Avaliação entre a esquistossomose e o acesso ao saneamento básico no estado da Bahia, no período de 2015 a 2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rsc.v18i2.10361

Palavras-chave:

Esquistossomose Mansoni, Saneamento Básico, Epidemiologia, Doenças Negligenciadas, Sistema de Informação em Saúde

Resumo

O presente estudo teve como objetivo avaliar a correlação da esquistossomose mansônica com o acesso ao saneamento básico na Bahia entre 2015 a 2019. Foi realizado um estudo ecológico com o número de casos positivos de esquistossomose do banco de dados da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde e os dados de saneamento básico (abastecimento de água, coleta de lixo e rede de esgoto) do Painel do Saneamento Básico, referentes ao estado da Bahia no período definido. Posteriormente, as variáveis foram correlacionadas utilizando-se o coeficiente de Spearman e p < 0,05 como nível de significância. Os resultados evidenciaram cobertura de saneamento básico no estado da Bahia inferiores aos níveis nacionais em 2019, com 19%, 47% e 16% da população sem acesso à água, coleta de esgoto e coleta de lixo, respectivamente. Enquanto isso, o período de 2015 a 2019, somou 9.703 casos positivos de esquistossomose na Bahia, com diminuição geral do número de casos no ano de 2019. A relação entre a prevalência da esquistossomose na Bahia e os fatores do saneamento básico selecionados não mostrou correlação significativa, em contraste com a relação evidenciada na literatura. Apesar disso, foi demonstrado alto número de casos de esquistossomose, baixa cobertura do saneamento básico e divergência entre os sistemas de informação em saúde no estado da Bahia, pontos passíveis de melhorias para a condição de saúde e acesso à informação da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Paiva RFPS, Souza MFP. Associação entre condições socioeconômicas, sanitárias e de atenção básica e a morbidade hospitalar por doenças de veiculação hídrica no Brasil. Cad Saude Pública. 2018; 34 (1):e00017316. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/c3DgtD4MPBmxLdpmW8NxBHk/abstract/?lang=pt. doi: 10.1590/0102-311X00017316

Trata Brasil. Painel Saneamento Brasil. 2018. Disponível em: https://www.painelsaneamento.org.br/ (acessado em 14/Fev/2021).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: Diretrizes Técnicas. 4ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_esquistossome_mansoni_diretrizes_tecnicas.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/junho/25/guia-vigilancia-saude-volume-unico-3ed.pdf.

Bahia. Secretaria da Saúde. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Boletim Epidemiológico da Esquistossomose: Bahia, 2019. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/2019-Boletim-Epidemiol%C3%B3gico-de-Esquistossomose-n.-01.pdf

IBGE. Diretoria de Pesquisas. 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama (acessado 31/Jan/2021).

IBM Corp. Released 2013. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 22.0. Armonk, NY: IBM Corp.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial da União. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581.

Siqueira MS, Rosa RS, Bordin R, Nugem RC. Internações por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado na rede pública de saúde da região metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2010-2014. Epidemiol Serv Saúde . 2017; 26 (4): 795-806. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/g7pkmSty3q5GqJXjjr4pg6L/abstract/?lang=pt. doi: 10.5123/S1679-49742017000400011

Cunha MA, Borja PC. O programa de aceleração do crescimento no estado da Bahia e os desafios da universalização do saneamento básico. urbe Revista Brasileira de Gestão Urbana. 2018; 10 (1): 173–85. Disponível em: https://www.scielo.br/j/urbe/a/sWWgBWtwG6sQT67qLGTZYNf/abstract/?lang=pt. doi: 10.1590/2175-3369.010.SUPL1.AO09

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS. Água e Esgotos. Brasília, 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/ (acessado em 31/Jan/2021).

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS. Resíduos Sólidos. Brasília, 2020. Disponível em: http://app4.mdr.gov.br/serieHistorica/ (acessado em 31/Jan/2021).

Borja PC. Política pública de saneamento básico: uma análise da recente experiência brasileira. Saúde e Sociedade. 2014; 23: 432–47. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sausoc/a/gn7vpPFZYBHq6s6JVtHCHbw/?lang=pt&format=pdf. doi: 10.1590/S0104-12902014000200007

Costa JVB, Silva Filho JM. Esquistossomose mansônica: uma análise do perfil epidemiológico na região Sudeste. Rev. Saúde.Com. 2021; 17(3):2226-2234. Disponível em: <https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8509/6169>. doi: 10.22481/rsc.v17i3.8509

Nascimento IME, Meirelles LMA. Análise do perfil epidemiológico da esquistossomose no Nordeste do Brasil. Research, Society and Development. 2020; 9 (11): e58591110022. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10022. doi: 10.33448/rsd-v9i11.10022

Sobrinho FSL, Silva MCS, Lima LLC, Sobrinho GKL, Lopes EAP, Feitosa APS. Incidência de Esquistossomose Mansônica no Nordeste brasileiro, no período de 2013 a 2017. Diversitas Journal. 2020; 5(4): 2881-9. Disponível em: https://periodicos.ifal.edu.br/diversitas_journal/article/view/984#:~:text=Destaca%2Dse%20com%20maior%20ocorr%C3%AAncia,1.442%20e%20Sergipe%20559%20casos. doi: 10.17648/diversitas-journal-v5i4-984

Vidal LM, Barbosa AS, Ribeiro RMC, Silva LWS, Vilela ABA, Prado FO. Considerações sobre esquistossomose mansônica no município de Jequié, Bahia. Rev patol Trop. 2011; 40(4): 367-82. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/iptsp/article/view/16751. doi: 10.5216/rpt.v40i4.16751

Lira RG, Campos SS, Silva EC. Medidas de prevenção da esquistossomose: um estudo teórico. 22ª Semana de Mobilização Científica (SEMOC); 21 a 25 de outubro de 2019; Salvador. Disponível em: http://ri.ucsal.br:8080/jspui/bitstream/prefix/1343/1/Medidas%20de%20preven%C3%A7%C3%A3o%20da%20esquistossomose%3A%20um%20estudo%20te%C3%B3rico.pdf.

Melo AGS. Epidemiologia da esquistossomose e conhecimento da população em área periurbana de Sergipe [dissertação]. Universidade Tiradentes (UNIT); 2011. Disponível em: http://openrit.grupotiradentes.com:8080/xmlui/bitstream/handle/set/2982/EPIDEMIOLOGIA%20DA%20ESQUISTOSSOMOSE%20E%20CONHECIMENTO%20DA%20POPULA%C3%87%C3%83O%20EM.pdf?sequence=1.

Soares DA, Souza SA, Silva DJ, Silva AB, Cavalcante UMB, Lima CMBL. Avaliação epidemiológica da esquistossomose no estado de Pernambuco pelo modelo de regressão beta. Arch Health Sci. 2019; 26 (2): 116-20. Disponível em: https://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/1302. doi: 10.17696/2318-3691.26.2.2019.1302

Melo AGS, Melo CM, Oliveira CCC, Irmão JJM, Jeraldo VLS. Hábitos de risco e transmissão da esquistossomose em área periurbana de Sergipe. In: Melo AGS. Epidemiologia da esquistossomose e conhecimento da população em área periurbana de Sergipe [dissertação]. Universidade Tiradentes (UNIT); 2011. Disponível em: http://openrit.grupotiradentes.com:8080/xmlui/bitstream/handle/set/2982/EPIDEMIOLOGIA%20DA%20ESQUISTOSSOMOSE%20E%20CONHECIMENTO%20DA%20POPULA%C3%87%C3%83O%20EM.pdf?sequence=1.

Saucha CVV, Silva JAM, Amorim LB. Condições de saneamento básico em áreas hiperendêmicas para esquistossomose no estado de Pernambuco em 2012. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24 (3). Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/Sp9kmjBz9T6nqPwxPC9JG4v/abstract/?lang=pt. doi: 10.5123/S1679-49742015000300015

Farias LMM, Resendes APC, Magalhães RO, Souza-Santos RS, Sabroza PC. Os limites e possibilidades do Sistema de Informação da Esquistossomose (SISPCE) para a vigilância e ações de controle. Cad Saude Publica. 2011; 27 (10): 2055–62. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/MMp5GL5xHKgJztVJT3LMR8L/abstract/?lang=pt. doi: 10.1590/S0102-311X2011001000018

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 204, de 17 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2016. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0204_17_02_2016.html.

Bahia. Secretaria da Saúde do Estado. Regiões de Saúde do Estado da Bahia. 2016. Disponível em: http://www1.saude.ba.gov.br/mapa_bahia/VISAOMACRORREGIAOch.asp (acessado em 29/Jan/2021).

Bahia. Secretaria da Saúde do Estado. Esquistossomose. SESAB - Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, 2019. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/suvisa/vigilancia-epidemiologica/doencas-de-transmissao-vetorial/esquistossomose/ (acessado em 29/Jan/2021).

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Fernandes de Oliveira, V., Araujo de Jesus Oliveira, A., Sousa de Queiroz, S. ., Maria Bitencourt Teixeira Leite , C., & Paixão Cardoso , J. . (2022). Avaliação entre a esquistossomose e o acesso ao saneamento básico no estado da Bahia, no período de 2015 a 2019. Revista Saúde.Com, 18(2). https://doi.org/10.22481/rsc.v18i2.10361

Edição

Seção

Artigos originais