Genes que modulam a susceptibilidade à dependência ao álcool

Autores

  • Caio César Silva de Cerqueira Laboratório de Genética Molecular - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Palavras-chave:

desidrogenase, aldeído desidrogenase, genótipos

Resumo

As vias pelas quais se processa o metabolismo do álcool são complexas e moduladas por vários genes que, atuando em conjunto, promovem a resposta à substância. Os genes que codificam a enzima álcool desidrogenase (como o gene ADH1B ou ADH2), atuando na conversão do etanol em acetaldeído; a enzima aldeído desidrogenase (ALDH2), que converte o aldeído em ácido acético; e o gene que codifica a enzima citocromo P450, a isoforma 2E1 (CYP2E1), que atua gerando radicais livres, de grande importância na hepatotoxicidade induzida pelo etanol, foram bastante estudados e os resultados apresentam-se curiosos. O objetivo deste trabalho é apresentar alguns genes que, normais ou mutados, influenciam na susceptibilidade à dependência do álcool. Para a realização deste trabalho foi realizada pesquisa bibliográfica nacional e no banco de dados PubMed (serviço nacional americano de publicações científicas na área médica) sobre as funções dos genes supracitados. Num dos trabalhos pesquisados, realizado numa população espanhola, associação curiosa foi encontrada no polimorfismo Arg47Hys no éxon 3 do gene ADH1B. Genótipos contendo o alelo mutante ADH1B*2 foram comuns em mulheres não-alcóolicas, podendo indicar proteção contra o alcoolismo nos portadores desse alelo, segundo o autor do artigo. Em estudos realizados em São Paulo, os polimorfismos -75 bp A/C e -159 bp G/A, no gene ADH4 (álcool desidrogenase tipo 4), foram associados com dependência do álcool, ou seja, indivíduos com haplótipos portadores dos alelos de risco C e A, apresentaram um odds ratio de 2.9. É necessário o interesse pelo tema por pesquisadores da área de genética e estudo dos polimorfismos relacionados em diversas populações mundiais para que se estabeleça um consenso sobre quais são as mutações que mais influenciam o fenótipo dependente do álcool e, a partir disso, se saiba o quanto realmente os polimorfismos genéticos respondem às perguntas sobre dependência alcoólica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-03-25

Como Citar

Silva de Cerqueira, C. C. (2008). Genes que modulam a susceptibilidade à dependência ao álcool. Revista Saúde.Com, 4(1), 50-56. Recuperado de https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/127

Edição

Seção

Artigos de revisão