systems <div align="justify">A <strong>Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED (ISSN 2675-6889)</strong>, visa dialogar com várias áreas do conhecimento pela sua temática e aspecto interdisciplinar. Ainda, a revista tem a intenção de colaborar com a ciência e seu o crescimento, com a produção, difusão e compartilhamento de informações (saberes/conhecimentos), buscando fortalecer e fomentar o conhecimento científico, contribuindo para o desenvolvimento do país.</div> https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11318 SUPORTES INVESTIGATIVOS E MINERAÇÃO DIGITAL: SISTEMATIZANDO RIQUEZAS QUE VÊM DOS DADOS 2022-09-06T22:09:46-03:00 Márcia Mineiro periciacontroladoria@yahoo.com.br Lúcia Gracia Ferreira lucia.trindade@uesb.edu.br Mara A. Alves da Silva mara@ufrb.edu.br <p>Este artigo tem como objetivo aportar o vislumbre de alguns suportes que permitem sistematizar riquezas investigativas oriundas de dados já produzidos e dispersos pela internet, além de apresentar a mineração digital. Para tanto, realizamos um estudo qualitativo, do tipo bricolagem, por meio do qual foi possível explorar teórica e metodologicamente, cinco perspectivas de suporte investigativo, a partir de um panorama atual sobre pesquisa, sendo: Diário de Pesquisa Digital; Fichamento Digital e <em>Checklist</em> Digital; e a Mineração Digital, apresentada como um tipo de pesquisa quanto aos procedimentos. Evidenciamos que neste processo de garimpar e lapidar os achados, foi possível apresentar aspectos contemporâneos sobre os modos de referências para os suportes investigativos diante do contexto de crescente uso das tecnologias digitais. Portanto, compreendemos que mudanças de paradigmas, de espaços, de características entre outros tendem a nos convocar para seguir por outros caminhos, e foi a partir desta provocação que chegamos até aqui, perspectivando potencialidades e limitações dos suportes investigativos.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/10550 PROJETO DE INTERVENÇÃO: EDUCAÇÃO SEXUAL COM FOCO EM GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA 2022-06-17T13:02:48-03:00 Izabele Gomes de Jesus izabele.gomes.31@gmail.com Phelipe Gabriel da Silva Vieira pgsv23@gmail.com Grégory Alves Dionor gadionor.bio@gmail.com <p>A gravidez na adolescência pode trazer consigo consequências negativas, tanto físicas quanto sociais. Nosso objetivo principal é descrever as experiencias um projeto de promoção da educação sexual, com foco em gravidez na adolescência, desenvolvido no contexto da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A intervenção ocorreu em turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental - EJA, abordando medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da gravidez na adolescência e promovam o autocuidado referente à sexualidade. Esperamos que os alunos possam praticar o que foi discutido, contribuindo de forma significativa para a possível redução da gravidez precoce, além de buscar sensibilizá-los quanto à grande responsabilidade que acarreta uma gravidez no período em que eles poderiam estar envolvidos com sua formação.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11396 A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA INFÂNCIA E O SURGIMENTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DO ASSISTENCIALISMO AO DIREITO 2022-09-28T12:31:46-03:00 Livia Karen Figueredo de Jesus livia.karen@hotmail.com <p>As crianças nem sempre foram alvos de cuidado e proteção, pois antes se tinha a ideia de que os pequenos seres humanos eram adultos em miniatura. No entanto, a história da humanidade é mercada por transformações que impactam no modo de pensar e agir na sociedade, o que leva a mudanças no modo de vida dos indivíduos. Dessa forma, transitamos de uma concepção em que adultos e crianças não tinha diferença para o entendimento das necessidades específicas que esta etapa da vida apresenta. Inclusive, compreendendo a importância de uma instituição fora do âmbito familiar para o atendimento dos indivíduos na etapa da infância. Assim, a partir de uma abordagem qualitativa, este texto tem por objetivo apresentar uma análise do surgimento da ideia de infância, das instituições de Educação Infantil no Brasil e as transformações que levaram o atendimento a partir de concepção assistencialista até o entendimento da criança como cidadã e o acesso as instituições como um direito. Por fim, consideramos que mesmo com inúmeros avanços na atualidade a Educação Infantil, instituída como direito, ainda carrega alguns desafios a serem superados.&nbsp;</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/10261 CONTRIBUIÇÕES DE CASOS DE ENSINO NA INVESTIGAÇÃO DE PROCESSOS DE APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE TUTORES DO MÉTODO PBL 2022-08-05T15:59:16-03:00 Jefferson da Silva Moreira jefferson.moreira@unifesp.br <p>O artigo apresenta resultados de pesquisa que analisou o potencial investigativo da construção de casos de ensino para compreender processos de aprendizagem da docência de tutores que atuam em curso universitário situado no estado da Bahia que adota o método <em>Problem-Based Learning</em> (PBL) na sua proposta curricular. Com efeito, busca-se respostas à seguinte questão: qual o potencial investigativo da construção de casos de ensino na compreensão de processos de aprendizagem da docência e desenvolvimento profissional de um grupo de tutores que atuam no método PBL? Contribuições teóricas de Mizukami (2004); Shulman (2014); Marcelo Garcia (2010) e Day (2012) deram sustentação à análise dos dados coletados por meio de casos de ensino nos anos de 2018 e 2019, e tratados a partir de pressupostos da análise de conteúdo. Os participantes revelaram que a oportunidade de construir casos de ensino os permitiu refletir sobre as práticas docentes habituais, além de analisar a complexidade dos contextos em que estão inseridos. Eles também afirmaram que os casos de ensino favoreceram refletir e se distanciarem dos acontecimentos cotidianos, buscando ressignificações para sua atuação profissional. Aponta-se o potencial dos casos de ensino como promissor dispositivo de investigação do desenvolvimento profissional de docentes desprovidos de uma formação inicial no campo didático-pedagógico.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11390 FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA E NO AMBIENTE ESCOLAR PARA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA 2022-09-26T17:12:48-03:00 Maylan Barbosa Santos maylan-barbosa@hotmail.com Lilian Moreira Cruz lmcruz@uesc.br <p>A inclusão escolar é para além das políticas públicas, e, partindo disso, a presente pesquisa aborda a importância das flexibilizações curriculares na educação básica e os seus reflexos nas práticas pedagógicas referentes ao processo de inclusão de alunos/as com Deficiências, Transtorno Global do Desenvolvimento e Altas Habilidades/Superdotação. A grande inscrição de crianças na educação inclusiva tem demandado modificações nas políticas públicas e na estrutura curricular, exigindo contemporização para tornar as unidades escolares em ambientes também inclusivos. O objetivo é analisar a adaptação ou flexibilização curricular nas práticas pedagógicas para o acesso e aprendizagem de alunos/as, público-alvo da Educação Especial, a partir de análises de documentos norteadores da educação inclusiva e o Projeto Político Pedagógico. A abordagem de pesquisa utilizada na realização neste trabalho foi a qualitativa, alicerçada na pesquisa de campo exercida através da observação e de escritos em diários de bordo que sucedeu durante o período do Estágio Supervisionado obrigatório III, referente às práticas pedagógicas frente ao processo de inclusão escolar. Destarte, conclui-se que para efetivação da inclusão escolar é necessário mais que leis e estruturas, é preciso um romper paradigmas e construir currículos emancipatórios, democráticos e flexíveis.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11123 DESAFIOS NA PRÁTICA EDUCATIVA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONCEPÇÕES DOS PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL 2022-08-05T16:12:18-03:00 Juanice Pereira Santos juanice.ahss@yahoo.com.br Daniel Rodrigues Silva Luz Neto danieltabuleiro1@gmail.com Maria Solange Melo de Sousa solangemelosousa@gmail.com <p>A educação atual estabelece uma quebra de paradigmas para efetivar a inclusão de alunos da Educação Especial no ensino regular na perspectiva da Educação Inclusiva. Esse processo é desafiador para a escola e para os professores que têm alunos com deficiência. A pesquisa objetivou investigar quais as dificuldades e desafios enfrentados pelos professores nos Anos Finais do Ensino Fundamental com relação ao processo de inclusão de alunos com deficiência intelectual. Utilizou-se a metodologia qualitativa de caráter exploratório com aplicação de questionários e de entrevistas semiestruturadas. Como aporte teórico, são evidenciados os estudos de Mantoan (2003), Pletsch e Glat (2012), Oliveira (2017), Michel, (2005), Gil (1999), entre outros. Os resultados apontam que, apesar da necessidade de incluir os alunos com deficiência intelectual no ensino regular, os professores enfrentam dificuldades, como a ausência de formação voltada à inclusão, o processo de inclusão, conhecer os alunos de forma integral, escassez de recursos tecnológicos e a aprendizagem dos alunos com deficiência intelectual. Portanto, faz-se necessário um diálogo a respeito da escola inclusiva atual na busca de uma escola instrumentalizada, de um corpo docente preparado com linguagem, conceitos, valores e perspectiva do ensino no presente.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11426 ESTADO DO CONHECIMENTO: FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EXERCÍCIO E CONCEPÇÕES SOBRE PRÁTICA REFLEXIVA 2022-10-05T08:05:32-03:00 Roselane Duarte Ferraz rduarte@uesb.edu.br <p>Pesquisar sobre a formação de professores em exercício fomentou a realização de uma revisão de literatura, intencionando analisar as concepções de prática reflexiva que emergem nas pesquisas sobre a formação de profissionais da educação em exercício. Para tanto, o campo empírico foi constituído por teses e dissertações publicadas no catálogo do Banco de Teses da Capes, no período de 2007 a 2012, a partir dos descritores “prática reflexiva”, professor reflexivo”, “formação em exercício/serviço”. Na realização deste trabalho, as pesquisas voltadas para a valorização dos profissionais da docência e sua formação serviram de base teórica, estabelecendo um diálogo com os estudos de Schön (1995; 2000), Zeicnher (1993; 1995; 2008), entre outros autores. A técnica de análise de conteúdo foi utilizada na organização dos dados, referendado em Bardin (2010). Os resultados demonstram que os estudos focalizam as influências da formação em exercício sobre o trabalho pedagógico dos professores em sala de aula, assim como buscam analisar as políticas públicas de formação docente e as ações tomadas pelas instituições superiores de ensino ao implantarem essas formações emergenciais. Os dados revelam que embora defenda-se a formação prática reflexiva, os cursos apresentam fragilidades nas suas proposições em fomentar mudanças nas práticas dos professores-cursistas.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11443 PERCURSOS FORMATIVOS DA ETNOGRAFIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO: RESSONÂNCIAS DA ELABORAÇÃO DE UM PROTÓTIPO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 2022-10-09T23:01:03-03:00 Maria de Fátima Silva da Rocha fatimaandludy@gmail.com Ester Maria de Figueiredo Souza efigueiredo@uesb.edu.br <p>O artigo aborda etnografia colaborativa em educação (BORTONI-RICARDO; 2008) e seus pressupostos, com ênfase aos percursos formativos docentes para o ensino de língua portuguesa, por meio da aplicação de protótipos didáticos. Sustenta-se na concepção de linguagem como prática discursiva, concebendo a leitura, a escrita e a oralidade como práticas interacionais. Apresentam-se resultados da experiência da elaboração colaborativa do protótipo didático, configurando-o como recurso metodológico assentado na pedagogia dos multiletramentos (ROJO; MOURA, 2012).</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11391 Editorial 2022-09-26T20:52:39-03:00 Mara A. Alves da Silva mara@ufrb.edu.br 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11416 Expediente 2022-10-01T01:24:30-03:00 Roselane Duarte Ferraz rduarte@uesb.edu.br 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11417 APRESENTAÇÃO DO DOSSIÊ TEMÁTICO: “GÊNERO, SEXUALIDADE E DIVERSIDADE SOCIOCULTURAL NA EDUCAÇÃO” 2022-10-01T01:31:28-03:00 Cristina Silva dos Santos cristinasantos@uesb.edu.br Zoraide Santos Vieira zoraide@uesb.edu.br Rita Maria Radl-Philipp ritamrald@usc.es Priscila Figueiredo priscilafg@hotmail.com <p>O debate de gênero e sexualidade tem evidenciado as inquietações vivenciadas em diversos segmentos e contextos socioculturais.&nbsp; O processo de desenvolvimento de falas integra a construção constante e metamorfoseada dos conceitos e identidades relacionadas com o gênero e os e papeis sexuais e sociais de acordo com as representações dos corpos. Desta forma, a articulação dos estudos de gênero deve proporcionar diversas abordagens associando-se a outras categorias de análises presentes no tempo e espaço como classe, etnia, raça e gerações, bem como movimentos socioculturais. Trata-se de um dossiê que tem como tema central gênero, sexualidade e diversidade, apresentando abordagens e contextos socioculturais transitando pelos movimentos feministas e LGBTQI+, violência contra a mulher, formação de identidades sexuais e de gênero, desigualdade de gênero, modelos binários e heteroformativos estabelecidos em nossa sociedade.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11288 TORNAR-SE UNIVERSITÁRIA NA MEIA-IDADE: QUESTÕES DE GÊNERO, REFLEXÕES NECESSÁRIAS 2022-08-29T12:12:15-03:00 Zoraide Santos Vieira zoraide.uesb@gmail.com Cristina Silva dos Santos cristinasantos@uesb.edu.br Maria Cristina dos Santos Oliveira cristinaitapetinga@yahoo.com.br <p>Debater sobre a presença da mulher de meia idade na universidade vem se mostrando de grande importância para compreensão da sociedade contemporânea e na construção de políticas públicas no campo da educação. O estudo tem por objetivo analisar as vozes de mulheres da faixa etária entre 40 a 60 anos e seus desafios e enfrentamentos no processo de inserção no ensino superior no curso de pedagogia da UESB - Campus Itapetinga. A metodologia utilizada foi de abordagem qualitativa, descritiva, 12 mulheres voluntárias, na faixa etária entre 40 a 60 anos fizeram parte da amostra. Os dados foram coletados através de um formulário virtual enviado ao e-mail das mulheres. Os resultados foram analisados com fins de ampliar a compreensão sobre a realidade estudada e demonstraram a naturalização dos aspectos de subordinação da mulher em relação ao homem, nas relações de poder presentes no tradicional modelo de família patriarcal. Políticas públicas estratégias educacionais capazes de ressignificar os papeis da mulher no mundo contemporâneo.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11407 MULHERES NAS CIÊNCIAS: UMA QUESTÃO DE GÊNERO? 2022-09-30T00:52:20-03:00 Cristina Silva dos Santos cristinasantos@uesb.edu.br Rita Maria Radl-Philpp ritam.radl@usc.es Zoraide Santos Vieira zoraide.uesb@gmail.com <p>Propomos, por meio deste artigo, analisar a inserção da mulher no processo do ensino, bem como, refletir sobre dinamização e popularização das políticas públicas de ensino superior direcionadas para as Ciências Exatas. Optamos por uma abordagem de caráter qualitativo, tendo como base a pesquisa bibliográfica e principais interlocutores Simone de Beauvoir (1980), Radl-Philpp (2008; 2010; 2013) &nbsp;e Louro (2007; 2001), além de recorrermos aos bancos de dados do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) dentre outros recursos tecnológicos para identificarmos a participação de homens e mulheres nos programas de oferecimento de recursos para bolsistas de pesquisas nas áreas das Ciências Exatas. Percebemos que só por meio de incentivo aos estudos na área de exatas poderemos superar o processo de segregação existente entre homens e mulheres. Os construtos biológicos e sociais traçados pela sociedade evidenciam um processo de exclusão vivenciado pela mulher. As políticas e os programas estabelecidos pelo governo e pelas instituições de ensino e pesquisa podem contribuir significativamente para a redução da exclusão social da mulher.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/10939 PROJETOS DE INCENTIVO E PERMANÊNCIA DE MULHERES EM ÁREAS DA STEM 2022-06-08T16:25:29-03:00 Débora de Lima Velho Junges deborajunges@gmail.com Lucas Pereira da Rosa lucaseditor@gmail.com Valéria Gislaine Grocinotti grocinotti13@gmail.com <p>Este estudo tem como objetivo apresentar os resultados de uma pesquisa que procurou mapear iniciativas brasileiras que incentivam as mulheres na STEM e apresentar suas principais características a fim de explorar as potencialidades do impacto em âmbito educacional, em especial no ensino superior. A fundamentação teórica utilizada no estudo é vinculada às discussões pertinentes à inserção e permanência de mulheres em áreas da STEM. No que se refere à metodologia, ela se constituiu em um mapeamento sistemático de projetos, programas e iniciativas inseridas na temática de escopo desta pesquisa e que estavam ativas no primeiro trimestre de 2022. Os principais resultados do estudo apontam duas categorias predominantes: a primeira relacionada às iniciativas que são descritas como projetos de extensão e a segunda a respeito de iniciativas que buscam promover a imagem das mulheres em carreiras STEM pela divulgação em mídias sociais.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11299 GÊNERO, NORMA, CORPO E PODER: CONCEITOS PARA ANALISAR UM CURRÍCULO DE CONTOS DE FADAS 2022-09-01T10:17:32-03:00 Maria Beatriz de Freitas Vasconcelos mariabeatrizrn@hotmail.com Maria Carolina da Silva Caldeira mariacarolinasilva@hotmail.com <p>O artigo tem como objetivo discutir o conceito de gênero, como vem sendo pensado pela filósofa Judith Butler, e suas potencialidades para analisar currículos culturais. Para isso, realiza uma discussão teórica, em que se articulam os estudos realizados por Butler aos pressupostos de Michel Foucault e de algumas teóricas feministas contemporâneas. Argumenta-se que os conceitos de norma, corpo e poder são fundamentais para a compressão do conceito de gênero na perspectiva desenvolvida pela filósofa e que essa articulação é potente para analisar currículos culturais. Para evidenciar como isso ocorre, analisam-se, também, alguns Contos de Fadas que constituem <em>um currículo de Contos de Fadas </em>analisado em uma dissertação de mestrado. Com base na perspectiva pós-crítica do campo curricular, particularmente nas contribuições dos estudos culturais, mostra-se como esses elementos funcionam para a análise desse currículo, evidenciando tanto a reiteração das normas de gênero, como as possibilidades de resistência a elas.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11229 GÊNERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO: COMO EGRESSOS DO ENSINO MÉDIO AVALIAM A EXPERIÊNCIA QUE TIVERAM NAS AULAS DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 2022-08-18T19:42:08-03:00 Helder Júnio de Souza helder.junio@hotmail.com Adla Betsaida Martins Teixeira adlaufmg@gmail.com <p>Este artigo busca analisar a avaliação que egressos do Ensino Médio fizeram sobre as aulas que tiveram sobre o tema Gênero e Sexualidade enquanto conteúdo programático das disciplinas de Filosofia e Sociologia. Esse conteúdo foi ministrado por um dos pesquisadores numa escola particular em Sabará e as aulas ocorreram no 2º ano do Ensino Médio como parte integrante do conteúdo do 2º bimestre em 2019. Nesse sentido, o objetivo aqui é compreender qual a importância que essas aulas tiveram para os egressos, e seus respectivos posicionamentos, em relação à compreensão sobre questões relativas às temáticas de Gênero e Sexualidade. A metodologia adotada foi de questionário aberto aplicado através do Google Forms, na qual o contato com os participantes se deu a partir de meios digitais em out/21, devido ao contexto da pandemia. Os relatos mostram um amadurecimento pessoal ao analisar seus anseios/ dúvidas/ inseguranças antes e após as experiências nas aulas. A importância de se trabalhar essa temática em sala de aula ultrapassa os limites e necessidades do contexto escolar, contribuindo para a vivência da própria sexualidade, como também do respeito à diversidade sexual e de gênero e da necessidade de se trabalhar esse conteúdo dentro da sala de aula.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11302 PEDAGOGIA FEMINISTA: DAS NOVAS PRÁTICAS DE MATERNAGEM À EDUCAÇÃO ESCOLAR LIBERTÁRIA 2022-09-01T16:19:01-03:00 Luana Borges Lemes luborgeslemes@gmail.com Mariana Borges Lemes mariblemes@hotmail.com <p>Esta pesquisa objetiva relacionar as narrativas de maternagem feminista de mães entrevistadas e as práticas pedagógicas voltadas à diversidade sociocultural nas escolas a partir de revisão bibliográfica sobre aprendizagem e equidade de gênero. A partir de entrevistas, identificam-se novas práticas de maternagem voltadas à equidade de gênero atribuídas às militâncias feministas e a educação das crianças com diálogos reflexivos e questionamentos acerca do sexismo, para fomentar relações igualitárias de gênero, sexualidade e diversidade sociocultural. Nessa educação há uma intrínseca valorização dos direitos humanos nas relações familiares, escolares e no entorno social, que ratifica a pedagogia crítica feminista, que neste estudo agrega às práticas escolares o combate do sexismo nas infâncias, a fim de contribuir à formação de caráter e de cidadania dos(das) estudantes com equidade de gênero, desconstruindo preconceitos e ampliando possibilidades às crianças e aos planos pedagógicos.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11284 RELAÇÕES SOCIAIS DE GÊNERO NO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA 2022-08-28T20:57:00-03:00 Benedito Eugenio dodoeugenio@gmail.com Renata Ramos dos Santos renatarh10ramos@gmail.com Silvia Regina Marques Jardim silvia.regina@uesb.edu.br <p>O presente artigo aborda as relações socais de gênero no livro didático de Geografia do 7º ano do Ensino Fundamental, utilizados pela rede municipal de Educação de Vitória da Conquista- Bahia. A pesquisa realizada é qualitativa do tipo documental. Quanto aos objetivos, é uma pesquisa descritiva. Fazemos uma descrição dos textos e imagens presentes em ter coleções de livros didáticos. As conclusões apontam que os autores, de um modo geral, trabalham a categoria gênero de maneira superficial e sob o ponto de vista biologizante, resumindo somente entre as diferenças entre homens e mulheres. Não há o favorecimento de uma abordagem crítica que permita aos educandos/as o rompimento com os estereótipos construídos social e culturalmente que acentuam as diferenças entre homens e mulheres.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11244 VISUALIDADES DA COLONIALIDADE: ANÁLISE CRÍTICA DAS ESTRUTURAS DE GÊNERO NA CULTURA VISUAL PARA UMA EDUCAÇÃO LIBERTADORA 2022-08-20T18:12:55-03:00 Ludmilla Pollyana Duarte ludmilla.duarte91@gmail.com Larissa Melo Mendes mendeslarissamelo@gmail.com <p><span class="TextRun SCXW121965289 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW121965289 BCX0">Este trabalho traz reflexões que aproximam o campo da Cultura Visual às perspectivas Decoloniais através de bricolagens epistemológicas expressas aqui na relação entre Visualidade/Colonialidade. Por entender que a prática cultural do olhar, historicamente torna visíveis ou invisibilizam e negam determinados sujeitos e saberes (ROSE, 2016) e que a subversão da lógica de poder da colonialidade perpassa pelas dimensões teórica/ética/estética/política (SEGATO, 2012). Para tal, analisamos criticamente visualidades da colonialidade do poder, desde obras históricas até memes da internet que objetificam a mulher no âmbito familiar no Brasil, país com altas estatísticas de feminicídio - crime que acontece em maior parte nas relações familiares. Dessa forma, vislumbramos construções culturais que fundamentam a manutenção e naturalização de práticas violentas de dominação, estas que constituem os modos que vemos ou não a existência dos sujeitos e das sujeitas no mundo. Diante desse fenômeno e baseadas nas análises realizadas no presente trabalho, seguimos as pistas deixadas por Paulo Freire (2004) e buscamos delimitar o papel da educação, para além da escola, como instrumento da autonomia e libertação das mulheres marcados na concepção de educação transgressora da escritora feminista negra Bell Hooks (2013).</span></span></p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11170 A CISGENERIDADE EM NEGAÇÃO: APRESENTANDO O CONCEITO DE OFENSA DA NOMEAÇÃO 2022-08-04T23:04:31-03:00 Bruno Latini Pfeil brunopfeil8@gmail.com Cello Latini Pfeil mltpfeil@gmail.com <p>Neste artigo, temos como objetivo analisar o que denominamos de “ofensa da nomeação”, remetendo ao conjunto de mecanismos utilizados pela cisgeneridade para negar sua localização social cisgênera. Ao contrário das terminologias voltadas à transgeneridade, que surgiram ao final do século XIX e ganharam força na década de 1960, o conceito de cisgeneridade surgiu somente nas últimas décadas do século passado, e tem ganhado força recentemente. Se a transgeneridade foi nomeada por pessoas cisgêneras em uma ótica de patologização e com aportes institucionais acadêmicos, a cisgeneridade foi nomeada por pessoas trans por uma lente crítica e de oposição às normas de gênero da modernidade/colonialidade; é um conceito criado no seio de movimentos sociais, fora da academia. Percebe-se uma diferença concreta entre os discursos de pessoas trans e os de pessoas cis sobre seus pertencimentos sociais, remetendo-nos à recusa, por parte de pessoas cis, em reconhecerem sua cisgeneridade. Desse modo, procuramos investigar os obstáculos que perpassam a aplicação e o reconhecimento do conceito de cisgeneridade por pessoas cisgêneras, especialmente no meio acadêmico, que é o território de nossa pesquisa.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11380 MEU CORPO, DE QUEM SÃO AS REGRAS? PARTEIRAS TRADICIONAIS E A INSTITUCIONALIZAÇAO DO PARTO NO BRASIL: UMA QUESTÃO DE GÊNERO E EDUCAÇÃO 2022-09-22T15:36:32-03:00 Zoraide Santos Vieira zoraide.uesb@gmail.com Rita Maria Radl-Philipp ritamrald@usc.es <p>O ofício de partejar é uma das mais antigas funções e das quais se encontram registros em quase todas as culturas. Durante séculos o parto foi considerado um cuidar privativo do gênero feminino, realizado por parteiras a mulher era protagonista. Com o advento da medicina, a assistência ao parto seguiu lógica produtivista, intervindo sobre o corpo feminino por vezes de maneira violenta. O conhecimento médico se constituiu lugar masculino e sua linguagem reproduz e corrobora assimetrias e desigualdades de gênero. A mulher não mais sujeito ativo, consciente, capaz de gestar e parir conforme seus desejos, mas um objeto passível do escrutínio médico e das instituições formais do cuidado. O presente estudo traz uma discussão teórica sobre a importância dos conhecimentos das parteiras tradicionais como necessárias ao resgate do protagonismo feminino no momento da parturição. É um estudo qualitativo, exploratório de cunho bibliográfico. Os dados mostraram que a forma como a atenção ao parto caminhou até chegar à atualidade ainda está longe do idealizado, encontra-se muito violento, desumano. O resgate do protagonismo feminino é um dos fatores essenciais para reconstrução de um modelo obstétrico diferente, baseado nos princípios da humanização e que depende de todos aqueles que participam deste momento singular.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11409 MASCULINIDAD HEGEMÓNICA, PRÁCTICAS SOCIALES DE VIOLENCIA DE GÉNERO Y EDUCACIÓN: ESTUDIO DE CASOS MÚLTIPLES EN ZARAGOZA 2022-09-30T10:05:46-03:00 Victor Hugo Perez Gallo dantes@ismm.edu.cu Zoraide Santos Vieira zoraide.uesb@gmail.com <p>En el presente texto se ofrece un acercamiento a las legitimaciones culturales del modelo androcéntrico de las masculinidades, desde el enfoque dramatúrgico de Goffman, haciendo énfasis en el desarrollo del self y las negociaciones entre los hombres para sostener los discursos legitimadores de su status dentro de las masculinidades hegemónicas.Partimos de un estudio de casos múltiples sobre las prácticas sociales masculinas que legitiman la violencia de género desarrollado en el 2020 en Zaragoza, España, que determinó que los hombres pertenecientes a las masculinidades hegemónicas adoptan roles dramatúrgicos y discursivos para cooperar en el grupo de iguales para el fortalecimiento del consenso social que legitime la violencia de género dentro del sistema patriarcal imperante y sus narrativas. Planteamos a los decisores de políticas públicas en Zaragoza de la necesidad de un modelo educativo basado en una axiología de la equidad de género que deconstruya las prácticas sociales de violencia hacia las mujeres legitimadas en las representaciones masculinas de relación de pareja</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11295 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE CRÍTICA SOBRE TECNOLOGIAS DE GÊNERO E RACISMO/ANTIRRACISMO 2022-08-31T09:12:12-03:00 Laysla Bomfim Adam laysla.adam@hotmail.com Nadson de Jesus Oliveira oliveiranadson3@gmail.com Raquel Souzas rsouzas@ufba.br Luciana Aguilar-Aleixo lucianaaleixo@uesb.edu.br <p><span style="font-weight: 400;">As discussões que circundam as temáticas de gênero, racismo/antirracismo e saúde têm alcançado grandes proporções no século XXI, uma vez que o intenso crescimento do preconceito, dos discursos de ódio e da disseminação de notícias falsas têm intensificado a desigualdade, racismo e misoginia. Debates se fazem cada vez mais necessários e a divulgação científica tem sido essencial, popularizando o conhecimento científico e favorecendo o bem-estar da sociedade e o combate à violência. Esta pesquisa-ação avalia o potencial da mesa-redonda: “Entre o Biológico e o Social: tecnologias de gênero, racismo/antirracismo e saúde” na desmistificação de conceitos embasados no determinismo biológico, favorecendo um ensino mais plural e humano. Realizado em 17 de junho de 2021 pelo projeto de extensão “Evolução Para Todos” em modalidade online, o evento contou com duas convidadas que apresentaram a relevância destas temáticas com base nas vivências e pesquisas realizadas por elas, para um público de diferentes formações e localidades. O evento proporcionou conhecimento e reflexão mais aprofundada das temáticas, e evidenciou como a divulgação científica é uma aliada essencial na construção de uma sociedade mais consciente e humanizada.</span></p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/11392 ANÁLISE DO ACESSO, DA PERMANÊNCIA E DAS RELAÇÕES DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DO IFS 2022-09-26T23:05:16-03:00 Ana Paula Leite Nascimento paulajcbrasil@yahoo.com.br Josiane Soares Santos josisoares@hotmail.com Maria Helena Santana Cruz helenacruz@uol.com.br <p>O estudo analisa o acesso, a permanência e as relações de gênero no cotidiano escolar do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS). Abordou a democratização do acesso e da permanência estudantil; as construções sociais e relações de gênero que atravessam a vivência escolar, com análise de dados dos campi Aracaju, Lagarto e São Cristóvão. Caracterizou-se como pesquisa qualitativa; utilizou-se do levantamento bibliográfico e documental, da coleta e produção de dados e das entrevistas semiestruturadas. O contexto social investigado apontou que a democratização educacional deve articular as condições de acesso e permanência, considerando as desigualdades sociais e econômicas no Brasil. Constatou-se que as ações de Assistência Estudantil precisam considerar demandas cotidianas vinculadas às relações de gênero, enquanto potência e contributo para os enfrentamentos às práticas LGBTQIfóbicas, machistas, misóginas, às lógicas sexistas e cis-heteronormativas, às violências de gênero.</p> 2022-09-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED