Revista de Iniciação à Docência https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid <div align="justify">A <strong>Revista de Iniciação à Docência</strong> (RID-UESB, <strong>ISSN 2525-4332</strong>) é um periódico <em>online</em>, de acesso aberto, dedicado a difundir ensaios teóricos, relatos de experiência e resultados de pesquisas envolvendo temas relacionados à formação e à inserção profissional de docentes de qualquer nível ou modalidade de ensino. Sua periodicidade é anual, com publicação contínua. A avaliação é feita às cegas. São aceitos textos em português e em espanhol.</div> Edições UESB pt-BR Revista de Iniciação à Docência 2525-4332 Processos formativos da docência: relato de experiência do Programa Residência Pedagógica no núcleo de Geografia https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13530 <p>Este texto configura-se em um relato de experiência que se deu no âmbito do Programa Residência Pedagógica (PRP), proporcionado pela Universidade Federal do Pampa, <em>campus</em> São Borja. O núcleo do <em>campus</em> é de Geografia em decorrência do curso de Licenciatura em Ciências Humanas. A interação com a educação básica de ensino ocorreu por meio de um instituto da rede pública periférico. O problema do presente relato se molda a partir do momento em que se busca refletir sobre a própria prática de ensino e, consequentemente, de aprendizagem, bem como seu desenrolar e sua continuidade no sentido de desenvolvimento docente. Dessa forma, justifica-se pela própria importância de se pensar sobre a atividade docente e o papel que programas como esse têm sobre ela. Portanto, o objetivo do presente relato é identificar quais foram os processos formativos ao longo do período de estágio do programa. Intentou-se fazer isso por meio do relato das vivências e experiências fundamentado por uma revisão de literatura. As considerações finais abrangem a importância de programas que possibilitam a prática como importante canal de aprendizagem da docência para professores em formação.</p> Letícia Almeida Lopes Muriel Pinto Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-04 2024-03-04 9 1 e13530 18 10.22481/riduesb.v9i1.13530 O coordenador pedagógico e a formação continuada de professores: reflexões sobre educação, escola e diversidades de gêneros https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13658 <p>O presente estudo versa sobre desafios e possibilidades na atuação do coordenador pedagógico, profissional que tem como um dos compromissos inerentes ao seu fazer, manter a sua formação permanente e a formação permanente de professores no âmbito escolar, considerando-se a multiplicidade de desafios frente à concepção de educação e de formação assumida nos contextos formativos e à necessidade de combater preconceitos, violências e silenciamentos ainda presentes na escola e na sociedade, marcadamente em crise: crise moral, crise de valores, crise na formação e na constituição de sujeitos éticos, além da falência na construção de sujeitos políticos e comprometidos com a formação de uma sociedade pautada em relações mais humanas e emancipatórias. Partindo dessa premissa freiriana - uma educação emancipatória -, refletimos sobre a escola como <em>lócus</em> privilegiado de formação de profissionais da educação para discutir temas relacionados às diversidades de gênero e sexualidades como estratégia de combate e de mitigação da violência sofrida por estudantes LGBT.</p> Georgeton Pires Correia Cínthia Maria Seibert Santos Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-04 2024-03-04 9 1 e13658 16 10.22481/riduesb.v9i1.13658 Cordéis na escola: a literatura como homenagem https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/14152 <p>Este artigo é um relato de experiência de uma sequência didática aplicada em turmas dos anos finais do Ensino Fundamental II, durante as aulas de Língua Portuguesa, numa escola municipal da rede pública de ensino de Minas Gerais. As práticas pedagógicas foram regidas por bolsistas do PIBID, sob a supervisão da professora supervisora das turmas. Partiu-se do livro <em>Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis</em> (2017), de Jarid Arraes. E, na perspectiva do letramento literário (Cosson, 2009), buscou-se conhecer e valorizar o gênero literatura de cordel e produzir cordéis com o fito de homenagear personalidades locais, nacionais e/ou internacionais escolhidas pelos próprios estudantes. O produto final das aulas evidenciou um uso do texto literário para a constituição de sentidos e de identidades.</p> Natália Gonçalves de Souza Santos Maria Clara Barbosa Bernardo Pedro Henrique Fagundes dos Santos Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-06 2024-05-06 9 1 10.22481/riduesb.v9i1.14152 Faces da violência contra a mulher: a heterogeneidade discursiva como ferramenta metodológica https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13938 <p>Nosso trabalho se situa no âmago das práticas do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID, realizado em uma turma de 9º ano do Ensino Fundamental. Temos como objetivo analisar quatro manchetes de notícias produzidas pelos alunos a partir do processo de retextualização do conto “Gesso”, de Jarid Arraes, e da canção “Maria da vila Matilde”, de Elza Soares. Para tanto, discutimos os conceitos de discurso (Fairclough, 2001; Maingueneau, 2015; Mussalim, 2003), de sujeito (Authier-Revuz, 1990; Mussalim, 2003), de formações ideológicas e discursivas (Althusser, 1996; Foucault, 1997; Maingueneau, 2015) e, ainda, como abordagem teórico-metodológica norteadora do trabalho, as heterogeneidades mostrada e constitutiva (Authier-Revuz, 1990). Como resultados, verificamos diferentes formações discursivas: as que convergem com os discursos de proteção da mulher e as que vão contra esses discursos, ironizando-os e os negando.</p> Anna Biatrys Moura Célia Maria de Medeiros Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-07 2024-05-07 9 1 e13938 18 10.22481/riduesb.v9i1.13938 História da Química e Histórias em Quadrinhos: relato de experiência no estágio supervisionado na Licenciatura em Química https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13665 <p>O estágio supervisionado na formação inicial proporciona a construção de conhecimentos e práticas para a vida profissional, oportunizando também constantes vivências com recursos didáticos para o ensino-aprendizagem de conteúdos químicos, destacando-se o uso das tecnologias digitais. Nesse contexto, o presente artigo relata as experiências vivenciadas no estágio supervisionado, na componente História da Química e suas implicações para o Ensino de Ciências, ministrada aos discentes do curso Licenciatura Plena em Química, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), mediante a utilização da estratégia de elaboração de Histórias em Quadrinhos (HQs) através da ferramenta Make Beliefs Comix. Após seguir algumas etapas e procedimentos, os estudantes elaboraram suas HQs através da ferramenta e socializaram suas elaborações. Percebeu-se que o gerador de HQs foi um recurso didático significativo e dinâmico, colaborando para o engajamento dos discentes na disciplina e oferecendo discussões muito pertinentes sobre a formação de professores a partir de suas produções.</p> Maria Gabriela da Costa Melo Leossandra Cabral de Luna Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13665 17 10.22481/riduesb.v9i1.13665 Estágio Curricular Supervisionado: O Currículo de Pedagogia da Universidade Federal da Grande Dourados https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13664 <p>O presente artigo aborda aspectos teóricos acerca do Estágio Curricular Supervisionado, tendo por objetivo analisar o currículo do Curso de Pedagogia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), bem como as possibilidades e limites do Estágio na Formação de Professores. É uma pesquisa de cunho qualitativo de análise documental e teórica. A partir da análise do Projeto Pedagógico do curso, foi possível evidenciar que o Estágio possibilita a formação de um profissional crítico-reflexivo, fator esse que se dá pelo tempo e permanência dos acadêmicos no ambiente escolar, onde as atividades teórico-práticas são possibilitadas diante da diversidade e multiplicidade de questões inerentes à organização escolar. Os desafios observados pelos futuros docentes são problematizados à luz da teoria no ambiente acadêmico, o que torna contínua a relação universidade e escola. Por fim, compreender o Estágio como um movimento formativo profícuo de ensino e pesquisa, principalmente, em ampliação de carga horária e como componente curricular com um regimento próprio, assim como apresenta o Projeto Pedagógico do curso de Pedagogia da UFGD, possibilita uma formação docente com potencialidades e experiências, munindo-os de uma bagagem sólida de conhecimento crítico, social e reflexivo, para uma atuação profissional duradoura.</p> Cristiane Ribeiro Cabral Rocha Edvonete Souza de Alencar Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-06-03 2024-06-03 9 1 e13664 13 10.22481/riduesb.v9i1.13664 Possibilidades e desafios nos caminhos para a consolidação de periódicos do campo na formação docente: as experiências da Revista Internacional de Formação de Professores e da Revista de Iniciação à Docência https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/14668 <p>Desse modo, o objetivo deste editorial é destacar a importância dos periódicos especializados para a configuração da formação docente como campo de conhecimentos, assim como apontar os limites e as dificuldades para a consolidação de periódicos nesse campo. Esperamos que as reflexões aqui desenvolvidas possam ampliar as discussões atuais sobre os processos de avaliação da produção acadêmica, em especial no que concerne à pressão por <em>impacto</em>, e jogar luz sobre o papel dos periódicos jovens para a divulgação dos resultados de pesquisa e de experiências nesse campo.</p> Daisi Teresinha Chapani Alexandre Shigunov Neto Ana Cristina Santos Duarte Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-04-17 2024-04-17 9 1 e14668 12 Apresentação: Estágio Supervisionado nas Licenciaturas https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/14885 <p>Esse dossiê temático tem como objetivo difundir pesquisas e ações de estágio supervisionado que veem sendo desenvolvidas no Brasil. É sabido das diferentes perspectivas inerentes às ações de estágio supervisionado no país. Pimenta e Lima (2017) apresentam as relações e anseios da teoria e prática do estágio supervisionado e esses podem ser corroborados nos artigos apresentados nesse dossiê.</p> Edvonete Souza de Alencar Etienne Lautenschlager Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e14885 4 10.22481/riduesb.v9i1.14885 Reflexões e apontamentos sobre o regime remoto a partir do Estágio Supervisionado em Ensino de Biologia fundamentado na Pedagogia Histórico-Crítica https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13691 <p>O Estágio Supervisionado presente nas licenciaturas é imprescindível no que se refere à possibilidade de uma formação que esteja comprometida com a instrumentalização de futuros docentes, com o objetivo de oferecer subsídios para o desenvolvimento da práxis pedagógica revolucionária. Assim, por meio do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, em particular, o Estágio Supervisionado permitiu vislumbrar o Ensino de Biologia como um instrumento de mediação para a socialização dos conhecimentos científicos sistematizados e clássicos, proveniente do processo sócio-histórico, com o objetivo de humanizar os estudantes para que estes consigam compreender e intervir para além da realidade aparente. Portanto, é a partir da compreensão dos fundamentos da Pedagogia Histórico-Crítica, do Materialismo Histórico-Dialético e da práxis propiciada pelo Estágio em escola pública, referente ao componente curricular de um curso de Licenciatura em Ciências Biológicas em uma Universidade Pública do estado do Paraná, que o presente relato de experiência buscou, por meio de observação sistemática e entrevistas, analisar e descrever o desenvolvimento de aulas de Biologia, as dificuldades encontradas durante o regime remoto e os problemas na educação, que se agravaram com a pandemia da COVID-19, decorrentes da desigualdade social, possibilitando constatar as fragilidades durante o processo de ensino e aprendizagem.</p> Ana Paula Biondo Lhamas Izabela Lourenço Silva Carolina Borghi Mendes Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13691 16 10.22481/riduesb.v9i1.13691 Orientação profissional: relato de experiência com alunos da 3ª série do Ensino Médio https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13689 <p>Neste relato apresenta-se resultados de uma prática de Orientação Profissional em uma escola pública de Vitória da Conquista, Bahia, realizada com estudantes da terceira série do Ensino Médio, por meio de um estágio supervisionado da licenciatura. A Orientação Profissional consiste em um conjunto de atividades que visam auxiliar os estudantes a refletirem sobre qualificação profissional, mercado de trabalho e oportunidades. Durante o processo, os alunos vivenciam atividades que abordam o autoconhecimento e que abordam informações sobre os caminhos possíveis após o término do Ensino Médio. Para essa prática, foram utilizados os horários do componente curricular Projeto de Vida. O processo de estágio supervisionado foi construído mediante os estudos da Psicologia Escolar/Educacional e amparado pela construção dos saberes da docência em Psicologia. A metodologia proposta foi desenvolvida por meio de oito encontros presenciais, de aproximadamente sessenta minutos, com a utilização de questionários, dinâmicas, realização de roda de conversa e construção de material em sala de aula. Os resultados apontam que a Orientação Profissional instrumentaliza os estudantes de forma crítica, considerando limites e possibilidades do contexto de vida de cada um, acerca da escolha profissional a partir do término do Ensino Médio.</p> Lohana Oliveira Leite Paloma Lima Viana Carmem Virgínia Moraes da Silva Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13689 15 10.22481/riduesb.v9i1.13689 Contribuições do estágio curricular supervisionado na formação e prática docente: análise com estudantes do curso de Pedagogia da UFPR https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13688 <p>A pesquisa busca analisar as contribuições do estágio curricular supervisionado na formação e prática docente. Para tanto, foram discutidas questões relacionadas às dificuldades encontradas pelo estagiário em sua prática docente e o papel da Universidade como instituição formadora. A pesquisa bibliográfica baseia-se em autores como: Tardif (2014), Pimenta e Lima (2004; 2006), Pimenta (1997), Souza e Guarnieri (2016). A pesquisa de campo contou com entrevistas semiestruturadas com 33 (trinta e três) estudantes do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Paraná, realizadas via formulário do <em>Google</em>. O questionário com 24 (vinte e quatro) questões trata sobre o perfil do estudante, papel do estágio na formação docente e as dificuldades encontradas na realização das disciplinas de estágio. Para a análise das respostas foi utilizada como metodologia a análise de conteúdo (Bardin, 2011), e assim, definidas três categorias: 1) Contribuições do curso de formação inicial na prática docente; 2) Importância do estágio curricular supervisionado na formação docente; 3) Dificuldades encontradas na realização do estágio. A partir das análises realizadas, a pesquisa aponta as contribuições dos estágios supervisionados na formação do professor e as principais dificuldades encontradas no início da carreira, limites e possibilidades.</p> Debora Cristina Lopes Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13688 21 10.22481/riduesb.v9i1.13688 Estágio supervisionado remoto na licenciatura em Física: o que dizem os licenciandos? https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13685 <p>Foram analisadas as percepções de licenciandos sobre o estágio curricular supervisionado no curso de licenciatura em Física de uma instituição federal de ensino da região sul do Brasil, no período da pandemia de Coronavírus. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, com análise de entrevistas semiestruturadas do tipo história de vida com três licenciandos em Física que realizaram todas as disciplinas de estágio supervisionado de docência em formato remoto. Na percepção dos entrevistados, o estágio supervisionado neste contexto foi repleto de desafios e limitações, como: a pouca interação com os estudantes e o tempo reduzido das aulas síncronas; e a necessidade de adequar-se à metodologia e conteúdos propostos pelo professor supervisor, tendo pouco espaço para exercer seu protagonismo docente. Como resultado, os entrevistados apontam a necessidade da experiência em sala de aula para se sentirem professores, ressaltando a importância das interações e vivências no contexto escolar como elementos constituintes da formação docente.</p> Caroline Dorada Pereira Portela Ivanilda Higa Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13685 20 10.22481/riduesb.v9i1.13685 Observando para Transformar: contribuições do Estágio Supervisionado de observação para a Formação Inicial Docente https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13683 <p>Este relato tem como objetivo narrar as experiências vivenciadas durante o Estágio Supervisionado de Observação do curso de Licenciatura em Letras-Inglês da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Apresentamos uma reflexão sobre a relevância que os estágios, sobretudo na modalidade de observação, exercem no processo de formação inicial de professores. Assim, esse trabalho é resultado da experiência no componente curricular no primeiro dos seis estágios exigidos pelo currículo atual do curso. Essa prática foi realizada na escola campo, a fim de observar professores de língua inglesa em sala de aula. Tais experiências se alicerçam em autores como: Biazi <em>et al. </em>(2011), Ferragini e Tognato (2018), além de Leffa (2011, 2012) e Freire (1968). Nessa perspectiva, acreditamos que todos os processos de formação social são intrínsecos à educação básica e à disciplina de Estágio de Observação é fundamental para a formação inicial docente, a fim de mobilizar conhecimentos, crenças, atitudes, saberes e vivências através da observação da prática. Portanto, é importante ressaltar que os resultados que foram encontrados durante o estágio foram transformados em projetos de intervenção para promover a formação integral tanto dos alunos da escola quantos dos professores em formação inicial.</p> Marcela Eduarda Santos da Cruz Mellissa Moreira Figueiredo Barbosa Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13683 18 10.22481/riduesb.v9i1.13683 Projeto de Investigação em Docência: uma proposta de estágio com pesquisa na formação inicial docente https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13668 <p>Neste trabalho apresentamos uma proposta de desenvolvimento do estágio em perspectiva investigativa e crítica, que pode favorecer um trabalho docente crítico e transformador do ensino na escola. O desenvolvimento da proposta em pauta, que denominamos como Projeto de Investigação em Docência (PID), ocorreu no âmbito da formação inicial de professores de Física de uma universidade pública do Estado de São Paulo. Suas ações foram planejadas com base em um conjunto de estudos sobre diversos elementos teórico-práticos relativos à formação docente voltada à educação em ciências. Tais pesquisas revelaram movimentos de enfrentamento significativos dos desafios para a utilização do PID e resultados promissores mesmo com as dificuldades contextuais atuais presentes nas escolas de educação básica. Assim, com este texto, esperamos contribuir com outros formadores de professores, ajudando-os a refletir e propor novas ações no âmbito dos estágios supervisionados.</p> Leandro de Oliveira Rabelo Maria Lucia Vital dos Santos Abib Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13668 15 10.22481/riduesb.v9i1.13668 Relato de experiência: reflexão sobre docência a partir do estágio supervisionado em Geografia no IF Baiano https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13676 <p>O Estágio Supervisionado nos cursos de formação de professores é um ato educativo caracterizado pela imersão dos licenciandos no “chão” da escola com vistas a complementação da aprendizagem. O presente trabalho tem objetivo relatar tal experiência sob a perspectiva dos desafios que são vivenciados por professores de Geografia nas séries finais do ensino fundamental no Colégio Municipal de Cravolândia a partir do olhar de licenciandas do Instituto Federal Baiano. Para a realização do estudo, os procedimentos metodológicos foram os seguintes: discussão de textos problematizados ao longo do Curso de Geografia, especialmente no componente Estágio – Freire (1997; 2021), Pimenta e Lima (2004), Rangel (2007) e Cavalcanti (2010) –, assim como documentos que caracterizam o ensino fundamental (Brasil, 1996) e o estágio (IF Baiano, 2017; 2023); levantamento de dados secundários sobre a educação em Cravolândia a partir da SEC-BA (2021) e CMC (2023); trabalho de campo a partir da imersão no Colégio pesquisado. O estágio, enquanto espaço de pesquisa e de extensão, evidencia, com base nas experiências compartilhadas, alguns dos desafios identificados na prática docente, tais como: falta de acesso de recursos por parte dos docentes; carga horária extensa; falta de suporte para com ANEE; dissociação da Geografia com a realidade.</p> Michely da Silva Felix Adriele dos Santos Oliveira Aline dos Santos Lima Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13676 17 10.22481/riduesb.v9i1.13676 Estágio curricular em Sociologia e a formação docente: experiências em uma escola de Ensino Médio em Petrolina-PE https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13666 <p>O processo de ensino e aprendizagem, determinado pela realidade histórico social e marcado por relações conflituosas, condições e interesses desiguais, demanda uma prática docente indissociável da teoria, numa práxis sistemática e científica e no estabelecimento de relações e interações observadoras com os estudantes, tendo a avaliação e a autoavaliação como fonte de reflexão e de ampliação do conhecimento. Assim, o estágio de regência nos cursos de licenciatura se caracteriza como atividade fundamental à formação de professores por possibilitar esses processos que auxiliam na definição e redefinição continuada de modos de ação no exercício da docência. O presente artigo apresenta o relato de uma experiência de estágio curricular na licenciatura em Ciências Sociais da UNIVASF, realizado por meio da combinação entre uma etnografia de sala de aula e registro autobiográfico. Para tanto, apresenta a caracterização do local do estágio, descrição das atividades realizadas e reflexões possibilitadas pela prática docente em uma escola de referência em ensino médio em Petrolina-PE, apontando experiências frustradas e outras bem-sucedidas, buscando compreendê-las à luz de teorias pedagógicas.</p> Zulcimara Araujo Amorim Rosicleide Araújo de Melo Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13666 15 10.22481/riduesb.v9i1.13666 Iniciação à prática profissional no ensino básico: relato de uma experiência de inovação didática com a mediação do programa Erasmus Pro https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13641 <p>Este artigo relata a experiência didática na iniciação à prática pedagógica das qualificações de formação de professores do ensino primário no âmbito do programa da Comissão Europeia que promove a mobilidade de estudantes e professores na formação de professores. As atividades apoiadas são variadas e incluem, entre outras, estágios e colocações de curta duração (ErasmusPro), acolhimento de peritos convidados. As instituições participantes devem promover ativamente a inclusão e a diversidade, o desenvolvimento sustentável e a alfabetização digital através das suas atividades, tirando partido das oportunidades de financiamento específicas oferecidas pelo Programa para este efeito, sensibilizando os seus participantes, partilhando boas práticas e escolhendo uma concepção adequada para as suas atividades. Este processo requer a colaboração e a preparação pormenorizada de atividades entre instituições de diferentes países da UE com o mesmo historial. Propomo-nos descrever a experiência de 5 países - França, Espanha, Portugal, Itália e Roménia - e os passos a dar para implementar este processo peculiar com o objetivo de melhorar a qualidade da formação profissional inicial e contínua na Europa.</p> Florbela Rodrigues Maria Eduarda Ferreira Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-27 2024-05-27 9 1 e13641 16 10.22481/riduesb.v9i1.13641 Concepções de estudantes do ensino médio sobre soluções químicas: reflexões a partir do desenvolvimento de uma sequência didática https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13636 <p>O presente estudo foi desenvolvido como parte das atividades do componente curricular de Estágio IV, em um Colégio Estadual da cidade de Itapetinga-BA. A partir da adaptação dos trabalhos de Alves e Ribeiro (2019) e Silva e Vasconcelos (2020), buscamos compreender quais concepções de estudantes do Ensino Médio sobre o conteúdo de Soluções podem ser elaboradas a partir da aplicação de uma sequência didática (SD) em aulas de Química. Além disso, identificar os desafios na aprendizagem do conteúdo, como também a presença dos aspectos macroscópicos e microscópicos durante as aulas. Para isso, uma pesquisa qualitativa foi conduzida, utilizando como instrumento de coleta de dados dois questionários, um no início e outro ao final da SD. A SD foi composta por sete ações pedagógicas com duas h/aulas de cada momento, sendo a carga horária da mesma equivalente a 14h. Ao término da SD foi possível identificar o avanço da aprendizagem dos alunos, pois em muitas das respostas apresentadas eles conseguiram superar os erros em suas concepções. Outrossim, poucos alunos discutiram em sala aspectos microscópicos e os desafios foram minimizados na compreensão do assunto.</p> Gustavo Wendel Rodrigues Alves Daniela Marques Alexandrino Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e13636 20 10.22481/riduesb.v9i1.13636 O estágio curricular supervisionado como espaço formativo para os saberes necessários à prática educativa https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13597 <p>Por ser especificamente humana, a eticidade pertence à formação e à prática docente, exigindo os seguintes saberes: apreensão da realidade, reflexão crítica sobre a prática, autonomia, pesquisa e competência profissional. O estudo explicita como esses cinco saberes docentes, elucidados por Paulo Freire (2022), são contemplados pelo estágio curricular supervisionado do curso de Licenciatura em Ciências Naturais: habilitação em Física de uma Instituição pública do interior paulista. Utilizou-se a análise textual discursiva (Moraes, 2003), aplicada ao diário de campo de um estagiário, como procedimento metodológico. Os dados foram organizados em três unidades de análise e classificados em cinco categorias correspondentes aos cinco saberes tratados no estudo. Verificou-se que o estágio é um espaço formativo para os saberes intrínsecos ao ato educativo por envolver o futuro professor em conhecimentos profissionais, apropriação das realidades de atuação, avaliações constantes do ensinar-aprender e práticas ausentes de reprodução mecânica. Concluiu-se que, sendo um espaço formativo para os saberes freireanos, o estágio possibilitou a formação inicial de um educador capaz de exercer sua profissão, de modo singular, com a eticidade que o caráter humano da prática educativa demanda, responsabilizando-se pela humanização de seus educandos.</p> Tiago Donizete Alves Andréia Silva Abbiati Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e13597 20 10.22481/riduesb.v9i1.13597 Narrativas pedagógicas sobre a formação docente nos contextos de estágio supervisionado: caminhos e possibilidades de exploração https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13579 <p>A formação crítica de professores requer práticas que promovam a autorreflexão sobre o que é ser professor, e mais, sobre o que é ser professor no século XXI. Para muitos estudantes de licenciatura, o Estágio Obrigatório representa o único momento formativo em que o contato com o ambiente escolar é estabelecido; representando uma importante e decisiva etapa de sua formação. Frente a essa premissa, propomo-nos a discutir as possibilidades de exploração em pesquisas de narrativas pedagógicas produzidas por professores em formação na disciplina de Estágio Supervisionado. Observando, principalmente, perspectivas subjetivas sobre a docência e a própria formação recebida, bem como possíveis mudanças nessas perspectivas com o avanço das experiências no estágio, objetivamos evidenciar as narrativas pedagógicas como importante objeto de investigação na área de formação de professores e destacar seu papel na construção de um pensamento científico em Educação que privilegie as experiências e reflexões de pessoas reais.</p> Lucan Fernandes Moreno Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e13579 18 10.22481/riduesb.v9i1.13579 Estágio Supervisionado na Educação Básica: experiências distintas contribuindo para a formação do pedagogo https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13517 <p>O artigo retrata duas vivências distintas de realização do estágio curricular supervisionado na Educação Básica, a primeira realizada presencialmente em turma dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e a segunda desenvolvida na Educação Infantil no contexto da pandemia de Covid-19. Objetivou-se contrapor os discursos das acadêmicas quanto às contribuições das atividades teórico-práticas de estágio realizadas presencialmente e remotamente nos cursos de Pedagogia presencial e PARFOR. O estudo de cunho qualitativo, exploratório e descritivo analisou, por meio da Análise de Conteúdo (Bardin, 2010), as vivências das acadêmicas a partir do relatório final de estágio produzido por elas e por um questionário respondido via <em>Google Forms</em>. Dos resultados destacaram-se a fragilidade nas relações interpessoais entre as estagiárias e as professoras que as receberam em suas salas de aula; a relevância do professor no contexto tecnológico; a influência de familiares no processo de ensino e de aprendizagem e a realidade socioeconômica e cultural interferindo nas condições de aprendizagem <em>online</em>.</p> Simone de Souza Cristiane Batistioli Vendrame Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e13517 16 10.22481/riduesb.v9i1.13517 Reflexões acerca do estágio supervisionado nas licenciaturas: uma oportunidade de vivenciar a realidade escolar https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13094 <p>O estágio supervisionado é uma exigência curricular das licenciaturas, visando a formação de professores. Resguardando as possíveis diferenças existentes na dinâmica organizacional entre os cursos, define-se um ponto em comum: o destaque que o estágio pode proporcionar na vida profissional futura do graduando, futuro docente, como oportunidade de vivenciar a realidade cotidiana dentro de uma sala de aula antes de se formar. Esse artigo buscou apontar e promover reflexões acerca da formação de professores no Brasil, através de um levantamento de produções acadêmicas de autores que dialoguem sobre a temática, além de um relato pessoal da experiência do estágio que possibilitou à autora conhecer a realidade escolar, além de encontrar seu lócus de atuação profissional. Conclui-se que mais do que ‘rito de passagem’ ou disciplina obrigatória, o estágio promove a confirmação de uma escolha e uma rica vivência do estudante e na formação de professores capazes de atuar com autonomia e segurança.</p> Camila Martins Januário de Freitas Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-28 2024-05-28 9 1 e13094 14 10.22481/riduesb.v9i1.13094 Estágio supervisionado em ambiente não escolar: um olhar sobre a atuação da(o) profissional de Pedagogia https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/13786 <p>Este artigo apresenta uma pesquisa realizada sobre o trabalho da(o) pedagoga(o) em ambientes não escolares, mais especificadamente no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) do município de Castanhal-PA, no setor de Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS). Para tanto, pretende identificar as funções e as principais demandas de trabalho, as estratégias pedagógicas adotadas para o desenvolvimento das atividades dessa(e) profissional e os principais desafios enfrentados no seu trabalho. A pesquisa fundamenta-se nos princípios de abordagem qualitativa e faz o uso tanto de pesquisa bibliográfica e documental, a partir do estudo de diferentes documentos sobre o Estágio Supervisionado e das principais legislações e os regimentos e orientações técnicas do CREAS, quanto de pesquisa empírica, a partir da realização de entrevista semiestruturada, realizada com a pedagoga do CREAS que atua no setor do SEAS da referida unidade, fundamentando-se, também, na pesquisa participante, constituída a partir das experiências e impressões obtidas durante as observações no lócus da pesquisa. Constatou-se que além de atuar como mediadora nos processos de socialização e interação das(os) usurárias(os) da unidade, esta profissional acaba assumindo outras funções relacionadas à escuta, acolhimento e proposições de atividades pedagógicas lúdicas e interativas.</p> Francisco Claudio da Paz Ana Paula Vieira e Souza Deyverson Luener de Oliveira Ferreira Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-06-11 2024-06-11 9 1 e13786 18 10.22481/riduesb.v9i1.13786 Lista de Pareceristas ad hoc 2023 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/14915 RID Copyright (c) 2024 Revista de Iniciação à Docência https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-06-05 2024-06-05 9 1 1 4