Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed <div align="justify">A Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED (ISSN 2675-6889), visa dialogar com várias áreas do conhecimento pela sua temática e aspecto interdisciplinar. Ainda, a revista tem a intenção de colaborar com a ciência e seu o crescimento, com a produção, difusão e compartilhamento de informações (saberes/conhecimentos), buscando fortalecer e fomentar o conhecimento científico, contribuindo para o desenvolvimento do país.</div> Edições UESB pt-BR Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2675-6889 <p><strong>Você é livre para:</strong></p> <p>Compartilhar - copia e redistribui o material em qualquer meio ou formato; Adapte - remixe, transforme e construa a partir do material para qualquer propósito, mesmo comercialmente. Esta licença é aceitável para Obras Culturais Livres. O licenciante não pode revogar essas liberdades, desde que você siga os termos da licença.</p> <p><strong>Sob os seguintes termos:</strong></p> <p>Atribuição - você deve dar o crédito apropriado, fornecer um link para a licença e indicar se alguma alteração foi feita. Você pode fazer isso de qualquer maneira razoável, mas não de uma forma que sugira que você ou seu uso seja aprovado pelo licenciante.</p> <p>Não há restrições adicionais - Você não pode aplicar termos legais ou medidas tecnológicas que restrinjam legalmente outros para fazer qualquer uso permitido pela licença.</p> BRINQUEDOTECA HOSPITALAR NA CIDADE DE SÃO PAULO: HUMANIZAÇÃO E ASSISTÊNCIA À SAÚDE https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8074 <p>O artigo discute a brinquedoteca hospitalar no hospital pediátrico como recurso para humanização da assistência à saúde da criança em regime de internação. O objetivo do estudo é a identificação da situação da brinquedoteca hospitalar na cidade de São Paulo a fim de verificar a presença das condições entendidas como humanização hospitalar após a vigência da Lei n. 11.104/2005 que obriga a instalação desse equipamento. O procedimento metodológico é de natureza qualitativa, faz uso de questionário como recurso de coleta de dados junto a 11 profissionais escolhidos de acordo com o mapeamento das brinquedotecas hospitalares na cidade. Após análise dos resultados da investigação, verifica-se a necessidade de formação do profissional e de outras condições para que a brinquedoteca hospitalar seja reconhecida como parte inerente ao tratamento da criança. Observa-se que há brinquedoteca em nove dos 11 hospitais pediátricos da cidade de São Paulo que atendem criança em regime de internação, sendo que 55% delas representam a amostra desta pesquisa, entretanto, elas carecem de condições adequadas para atender às necessidades da infância. Os achados nesta pesquisa apontam a necessidade de ampliar o texto da Lei n. 11.104/2005 e fazer cumprir integralmente o direito ao brincar da criança no hospital.</p> Sirlândia Reis de Oliveira Teixeira Tizuko Morchida Kishimoto Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 263 286 10.22481/reed.v2i3.8074 (DE)FORMATION JOURNEY IN THE ELIAS CANETTI AUTOBIOGRAPHY NARRATIVE https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8180 <p>This article addresses the <em>Elias </em>Canetti’s autobiography from a formative point of view searching for another meaning for the trip concept, <em>in which desire and </em>pleasure are not present, <em>as one would expect from a </em>sightseeing tour or trekking, but a journey that, involuntary and forcibly, crosses the individual, (de)forming them. Accordingly, the refuge, the escape, the self-exile, they relate a path of personal tragedies that gains other meanings when narrated. Elias Canetti<em>’s</em> autobiographical narrative is divided in three volumes – “The tongue set free”, “The torch in my ear” and “The play of the eyes” – and tells us about the author’s migratory routes across a Europe crumbling under wars and totalitarian regimes which arose in the first half of the 20<sup>th</sup> century. His testimony is an account of a world that catches a glimpse of totalitarian experiences and the <em>trivialization of evil</em> that marks the history of Western civilization. Elias Canetti’s writings narrates <em>the roads he had to </em>take to avoid direct contact with the Great Wars, and exposes certain (de)formative aspects of migration, as well as how these experiences, so open to uncertainties and rid of any guaranties, appear before the eyes of a young man from a rich family, whose mother tried to protect from the perils of the world. This feature is one of many highlights, a sine qua non element in his stories, because that is where all the terror and pain lie for those who flee their homeland to venture into foreign lands in an almost instinctive attempt to survive. It is in this sense that we work the concept of (de)formation in its relation with the concept of journey.</p> Rodrigo Matos-de-Souza Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 287 297 10.22481/reed.v2i3.8180 CONTRIBUIÇÕES DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMANCIPATÓRIA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8168 <p>O presente trabalho procurou considerar os fundamentos da Pedagogia Histórico-Crítica enquanto orientação teórico-metodológica nas escolas do campo e uma educação ambiental crítica e emancipatória, na perspectiva de contribuir para a conscientização e transformação das crises que caracterizam a realidade global atual. No desenvolvimento da pesquisa, optamos por apreender o conhecimento como resultado do processo histórico, caracterizado pela ação do homem em si, imerso na constante agitação das formações e transformações sociais, que se movimentam do todo para as partes e das partes para o todo, determinando uma síntese circular na conformidade do contexto e da necessidade de aproximação, ou de distanciamento do pesquisador em relação ao objeto pesquisado, pois o conhecimento considerado por meio de sua função social propicia o enriquecimento da própria existência humana, ou seja, a <em>práxis</em> em sua dimensão transformadora. Podemos afirmar que a concepção de sociedade, de ser humano e de educação da Pedagogia Histórico-Crítica, incide significativamente sobre as possibilidades de entendimento e sobre o desenvolvimento da educação, particularmente, no que diz respeito à formação omnilateral dos sujeitos que vivem e trabalham no meio rural, a partir de uma prática social específica, consciente da realidade local e das demandas do mundo globalizado.</p> Ana Paula do Amaral Flávio Reis Santos Maria Cristina dos Santos Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 298 317 10.22481/reed.v2i3.8168 CARTOGRAFIA DAS PRODUÇÕES SOBRE PROFISSÃO DOCENTE EM CONTEXTOS DE DIVERSIDADE NA BAHIA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8099 <p>O presente estudo investigativo rastreia as produções sobre profissão docente em contextos de diversidade na Bahia, objetivando analisar as principais contribuições dos estudos realizados em nível de mestrado e doutorado em instituições do Ensino Superior no estado da Bahia. O estudo se efetivou pelo acesso ao repositório de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, no qual se mapeou trabalhos da área de Educação em Programas de Educação, no recorte temporal entre os anos 2007 e 2018. Tratou-se de um estudo de base qualitativa, inspirado na cartografia conforme preconiza Deleuze e Guattari (2011). O procedimento de pesquisa adotado foi a revisão sistemática, a partir dos descritores “Diversidade” e “Profissão Docente”, realizando o mapeamento dos trabalhos pelos títulos, resumos e palavras-chave. O estudo evidencia o cenário da produção de pesquisas no âmbito da Pós-Graduação na Bahia, em que a Diversidade e a Profissão Docente têm sido tomadas como elementos para se pensar estudos sobre a docência no contexto das discussões de gênero, sexualidade, raça/etnia, identidade, geração entre outros que compõem a base das discussões interculturais sobre as diferenças no campo educativo. Aponta ainda compreensões que se fazem em torno das categorias da diversidade e seus efeitos de sentidos, constituindo uma temática relevante e necessária na atuação profissional, sobretudo pelo viés de se pensar criticamente as compreensões que os pesquisadores têm desenvolvido em torno da diversidade e da própria profissão que exercem.</p> Ana Lúcia Gomes da Silva Ádina Nunes Rios Fabrício Oliveira da Silva Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 318 342 10.22481/reed.v2i3.8099 MOVIMENTO NEGRO, EDUCAÇÃO E PAN-AFRICANISMO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES EM TORNO DA LEI 10639/2003 E DAS DCNERER https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/7922 <p>O presente artigo tem como objetivo principal analisar a Lei 10.639, criada em janeiro de 2003, que estabeleceu a obrigatoriedade do ensino da História e da Cultura Africana e Afrobrasileira nos currículos escolares e as suas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais – DCNERER – criadas em 2004, problematizando as concepções de identidades negras presentes nessa Legislação e as reverberações do Pan-Africanismo nas mesmas. Ainda, objetiva analisar como o movimento negro, desde sua gênese, focou suas lutas em torno da educação, entendendo esse espaço como campo de luta para as conquistas da população negra. A análise desses Documentos possibilita inferir que eles representam um marco histórico importantíssimo no processo de luta contra o racismo no Brasil, porém mais do que a inserção de conteúdos relacionados às temáticas étnico-raciais no âmbito escolar, eles tencionam a fixação de um sentido de África singular e homogênea que objetiva a conformação de uma concepção de identidade negra, ideias gestadas no interior do movimento Pan-Africanista. O presente trabalho se baseia em revisão crítica de bibliografia sobre a temática e na análise documental da Legislação citada.</p> Cínthia Nolácio de Almeida Maia Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 343 359 10.22481/reed.v2i3.7922 EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM TEMPOS DE BARBÁRIE: QUESTÕES SOBRE OS DESAFIOS DO ENSINO REMOTO https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8134 <p>Discutir sobre os impactos do ensino remoto é um grande desafio, maior ainda perante a especificidade do público-alvo da Educação Especial, que por intermédio das lentes da Teoria Crítica, foi usada como suporte teórico para estabelecer um panorama crítico sobre a realidade. Buscou caracterizar as discussões através das leis atuais, em vista a proposta do ensino remoto com relação ao atendimento das demandas educacionais e pedagógicas e refletir acerca de sua implicação na inclusão desses estudantes no atual contexto de perdas, sobremaneira sobre o direito à educação formal. Como procedimentos/instrumentos metodológicos, foram utilizados a análise documental referente às políticas públicas inerentes aos ambientes virtuais de aprendizagem, além de sua concepção, implementação e refletir acerca da formação de professores e sua implicação na inclusão de estudantes público-alvo da Educação Especial. Os resultados desta investigação revelam que a escola está caminhando para uma proposta tecnológica de inclusão digital, mas com muitas fragilidades, fazendo com que a luta constante por uma escola inclusiva/democrática, seja real contra a exclusão e a barbárie.</p> Rosangela Costa Soares Cabral Joana da Rocha Moreira Allan Rocha Damasceno Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 360 374 10.22481/reed.v2i3.8134 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UM MAPEAMENTO DOS SUBPROJETOS NOS ANOS DE 2010-2020 https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8358 <p>Este artigo apresenta um mapeamento do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) no portal de periódicos <em>Scielo</em>, aplicando-se o filtro por meio dos termos Docência e PIBID. O PIBID configura-se como uma ação de formação inicial para a docência, desenvolvida pelo Ministério da Educação (MEC), voltada para os estudantes dos cursos de licenciaturas, objetivando aproximar a Educação Superior da Básica. Foram encontrados cinquenta e dois (52) artigos e um relato de caso como resultado da pesquisa na biblioteca eletrônica da <em>Scielo</em> (2010 a 2020), ao digitar “PIBID e docência” em <em>search. </em>Realizou-se uma análise interpretativista dos achados do mapeamento, que sinalizou que o PIBID configura-se como um espaço colaborativo, híbrido de afirmação da profissão docente, como também pode acarretar na tomada de decisão de desistência do percurso formativo para a docência. Os resultados listados por anos no intervalo entre 2010-2020 compõem e expõem as alterações dos formatos dos subprojetos de formação, bem como tipificam a permanência da tríade formativa: o professor supervisor, professor-colaborador da educação básica e licenciando.</p> Débora Rodrigues de Souza Ester Maria de Figueiredo Souza Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 375 391 10.22481/reed.v2i3.8358 PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E APRENDIZAGEM DOS EDUCANDOS DA EJA: PROBLEMATIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8119 <p>Este texto pretende analisar de que maneira as práticas pedagógicas contribuem para a aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos (EJA), a partir das percepções de educadores e educandos. Ressalta-se que o artigo é resultado de um trabalho de conclusão de curso realizado no curso de licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Metodologicamente, realizou-se uma pesquisa de campo, com o uso da observação participante e de entrevistas semiestruturadas. O trabalho teve como respaldo as ideias de teóricos como Oliveira (2007), Freire (1997) e Carvalho (2005). A partir dos resultados do estudo, foi possível perceber uma ambivalência nas práticas pedagógicas no contexto pesquisado. De um lado, puderam-se observar atividades que contemplassem os saberes dos educandos (debate sobre filme) e, por outro, constatou-se que as práticas tradicionais, como fazer cópias e aprender letras isoladas, são utilizadas e admiradas no atual cenário da EJA. Assim, este trabalho pretende ampliar discussões sobre a importância da formação docente, bem como um constante repensar sobre o fazer pedagógico dessa modalidade de ensino. Desse modo, espera-se que este estudo possa trazer algumas reflexões sobre metodologias e aprendizagens nas classes da EJA, considerando as especificidades que integram o perfil desse público.</p> Edileusa Miranda Santana Erica Bastos da Silva Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 392 410 10.22481/reed.v2i3.8119 Expediente https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8332 Fábio Viana Santos Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 1 5 Editorial https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8333 Rita de Cássia Souza Nascimento Ferraz Lúcia Gracia Ferreira Trindade Roselane Duarte Ferraz Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 6 6 APRESENTAÇÃO DO DOSSIÊ TEMÁTICO: REFLEXÕES CRÍTICAS SOBRE DIVERSIDADE E EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE EXTREMA-DIREITA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8334 <p>Apresentação do Dossiê</p> Arlete Ramos dos Santos Alícia Eugenia Olmos Allan Rocha Damasceno Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 7 14 10.22481/reed.v2i3.8334 CIÊNCIA E SOCIEDADE CIVIL SOB NECROPOLÍTICAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8100 <p>Neste artigo, por meio de evidências, fatos e teorias científicas, buscamos racionalizar elementos do cotidiano provenientes do reacionarismo e negacionismo mais recentes no Brasil e no mundo. O reacionarismo e negacionismo são modos de pensar e agir que compõe a estrutura política da extrema-direita mundial e são partes cruciais de movimentos anticiência e de políticas progressistas. Também integram o que chamamos de necropolítica, uma ordem de ações que impulsionam desigualdades sociais no mundo todo e que tem tido guarida no Brasil por meio do fenômeno do Bolsonarismo. Neste contexto, analisamos o cotidiano reacionário e negacionista da extrema-direita mundial e do Brasil, a fim de entender as motivações e as consequências nos mais diversos e importantes âmbitos que compõe a sociedade civil, tendo como foco a ciência, a educação e a saúde.</p> Everton Henrique Eleutério Fargoni Mayna Zacarias William Augusto Vicente João dos Reis Silva Júnior Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 15 33 10.22481/reed.v2i3.8100 LOS DESAFÍOS DE LA EDUCACIÓN RURAL EN TIEMPOS DE NEOLIBERALISMO, POLÍTICAS DE AJUSTE Y POBREZA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8335 <p>En este artículo nos proponemos analizar algunos efectos de las políticas neoliberales en el sector educación y, especialmente, en la educación rural.&nbsp; Desde finales del primer decenio de este siglo comienza a verificarse en América Latina un desplazamiento a la derecha en los gobiernos de la región.&nbsp; Luego de un comienzo de siglo que estuvo signado por un avance de gobiernos cuyas orientaciones generales pueden agruparse bajo la imprecisa designación de progresistas, gobiernos que buscaron ampliar el espacio de derechos de los pueblos, mejorar la distribución del ingreso, universalizar los servicios e incrementar la participación del sector educación en el PIB, se pasó a un proceso de restauración conservadora, sea por vía electoral o por vías violentas o fraudulentas.&nbsp; En esos contextos la Argentina, más tempranamente que casi todos ellos sufrió la desarticulación y el desfinanciamiento del sector educación, en un contexto de licuación de los ingresos de las familias, pauperización y, recientemente, pandemias, con efectos sobre la inclusión de vastos sectores de población. En este trabajo sostenemos que en este período sociohistórico la educación rural fue objeto de un embate disimulado en la penumbra de un proyecto de mejora diseñado y gestionado por gobiernos progresistas.</p> Alicia Olmos Pablo Fernández Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 34 46 10.22481/reed.v2i3.8335 A EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE EXTREMA-DIREITA: O ABANDONO EDUCACIONAL-TECNOLÓGICO NO CAMPO https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8097 <p>O presente artigo apresenta uma análise sobre a influência dos ideais de extrema-direita para o abandono das escolas do campo, e foca na infraestrutura tecnológica das escolas, com destaque para o estado da Bahia. Utilizamos a metodologia qualitativa exploratória, realizada por intermédio de revisão bibliográfica, que se concentrou em relatórios, artigos, dissertações e demais documentos. Constatamos através da pesquisa que a extrema-direita está, constantemente, atuando de modo a promover um ensino sem teor crítico, completamente focado nos anseios do capital, o que traz consequências negativas para o campo visto que é diminuído o investimento nas escolas rurais, e tal diminuição reverbera, em maior parte, em prejuízos na Tecnologia Digital nas escolas do campo, o que gera desigualdades educacionais, exclusão digital e cidadãos que não terão os conhecimentos necessários para o uso de Tecnologias Digitais, prejudicando seu aprendizado.</p> Igor Tairone Ramos dos Santos Eliane Nascimento dos Santos Arlete Ramos dos Santos Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 47 70 10.22481/reed.v2i3.8097 INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM PERSPECTIVA: ENTRE VELHOS DILEMAS E DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8093 <p>O presente artigo constitui-se no esforço de fomento a reflexão sobre a formação de professores que tem sido possível e como esse caminhar do processo formativo tem balizado a inclusão em educação, sobretudo no que diz respeito ao acolhimento dos estudantes com deficiências em salas regulares. Debatemos aspectos relativos às dimensões de sociedade, cultura, educação e formação fundamentam-se, sobretudo, na Teoria Crítica da Sociedade, especialmente representada pelo pensamento de Theodor Adorno. Destacamos também alguns autores que se dedicam as temáticas formação docente e inclusão em educação, como Ainscow, Damasceno, Carvalho, Costa, permitindo as inter(faces) propostas nas tessituras epistêmicas do texto. Nossas considerações finais apontam os desafios postos a todos os(as) professores(as) de resistência em tempos de pseudodemocracia no Brasil, o que implica na compreensão de que uma sociedade verdadeiramente inclusiva supõe, antes de tudo, o reconhecimento do fenômeno da exclusão social como uma característica da sociedade contemporânea.</p> Allan Rocha Damasceno Isabela Damaceno Cruz Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 71 88 10.22481/reed.v2i3.8093 AÇÕES DO PODER PÚBLICO E DAS COMUNIDADES NA LUTA PELO FECHAMENTO DE ESCOLAS NO CARIRI PARAIBANO https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8165 <p>O presente trabalho resulta da pesquisa de conclusão do curso de licenciatura em Educação do Campo, cujo objeto de estudo foram as ações do poder público e da comunidade no fechamento de escolas no município de Sumé (PB). A abordagem dialética contribuiu para compreender as ações realizadas no processo de fechamento e de resistência, a partir dos procedimentos de análise documental e de entrevista com os sujeitos diretamente envolvidos no processo.&nbsp; Para a análise das informações usamos o método de Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011), o que contribuiu para identificar, da parte do poder público, a ênfase nos argumentos econômicos para manter a escola com poucos alunos no campo, o argumento pedagógico de que a escola seriada na sede do município melhora a qualidade da aprendizagem e o argumento do fechamento das escolas como solução para extinguir as turmas multisseriadas. No que se refere às comunidades, identificamos ações de questionar o fechamento como algo natural, a visão da escola na comunidade como direito e a compreensão da escola como um espaço coletivo de vivência cultural, social e afetiva para a comunidade.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Danilo de Souza Farias Maria do Socorro Silva Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 89 114 10.22481/reed.v2i3.8165 EXTINÇÃO DA SECADI: A NEGAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO (PARA E COM A DIVERSIDADE) https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8149 <p>Do ponto de vista da garantia dos direitos a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) representou importante avanço ao dar visibilidade para sujeitos historicamente silenciados e excluídos do processo educacional. No entanto, a sua extinção no ano de 2016 evidencia o projeto educacional ancorado e em diálogo com a agenda política neoliberal e conservadora, que não só desconsidera todo caminho de luta e de garantias de direitos percorridos até então, como banaliza e apaga a memória histórica dos sujeitos para os quais as ações e programas da SECADI destinavam-se. Neste sentido, o presente estudo tem como objetivo desenvolver um quadro teórico analítico acerca da extinção da SECADI de modo a evidenciar os ataques à educação em tempos de extrema-direita. Metodologicamente, o estudo adota os moldes da pesquisa teórica bibliográfica de cunho qualitativo tendo como campo empírico os acontecimentos políticos ocorridos entre os anos 2015 e 2016 ancorando-se analiticamente no conceito de cenas de Rancière (2012). Do estudo empreendido conclui-se que a exclusão da SECADI significou a invisibilização e naturalização das diferenças, representando, portanto, a negação do direito à educação (para e com a diversidade).</p> Vanessa Campos de Lara Jakimiu Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 115 137 10.22481/reed.v2i3.8149 OCUPAR E RESISTIR: A LUTA SECUNDARISTA PELA TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO ESCOLAR https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8114 <p>Este trabalho analisou as transformações do espaço escolar a partir das ocupações secundaristas ocorridas no ano de 2016, tendo como referência o movimento do Instituto Federal Sul-rio-grandense - Campus Pelotas. Os/as estudantes produziram durante a ocupação diários e publicações em uma rede social, a fim de informar a sociedade sobre a organização do movimento e, é com base nestes materiais que desenvolvemos esta análise. Neste sentido, compreendemos o movimento de ocupação como questionador e tensionador do cotidiano e das relações estruturantes da escola que possibilitaram uma transformação deste espaço. Os/as jovens demostram, ao organizarem os movimentos de ocupação uma resposta a ideia de que a juventude é despolitizada e sem capacidade de articulação. Apontamos para as permanências do movimento, uma vez que os sujeitos envolvidos desenvolveram uma consciência de participação política e que questiona e mobiliza outras esferas sociais e atores políticos para ações que geram mudanças nas estruturas dominantes da sociedade. Por fim, consideramos relevante a articulação política do movimento na disputa do pensamento social, através de um rompimento com cristalizações do cotidiano da ordem do capital, reproduzido nas instituições formativas do pensamento.</p> Júlia da Rocha Clasen Livian Lino Netto Aline Accorssi Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 138 155 10.22481/reed.v2i3.8114 A “NOVA” POLÍTICA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COMO AFRONTA AOS DIREITOS HUMANOS: ANÁLISE CRÍTICA DO DECRETO 10.502/2020 https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/7908 <p>Neste artigo, realizamos problematizações de pressupostos do Decreto nº 10.502/2020, do governo Jair Messias Bolsonaro, que institui a “Política de educação especial: equitativa, inclusiva e com aprendizado ao longo da vida”. Com efeito, o objetivo geral deste estudo consiste em analisar criticamente o conteúdo do Decreto nº 10.502/2020, demonstrando suas incongruências e incompatibilidades com as conquistas da educação em direitos humanos no cenário brasileiro, em especial, nas duas últimas décadas. A seguinte questão nos convida à reflexão: quais intencionalidades político-pedagógicas manifestam-se presentes, ainda que implicitamente, no Decreto nº 10.502/2020 com implicações na educação especial/inclusiva? No que concerne aos aspectos metodológicos, caracteriza-se como um estudo qualitativo, de abordagem documental e bibliográfica, pautado em uma análise crítico-interpretativa das disposições gerais, princípios, objetivos e diretrizes presentes no Decreto nº 10.502/2020. Desse modo, realizamos problematizações, ponderações e argumentos que corroboram sobre os retrocessos dessa “nova política” como uma afronta aos direitos humanos e garantias legais conquistados pelo público-alvo da educação especial/inclusiva no cenário educacional nacional. Conclui-se que a “nova política” instituída pelo governo federal é a materialização do retorno às propostas segregacionistas e excludentes que marcam a história da educação especial no Brasil, ainda que revisto de novas roupagens e configurações.</p> Élida Cristina da Silva de Lima Santos Jefferson da Silva Moreira Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 156 175 10.22481/reed.v2i3.7908 CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO DO MST: PREPARAÇÃO PEDAGÓGICA E METODOLÓGICA PARA A COLETIVIZAÇÃO DA LUTA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8158 <p>O propósito deste artigo é apresentar alguns elementos que consubstanciam a base da concepção de formação do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra - MST. Nessa concepção, busca-se capacitar as pessoas da base social do movimento, dando-lhes as condições de formação social e política para o enfrentamento diário da luta de classes. Para o desenvolvimento das reflexões, ancoramos nas análises no documento do próprio MST (2009), bem como em autores como: Iasi (1999), Santos (2007), Bogo (2011) e Marx (1975). A discussão apreende a formação da consciência como processo do MST, discutindo as táticas e metodologias utilizadas e apresentando os desafios permanentes para que essa formação aconteça. O que ficou evidenciado é que, para o desenvolvimento da concepção de formação desse movimento, tem como ponto de partida a realidade imediata de produção e reprodução da vida dos trabalhadores (um dos princípios do MST), constituindo-se como uma das bandeiras de mobilização permanente e fundamentais para intervenção na realidade e, com isso, modificá-la. Assim, compreende-se a educação como um processo constante de transformação da prática cotidiana, na construção de outro projeto de sociedade. Essa experiência desenvolvida pelo MST aponta caminhos da formação, associados à participação, no rumo da construção dessa nova sociedade.</p> Antoniel Assis de Oliveira Maria de Fátima de A. Martins Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 176 195 10.22481/reed.v2i3.8158 POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DESAFIOS À FORMAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8090 <p>O presente texto tem por objetivo demonstrar como as Políticas Públicas de Educação Especial na perspectiva Inclusiva vêm acontecendo na prática escolar. Essa pesquisa foi realizada em uma escola da rede municipal de Duque de Caxias, localizada na Baixada Fluminense do Estado do Rio de Janeiro que possuía em seu quadro discente, estudantes com deficiência matriculados que contavam com apoio do Atendimento Educacional Especializado – Sala de Recursos Multifuncionais. Trata-se de um relato de experiência por meio de uma pesquisa exploratória, os instrumentos de coleta dos dados se deram por meio de observação da prática e da análise de documentos. Os resultados evidenciaram que a maioria dos alunos público-alvo da Educação Especial frequentavam o AEE e que embora as Políticas Públicas garantam a matrícula, o acesso e a permanência desses estudantes são ameaçados por falta de recursos, como: verbas para adequações dos espaços físicos, compra de material e capacitação dos profissionais. Por outro lado, muitas conquistas vêm acontecendo, como atendimento aos estudantes com deficiência na escola antes mesmo da implementação do Decreto N. 7611/2011. Portanto se ainda não atingimos todos os recursos necessários inerentes aos processos inclusivos, vislumbra-se o caminho para que a inclusão aconteça de forma efetiva e realmente satisfatória.</p> Célia Regina Machado Jannuzzi Loureiro Rosilene Lima da Silva Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 196 210 10.22481/reed.v2i3.8090 GUERRA CULTURAL NO (NEO)FASCISMO BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DOS PROGRAMAS ESCOLA SEM PARTIDO E FUTURE-SE https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8105 <p>O problema de pesquisa desse artigo é analisar, a partir da técnica da revisão da literatura, o caráter político dos programas Escola Sem Partido e Future-se, tendo em vista o conceito de Guerra Cultural. Entende-se que tal fenômeno é uma ferramenta política e social de colonização da subjetividade. Através da Guerra Cultural, se estabelece na sociedade um governo fascista. Observa-se que o avanço de ambos os programas agrava um contexto já adoecido, uma vez que as instituições primam em maior grau pelo recurso econômico, em lugar da qualidade educacional proporcionada. Esse fenômeno, puramente neoliberal, caracteriza-se por uma violência contra a educação. A crise política e educacional produz ressonância nos modos de sofrimento do brasileiro e implica em um desafio que inaugura o século XXI no Brasil, problemática esta que foi acentuada pela Covid-19. Faz-se urgente restaurar os escombros deixados pelo Bolsonarismo, bem como impedi-lo de avançar ainda mais. </p> João Luís Almeida Weber Lívia Fernandes Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 211 229 10.22481/reed.v2i3.8105 GÊNERO, IDEOLOGIA E PODER: UMA ANÁLISE CRÍTICA DOS DISCURSOS PARLAMENTARES SOBRE A POLÍTICA EDUCATIVA NO BRASIL https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8113 <p>Este trabalho propõe uma análise dos discursos de parlamentares da Câmara dos/as Deputados/as do Brasil em relação à temática de gênero e sexualidade na política pública de educação no país, no período de 2014 a 2018. A partir da análise crítica feminista do discurso o argumento busca demonstrar o aspecto semiótico nos pronunciamentos dos/as parlamentares ao tratar dessa temática. Os resultados dão conta que os posicionamentos contrários à temática constroem uma estrutura discursiva ideológica com a expressão “nós contra a minoria” para desestabilizar as correlações de força em torno das questões de gênero e sexualidade nas políticas públicas. Por fim, essa abordagem pretende somar-se ao conjunto de outros trabalhos que se colocaram na esteira da resistência acadêmica contra a extrema-direita no Brasil.</p> Priscila Freire Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 230 248 10.22481/reed.v2i3.8113 PODERES E PERIGOS DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: EQUITATIVA, INCLUSIVA E COM APRENDIZADO AO LONGO DA VIDA https://periodicos2.uesb.br/index.php/reed/article/view/8152 <p>Este artigo tem como objetivo analisar o documento “Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida (PNEE)”, instituído pelo Decreto 10.502 de 30 de Setembro de 2020. Teórico-metodologicamente o texto está ancorado na pesquisa de abordagem qualitativa à luz dos estudos de Foucault (1985, 1988, 1995, 2002, 2008, 2010, 2014), Rodrigues (2006) e&nbsp; Veiga-Neto e Lopes (2007). A análise aponta que a Política Nacional não apresenta alinhamento com o atual debate acerca da educação inclusiva e que o documento fere princípios dos direitos das Pessoas com deficiência, reforçando um modelo segregador de educação especial e incentivando o atendimento dessas pessoas em centros especializados, escolas e classes especiais, retomando uma perspectiva excludente pautada no modelo médico de deficiência.</p> Carolline Septimio Leticia Carneiro da Conceição Vanessa Goes Denardi Copyright (c) 2021 Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED 2021-03-31 2021-03-31 2 3 249 262 10.22481/reed.v2i3.8152