Perfil de utilização de medicamentos sem prescrição médica por gestantes atendidas em hospital na cidade de Vitória da Conquista – BA

Autores

  • Geysa Donária de Miranda Mascarenhas Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR)

Palavras-chave:

Gestação, Uso de medicamentos, Automedicação

Resumo

A automedicação é uma prática bastante utilizada entre a população brasileira, estando as gestantes particularmente expostas aos riscos da terapia medicamentosa. Diversos sintomas provenientes da fase gestacional favorecem a utilização de medicamentos, assim, a automedicação torna-se duplamente arriscada, expondo mãe e feto ao risco. O presente estudo objetivou traçar o perfil de uso de medicamentos sem prescrição médica por gestantes atendidas em um hospital do município de Vitória da Conquista-BA. Foi realizado um estudo do tipo exploratório descritivo, no qual participaram 104 gestantes atendidas em consulta de pré-natal, em setembro de 2014. Observou-se que 62% das puérperas ganhavam até 1 salário mínimo e 96% delas não se automedicaram. Os medicamentos mais utilizados na automedicação foram dipirona, paracetamol e escopolamina associada a dipirona. Das gestantes que se automedicaram 75% não comunicaram ao profissional de saúde que as acompanharam. As gestantes relataram terem sido informadas quanto aos riscos do uso de medicamentos na gravidez. Percebe-se a importância dos profissionais de saúde quanto ao esclarecimento dos perigos vinculados a automedicação, sendo o farmacêutico um elemento importante no processo de prevenção da automedicação entre gestantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-04-17

Como Citar

de Miranda Mascarenhas, G. D. (2015). Perfil de utilização de medicamentos sem prescrição médica por gestantes atendidas em hospital na cidade de Vitória da Conquista – BA. Revista Saúde.Com, 11(1), 20-28. Recuperado de https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/340

Edição

Seção

Artigos originais